Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Educação financeira é a solução para os brasileiros saírem do vermelho

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

O número de inadimplentes brasileiros bateu o recorde em março deste ano. Segundo o Serasa, 43,43% da população com mais de 18 anos de idade deixou de pagar suas dívidas, somando 258,61 milhões de contas negativadas. A marca é a maior registrada desde a série iniciada em novembro de 2016.

A inflação e o desemprego são as principais causas do aumento. Em março deste ano, 70,71 milhões de inadimplentes deviam, em média, R$ 4.731. As pendências somavam R$ 334,5 bilhões entre bancos, cartões de crédito, lojas, contas de água e luz.

No período, o Rio de Janeiro foi o estado com o maior percentual de pessoas inadimplentes, totalizando 52,65% da população adulta no vermelho. O Amapá aparece em segundo lugar, com 52,44%, seguido por Amazonas (52,32%), Distrito Federal (51,13%) e Mato Grosso (50,22%). Entre os estados com menor proporção de endividados estão o Piauí (36,67%), Santa Catarina (36,74%) e Maranhão (38,41%).

Leia mais  Superávit das contas públicas cai 45,4% e fecha outubro em R$ 14,8 bi

Para o especialista Fernando Lamounier, diretor de novos negócios da Multimarcas Consórcios, a educação financeira é a solução.

“É necessário que a educação financeira seja cada vez mais incentivada. A consciência de gastos e o planejamento para realização de grandes projetos beneficia não apenas o detentor do dinheiro, mas todos ao seu redor.”

Segundo o levantamento do Banco Central e da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), 70% das pessoas gastam todo ou mais dinheiro do que ganham. O número representa 150 milhões de brasileiros que não têm controle sobre a própria vida financeira. Considerando uma escala de um a dez, a nota média que o brasileiro atribui para o seu próprio nível de educação financeira é de apenas 6,3.

O uso da regra 50, 30, 20, ajuda na organização das finanças e prioriza as despesas mais importantes, evitando o endividamento. A regra financeira é simples e separa o orçamento em três partes: 50% para gastos fixos e essenciais, 30% gastos variáveis e que podem ser cortados caso necessário e 20% para investimentos ou criação de um fundo de reserva.

Leia mais  Inscrições do concurso do Banco do Brasil terminam nesta sexta

Para entender melhor a regra, o especialista fez uma simulação com um salário de R$ 2 mil. “Com essa renda por mês você consegue separar R$ 1 mil para gastos fixos, R$ 600,00 com gastos variáveis e R$ 400,00 para investimentos ou reserva de emergência”.

O especialista também alerta para a importância de acompanhar de perto as receitas e as despesas para poder se manter sempre no azul.

“Identificar os pontos de melhoria, analisar o mercado e traçar os seus objetivos é o básico para o planejamento anual, assim você estará preparado para longos períodos e evitará endividamentos”, analisa o especialista.


Nos siga no Google News
Leia mais  Decreto autoriza relicitação do Aeroporto Internacional do Galeão

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Irani realiza o terceiro Programa de Recompra de Ações

Fernando Américo

Mercado de capitais registra captação recorde no 1º quadrimestre

Fernando Américo

Monitor do PIB-FGV aponta alta de 0,7% no primeiro trimestre

Fernando Américo

IGP-10 sobe 1,08% em maio

Fernando Américo

Procon-SP monitora preços do arroz para evitar especulação

Agência Brasil

Taxa de desemprego sobe em oito estados

Fernando Américo

Deixe seu comentário