Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Estudo revela recorde no atraso de pagamento de contas pelos brasileiros

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

De que maneira a pandemia e o cenário econômico do País impactaram o fôlego do brasileiro para pagar seus boletos em dia? Para encontrar essa resposta, a Celcoin, mapeou 240 milhões de transações realizadas via API, tecnologia disponibilizada para bancos e serviços digitais. O levantamento foi realizado em intervalos mensais e trimestrais ao longo de quatro anos, entre janeiro de 2019 e dezembro de 2022, e revelou que nunca atrasamos tanta conta quanto no último trimestre do ano passado.

A Celcoin processa pagamento de contas de cerca de 10% de toda a população economicamente ativa no Brasil e, de um total de 10 milhões de CPFs únicos utilizados como amostragem para o estudo, 12,4% pagaram a conta pelo menos um dia após o prazo de vencimento no último trimestre de 2022 – maior patamar desde o início do período avaliado. Até então, o recorde era do primeiro trimestre de 2021, quando 10,9% das pessoas atrasaram seus compromissos. No primeiro trimestre de 2019, período antes da pandemia, esse índice era de 6,5%.

Ao longo de 2021, com o avanço da vacinação e a flexibilização das restrições sanitárias impostas pela pandemia, foi possível observar queda na inadimplência. Esse comportamento se manteve até o 1º trimestre de 2022, quando a desaceleração da economia, decorrente das consequências da pandemia da alta de preços em diversos setores e do histórico aumento da taxa básica de juros, fez com que o atraso nas contas fosse retomado.

A taxa Selic apresentou incrementos constantes desde 2021, passando de 2% para os atuais 13,75% e, neste período, de acordo com levantamentos da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), o número de inadimplentes na série histórica, iniciada há oito anos, também chegou ao seu maior patamar. A exceção ocorreu nos meses de dezembro de 2021 e 2022, possivelmente em virtude do pagamento do 13° salário, um fôlego a mais para colocar as contas em dia.

Percentual médio de atraso é aproximadamente 9 vezes maior em contas não essenciais

O levantamento da Celcoin mostrou ainda que o brasileiro prefere manter o pagamento em dia de contas essenciais, como energia elétrica e gás, saneamento e telecomunicações, contas identificadas como do tipo “concessionária”. Esse é um cenário estável, observado ao longo dos anos, porém com aumento de cerca de 1,2 pontos percentuais nos últimos trimestres. No grupo de contas classificadas como “concessionária”, pôde-se observar que, ao longo de 2022, o percentual de pagamentos em atraso ficou abaixo de 3% em todos os trimestres do ano. Em uma análise geral, esses números demonstram queda comparada aos trimestres do ano anterior.

Leia mais  Governo terá novo programa de oferta de médicos em regiões distantes

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

Entretanto, o atraso de pagamentos dos serviços não essenciais, como faturas de cartões de crédito, compras online, consórcios e prestações de serviços cobrados por meio de fichas de compensação (os boletos), foi 8,6 vezes maior, na média, em 2022. No último trimestre, os pagamentos fora do prazo atingiram 24,1% de todos os boletos emitidos para esses CPFs da amostra, um aumento de 75% na comparação com o mesmo período de 2021. Na média, o percentual de atraso nas contas não essenciais foi 3,18 vezes maior em 2019, 4,66 vezes maior em 2020, e 4,9 vezes maior em 2021.

Além disso, as contas de serviços não essenciais fecharam o último trimestre de 2022 com um valor médio de R$ 431, crescimento de 60% na comparação com o mesmo período do ano anterior, quando chegaram à média de R$ 272. O aumento ocorre em virtude da maior busca por crédito no período pós-pandemia, mesmo no cenário de taxa Selic nos maiores níveis desde 2017.

Leia mais  BNDES é um hub de desenvolvimento para o Brasil, diz Montezano

Valor médio pago nas contas de energia elétrica cresce em torno de 30% em quatro anos

As contas de energia elétrica e gás cresceram 30% no valor médio entre o primeiro trimestre de 2019 (R$141) e o último trimestre de 2022 (R$184). No mesmo período, as contas de saneamento e telecomunicações tiveram aumento médio de 32%. Historicamente, os segmentos de saneamento e telecomunicações não apresentam variações significativas de valor. Com a crise hídrica, iniciada no 1° semestre de 2021, houve mudança para a bandeira vermelha, nível mais alto de cobrança extra de energia, aumentando assim o ticket médio no segmento. No segundo trimestre de 2022, passou a vigorar a bandeira verde, ocasionando a redução no ticket médio – observada no segundo semestre de 2022.

População sub-bancarizada foi a que mais teve dificuldades para pagar as contas em dia

O pagamento de contas em atraso foi maior nos canais físicos, como estabelecimentos comerciais , geralmente localizados em regiões com estrutura reduzida de bancos e lotéricas e com a população, em sua maioria, sub-bancarizada. O comportamento acompanhado pelas APIs da Celcoin, que monitoram transações físicas e em canais online, indica que esse perfil de consumidor atrasou suas contas 3,1 vezes mais, no último trimestre do ano, do que a população bancarizada. Ao longo de três anos, o atraso de contas subiu 9,3 pontos percentuais nos canais físicos e 1 ponto percentual no meio online, o que mostra a diferença de impacto na renda entre as populações que pagam suas contas nos dois canais.

 
 Atraso de contas nos canais físicos sobe em todo o Brasil

Nos recortes regionais, Norte, Nordeste, Centro-Oeste e Sudeste apresentaram crescimento no percentual de contas pagas com atraso nas operações realizadas em meios físicos. Por representar apenas 2,3% das transações neste canal, a Região Sul não foi incluída no comparativo. Na amostra, foram consideradas 81 milhões de transações entre janeiro de 2019 e dezembro de 2022.

Durante todo o período observado, o Nordeste é o primeiro em porcentagem de atraso – A Região, que possui a maior representatividade de transações na Celcoin em seus canais físicos, chegou a 25% de contas pagas fora do prazo — na média entre seus estados. Ceará e Piauí atingiram os maiores percentuais de contas pagas em atraso com, respectivamente, 38% e 32% – em ambos os estados, o crescimento de atrasos esteve acima de 100% entre o 4º trimestre de 2021 e o 44º trimestre de 2022. Sergipe, Bahia e Pernambuco apresentaram um crescimento de, em média, 20% entre o último trimestre de 2022 e o mesmo período do ano anterior. Alagoas e Maranhão foram na direção inversa da região, com queda entre os últimos trimestres de 2021 e 2022, atingindo variações de -46% e -6%, respectivamente.

Leia mais  Índice Nacional de Custo da Construção Civil avança 0,32% em janeiro

Ao longo dos quatro anos, o Centro-Oeste avançou mais que o dobro no percentual de contas pagas em atraso, saindo de 9,8% no 1º trimestre de 2019 para 19,8% no 4º trimestre de 2022.

Esse aumento dobrado ocorreu também no Sudeste, que obteve o maior crescimento interanual no percentual de contas pagas em atraso, avançando de 9,1% no 4º trimestre de 2021 para mais que o dobro no 4º trimestre de 2022 (18,5%). Na região, o estado do Espírito Santo atingiu o maior crescimento percentual no atraso de pagamento de contas, saindo de 6,9% no 1° trimestre de 2019 e chegando a 17,5% no último trimestre de 2022. Ainda assim, fechou o último ano com percentual abaixo dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro. Esse crescimento é visto pela Fecomércio-ES como uma consequência do aquecimento do consumo diante da melhora no mercado de trabalho, disponibilização dos auxílios de renda e desaceleração da inflação, o que contribui para a contratação de novas dívidas. Por outro lado, observa-se que os juros ainda estão altos, encarecendo dívidas já contratadas e dificultando ainda mais os pagamentos no prazo estabelecido. Já o estado de Minas Gerais aparece com os menores percentuais de contas pagas em atraso, bem como o menor crescimento interanual.

Norte apresentou menor variação interanual e está entre os menores percentuais de atraso desde o início de 2021.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Mercados reagem a incertezas fiscais com alta dos juros e dólar

Autor Convidado

Dólar sobe para R$ 5,38 e emenda quarta semana de alta

Agência Brasil

Inflação de 2024 pesa mais para famílias de renda muito baixa

Agência Brasil

Nova presidente da Petrobras troca três diretores da estatal

Agência Brasil

Economia brasileira cresce apenas 0,01% em abril

Rodrigo Mahbub Santana

Mercado de capitais atinge captação recorde

Guia do Investidor

Deixe seu comentário