Guia do Investidor
natura programa recompra acoes
IPOs Notícias

IPO da Aesop, subsidiária da Natura vem aí? Confira o planejamento

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Mais uma empresa parece estar se preparando para fazer da bolsa de valores brasileira o seu lar. Afinal, o conselho de Administração da Natura &Co autorizou início de um estudo comparativo entre uma oferta pública inicial (IPO) da Aesop, marca e unidade de negócios de luxo e bem-estar da Natura &Co, e um spinoff (separação do grupo) da Aesop, que poderia ser seguida de uma potencial oferta pública.

Segundo comunicado, o IPO vem sendo avaliado nos últimos meses como uma alternativa para financiar o crescimento acelerado da Aesop e a administração da Natura &Co tem tomado medidas para viabilizá-la.

“A estratégia também está alinhada ao objetivo da Natura &Co de proporcionar maior autonomia e responsabilidade às suas marcas e unidades de negócios.”

O estudo comparativo para avaliar outras estruturas alternativas que possam agregar mais valor para a Aesop, Natura &Co e seus acionistas foi aprovado pelo Conselho de Administração nesta segunda.

Com a possibilidade mudança, a XP Investimentos reitera recomendação de compra para Natura &Co (NTCO3), com preço-alvo a R$ 25

Para a corretora, uma segregação da Aesop, seja via cisão ou IPO, destravaria valor para a empresa, apesar de agora não ser o melhor momento para a operação.

Já o Citi mantém recomendação neutra para Natura &Co, com preço-alvo a R$ 20

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

MRV que se cuide? IPO da incorporadora Pacaembu vem ai

Leonardo Bruno

Ibovespa volta a atingir 130 mil pontos; Natura lidera

Guia do Investidor

Dividir e conquistar: Natura volta a estudar cisão

Leonardo Bruno

Oportunidade ou Furada? Queda de 80% desde IPO marca ações da Petz

Leonardo Bruno

Mineradora brasileira de metais raros estreia faz IPO na Austrália

Miguel Gonçalves

Natura registra lucro bilionário no terceiro trimestre de 2023; entenda

Miguel Gonçalves

Deixe seu comentário