Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Eletrobras está de olho no novo mercado da B3? Migração vem por aí?

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

A Eletrobras (ELET3; ELET6) contratou assessores externos para auxiliar a sua administração no processo de análise, estruturação e implementação de potencial migração da Eletrobras para o Novo Mercado, segmento especial de listagem da B3 S.A. – Brasil, Bolsa, Balcão, em linha com o Plano Diretor de Negócios e Gestão 2022-2026 (PDNG 2022-2026), aprovado pelo Conselho de Administração da Companhia em 17 de dezembro de 2021.

A migração para o Novo Mercado está associada à sua desestatização por meio da recente capitalização (follow-on) e às medidas de aprimoramento da sua governança corporativa.

O que é o novo mercado?

Lançado no ano 2000, o Novo Mercado estabeleceu desde sua criação um padrão de governança corporativa altamente diferenciado. A partir da primeira listagem, em 2002, ele se tornou o padrão de transparência e governança exigido pelos investidores para as novas aberturas de capital, sendo recomendado para empresas que pretendam realizar ofertas grandes e direcionadas a qualquer tipo de investidor (investidores institucionais, pessoas físicas, estrangeiros etc.).

Leia mais  Realmente precisa privatizar? Eletrobras lucra R$ 2,7 bilhões no 1T22

Na última década, o Novo Mercado firmou-se como um segmento destinado à negociação de ações de empresas que adotam, voluntariamente, práticas de governança corporativa adicionais às que são exigidas pela legislação brasileira. A listagem nesse segmento especial implica a adoção de um conjunto de regras societárias que ampliam os direitos dos acionistas, além da divulgação de políticas e existência de estruturas de fiscalização e controle.

O Novo Mercado conduz as empresas ao mais elevado padrão de governança corporativa. As empresas listadas nesse segmento podem emitir apenas ações com direito de voto, as chamadas ações ordinárias (ON).

Desde a sua criação, o Novo Mercado passou por revisões em 2006 e 2011. Recentemente, após extenso trabalho conjunto entre B3, participantes do mercado e companhias listadas, a nova versão do Regulamento do Novo Mercado foi aprovada em audiência restrita pelas companhias listadas em junho de 2017 e pelo Colegiado da Comissão de Valores Mobiliários em setembro de 2017. O novo regulamento entrará em vigor em 02/01/2018. 

Conheça algumas regras do Novo Mercado relacionadas à estrutura de governança e direitos dos acionistas:

  • O capital deve ser composto exclusivamente por ações ordinárias com direito a voto;
  • No caso de alienação do controle, todos os acionistas têm direito a vender suas ações pelo mesmo preço (tag along de 100%) atribuído às ações detidas pelo controlador;
  • Instalação de área de Auditoria Interna, função de Compliance e Comitê de Auditoria (estatutário ou não estatutário);
  • Em caso de saída da empresa do Novo Mercado, realização de oferta pública de aquisição de ações (OPA) por valor justo, sendo que, no mínimo, 1/3 dos titulares das ações em circulação devem aceitar a OPA ou concordar com a saída do segmento;
  • O conselho de administração deve contemplar, no mínimo, 2 ou 20% de conselheiros independentes, o que for maior, com mandato unificado de, no máximo, dois anos;
  • A empresa se compromete a manter, no mínimo, 25% das ações em circulação (free float), ou 15%, em caso de ADTV (average daily trading volume) superior a R$ 25 milhões;
  • Estruturação e divulgação de processo de avaliação do conselho de administração, de seus comitês e da diretoria;
  • Elaboração e divulgação de políticas de (i) remuneração; (ii) indicação de membros do conselho de administração, seus comitês de assessoramento e diretoria estatutária; (iii) gerenciamento de riscos; (iv) transação com partes relacionadas; e (v) negociação de valores mobiliários, com conteúdo mínimo (exceto para a política de remuneração);
  • Divulgação simultânea, em inglês e português, de fatos relevantes, informações sobre proventos e press releases de resultados;
  • Divulgação mensal das negociações com valores mobiliários de emissão da empresa pelos e acionistas controladores.
Leia mais  Blindou: Estatuto pede cautela em alterações na governança da Eletrobras

A BlackRock aumentou sua participação na Eletrobras (ELET3; ELET6) e passou a deter 98.444.000 ações ordinárias e 11.005.812 ADRs, representativas de 11.005.812 ações ordinárias, totalizando 109.449.812 ações ordinárias, representando aproximadamente 5,415% do total de ações ordinárias emitidas pela companhia.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Dólar atinge máxima em seis meses com tensões no Oriente Médio

Rodrigo Mahbub Santana

Conta de luz subirá com subsídio de Lula: entenda

Rodrigo Mahbub Santana

Eletrobras (ELET3) busca alternativas para ajudar saída da Emae

Paola Rocha Schwartz

Eletrobras pós-privatização: Lucro dispara, investimentos decolam e PDVs remodelam estrutura

Rodrigo Mahbub Santana

Fim da linha? Itaú BBA corta recomendação para Eletrobras

Leonardo Bruno

Eletrobras: Barganha ou Furada?

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário