Guia do Investidor
0d8a1400.jpg
Agência Brasil Notícias

Inflação sobe 0,16% em março e pesa para famílias de baixa renda

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

As famílias com renda mensal alta (acima de R$ 21.059,92) sentiram menos o peso da inflação, em março, se comparadas com os lares de renda muito baixa (menor que R$ 2.105,99). Enquanto a inflação oficial do país ficou em 0,16%, o peso para o bolso das famílias que estão no topo da pirâmide foi de 0,05%. Já para a base, 0,22%.

A análise faz parte do estudo Indicador de Inflação por Faixa de Renda, divulgado nesta segunda-feira (15), pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), órgão ligado ao Ministério do Planejamento e Orçamento.

O Ipea faz o desdobramento do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Leia mais  Bolsa cai para menor nível desde agosto com crise no Credit Suisse

Na passagem de fevereiro para março, a inflação das famílias de renda alta passou de 0,83% para 0,05. No caso das famílias de renda muito baixa, a desaceleração no período foi menos expressiva, de 0,78% para 0,22%.

A análise da pesquisadora Maria Lameiras destaca que os preços dos alimentos no domicílio e dos combustíveis explicam grande parte deste alívio inflacionário em março. Mas as famílias de renda alta foram mais beneficiadas pela descompressão do grupo educação, que em fevereiro tinha sido impactado por reajuste de mensalidades escolares.

Um dos principais motivos para grupos familiares sentirem inflações diferentes é devido o perfil de consumo desses lares. Os mais pobres, por exemplo, têm o orçamento mais sensível a mudança nos preços de alimentos.

Já as famílias mais endinheiradas sentem mais alterações no custo de passagens aéreas, por exemplo. Esse item apresentou recuo de 9,1% em março, o que levou a uma “descompressão ainda mais significativa para a faixa de renda alta”, segundo o Ipea.

Leia mais  Indústria de fundos registra entrada líquida de R$ 34,2 bi em fev

Doze meses

No acumulado de 12 meses, há uma inversão. As famílias de renda muito baixa percebem um aumento de 3,25% no custo de vida, abaixo da média nacional, 3,93%. Já os lares com renda alta tiveram inflação de 4,77%.

Nesse período, a maior contribuição de inflação para famílias de menor renda são os alimentos, que subiram 0,79%. No caso das famílias de renda alta, os maiores pesos ficaram com os itens transportes (0,97%) e saúde e cuidados pessoais (0,99%).

Fonte: Agência Brasil

Foto: Divulgação Agência Brasil. Informações sobre autoria disponível na fonte do conteúdo.


Nos siga no Google News
Leia mais  Bolsa fecha no menor nível desde julho após críticas do governo ao BC

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Receita abre consulta a maior lote de restituição do IR da história

Agência Brasil

Caixa paga Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 3

Agência Brasil

Intenção de Consumo das Famílias avança 1,3% em maio

Agência Brasil

Arrecadação federal cresce 8,26% e chega a R$ 228,87 bilhões

Agência Brasil

Genial Investimentos lança Conta Internacional: Tudo sobre

Paola Rocha Schwartz

Economistas estão preocupados com crescente inflação no Brasil

Paola Rocha Schwartz

Deixe seu comentário