Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Economia fraca: varejo tem queda de 3% em agosto, aponta Stone

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

A 8ª edição do Índice de Atividade Econômica Stone Varejo aponta que o comércio varejista segue com cenário instável, o que aumenta a expectativa para o último trimestre do ano. Em agosto, as vendas do setor caíram 3% na comparação anual, mas sustentaram níveis similares aos meses anteriores, o que indica estabilização do cenário de queda, visto ao longo do primeiro semestre. O estudo, que apresenta dados mensais de movimentação varejistas, é uma iniciativa da Stone, empresa de tecnologia e serviços financeiros que é a principal parceira do empreendedor brasileiro, em parceria com o Instituto Propague.

O levantamento tem como base a metodologia proposta pelo time de Consumer Finance do Federal Reserve Board (FED), que idealizou um modelo de indicador econômico similar nos Estados Unidos. São consideradas as operações via cartões, voucher e Pix dentro do grupo StoneCo. O objetivo é mapear mensalmente os dados de pequenos, médios e grandes varejistas e divulgar um retrato do setor nacional.

Leia mais  Taxar super-ricos já tem apoio de alguns países europeus, diz Durigan

Entre todos os segmentos, apenas o de artigos farmacêuticos apresentou resultado positivo, com alta de 1,1% no volume de vendas, no comparativo anual. E cinco segmentos não conseguiram alcançar resultados positivos, com a maior queda no setor de livros, jornais, revistas e papelaria (9%); tecidos, vestuários e calçados (5,2%); hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (3,9%); móveis e eletrodomésticos (3,8%); e material de construção (1,7%).

“Em meio aos desafios persistentes que o setor enfrenta na recuperação do volume de vendas no atual cenário macroeconômico, o nosso estudo mostra o comprometimento e os esforços dos varejistas em superar obstáculos para impulsionar os negócios. Vamos continuar a monitorar de perto a evolução do setor nos próximos meses, fornecendo informações essenciais para ajudar os empreendedores e investidores interessados no cenário varejista brasileiro”, pontua o pesquisador econômico e cientista de dados da Stone, responsável pelo levantamento, Matheus Calvelli.

Essas e muitas outras informações podem ser encontradas no dashboard do Instituto Propague, que centraliza todos os dados essenciais em um único local, tornando a pesquisa e análise mais simples. Essa plataforma foi desenvolvida para atender às demandas de pesquisadores e interessados no setor, oferecendo acesso fácil a informações valiosas. Veja mais, em: Link.

Leia mais  Dólar dispara para R$ 5,21 com críticas de Lula ao Banco Central

Destaques regionais

Quatro estados registraram alta na comparação ano contra ano: Rondônia (3,4%), Tocantins (2,9%), Espírito Santo (1,9%) e Acre (0,4%). Nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul, a maior queda foi no Distrito Federal (4,7%), além dos estados de Mato Grosso (4,2%) e Rio Grande do Sul (4,2%). No Norte e Nordeste, os estados mais afetados foram Rio Grande do Norte (10,4%), Alagoas (10%) e Roraima (7,6%).

Segmentos analisados

O Índice de Atividade Econômica Stone Varejo avalia seis segmentos:

1) Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos;

2) Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo;

3) Livros, jornais, revistas e papelaria;

4) Móveis e eletrodomésticos;

5) Tecidos, vestuários e calçados;

6) Material de Construção.

Acesse a versão completa do Índice de Atividade Econômica Stone Varejoem link.


Leia mais  Ucrânia registra recorde de mortes russas; Rússia nega óbitos
Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Começa consulta a segundo lote de restituição do IR 2024

Agência Brasil

Intenção de consumo das famílias cresce pelo terceiro mês

Agência Brasil

Caixa paga Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 5

Agência Brasil

Segunda emissão de títulos verdes rende US$ 2 bi

Agência Brasil

País tinha 9,4 milhões de empresas em 2022

Agência Brasil

Gestores estão decepcionados com Brasil

Márcia Alves

Deixe seu comentário