Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Klabin acompanha movimento da Suzano e anuncia aumento nos preços da Celulose

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

A Klabin (KLBN11) divulgou hoje que irá aumentar os preços da celulose destinada à China, Europa e Américas a partir do próximo mês de setembro, seguindo a mesma tendência adotada pela sua concorrente Suzano (SUZB3), cujo aumento foi anunciado na semana anterior.

Em comunicado, a maior fabricante de papel para embalagens do Brasil, que também é produtora de celulose, informou que estará acompanhando os recentes anúncios de aumento nos preços da celulose de fibra curta na China, Europa e nas Américas.

Os preços da celulose para o mercado chinês serão elevados em US$ 20 por tonelada a partir de setembro. Já para a Europa e as Américas, o reajuste será de US$ 50 por tonelada, conforme divulgado pela Klabin.

A Suzano já havia anunciado o seu reajuste na sexta-feira passada. Essa decisão da Suzano ocorreu depois de executivos da empresa terem expressado confiança no início do mês de agosto em relação à implementação do restante de um aumento de US$ 30 por tonelada, anteriormente anunciado em junho, para o mercado asiático.

O movimento de reajuste nos preços da celulose indica uma tendência no mercado, possivelmente influenciada por fatores como a demanda global, custos de produção e flutuações cambiais. Essas ações tomadas por empresas-chave no setor têm o potencial de impactar a dinâmica da indústria da celulose, afetando os mercados em que atuam e, por consequência, o panorama econômico mais amplo.

Desempenho no 2T23

A Klabin (KLBN11), uma das maiores empresas brasileiras do setor de papel e celulose, divulgou seus resultados referentes ao segundo trimestre de 2023 (2T23) com um lucro líquido de R$ 971 milhões, mantendo-se praticamente estável em relação ao mesmo período do ano passado. No entanto, esse resultado ficou abaixo dos R$ 1,42 bilhão previstos pelo consenso Refinitiv.

Leia mais  Klabin encerra sua 14ª rodada de debêntures

O Ebitda ajustado (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) foi de R$ 1,344 bilhão, apresentando uma queda anual de 32%. Esse desempenho resultou em uma redução da margem Ebitda ajustada de 8 pontos percentuais, totalizando 31%.

De acordo com a Klabin, a perda de lucratividade foi principalmente em função da retração da receita líquida.

O volume de vendas atingiu 856 mil toneladas no 2T23, representando um recuo de 15% na base anual. Essa redução nas vendas impactou negativamente os resultados da empresa.

O custo caixa de produção de celulose no 2T23 foi de R$ 1.363 por tonelada, registrando um crescimento de 7% em relação ao 2T22. Esse aumento nos custos de produção também contribuiu para a diminuição da margem de lucro da Klabin.

O retorno consolidado da empresa, medido pela métrica de retorno sobre capital investido (ROIC), foi de 17,4% em junho de 2023, representando uma redução de 1,2 ponto percentual na comparação com o mesmo período do ano anterior. A Klabin explicou que essa retração se deve ao aumento do capital empregado e a uma pequena variação no fluxo de caixa operacional.

Leia mais  Com alta de 35%, Klabin Lucra R$ 972 mi no 2T22

As despesas gerais e administrativas totalizaram R$ 253 milhões no 2T23, apresentando um aumento de 4% na comparação anual, em linha com a inflação do período.

O resultado financeiro líquido foi positivo em R$ 156 milhões no segundo trimestre de 2023, representando uma melhoria significativa em relação às perdas financeiras de R$ 303 milhões registradas na mesma etapa de 2022.

Em relação aos investimentos, a Klabin aplicou R$ 1,029 bilhão entre abril e junho de 2023, o que representa uma redução de 33% em comparação com o mesmo período do ano anterior.

Indicadores2T232T22Variação
Lucro Líquido (em milhões de reais)R$ 971R$ 967+0,4%
Ebitda Ajustado (em milhões de reais)R$ 1.344R$ 1.977-32%
Margem Ebitda Ajustada (%)31%39%-8 p.p.
Receita Líquida (em milhões de reais)R$ 3.340R$ 3.758-11,1%
Volume de Vendas (em mil toneladas)8561.008-15%
Custo Caixa de Produção de Celulose (R$/ton)R$ 1.363R$ 1.271+7%
ROIC (%)17,4%18,6%-1,2 p.p.
Despesas Gerais e Administrativas (em milhões de reais)R$ 253R$ 243+4,1%
Resultado Financeiro Líquido (em milhões de reais)R$ 156-R$ 303-151,8%
Investimentos (em milhões de reais)R$ 1.029R$ 1.533-33%
Dívida Líquida (em bilhões de reais)R$ 19,515R$ 20,561-5,1%
Alavancagem Financeira (Dívida Líquida/Ebitda Ajustado)2,6 vezes2,5 vezes+0,1 vez

A dívida líquida da companhia em 30 de junho de 2023 era de R$ 19,515 bilhões, apresentando uma redução de 5% na comparação com a mesma etapa de 2022. No entanto, o indicador de alavancagem financeira, medido pela dívida líquida/Ebitda ajustado, ficou em 2,6 vezes em junho de 2023, apresentando um aumento de 0,1 ponto percentual em relação ao mesmo período de 2022.

Leia mais  Ações menos de 5 reais: quais comprar em 2024?

Em resumo, a Klabin (KLBN11) teve um desempenho desafiador no segundo trimestre de 2023, com um lucro líquido praticamente estável e um Ebitda ajustado em queda, ficando abaixo das expectativas do mercado. A retração da receita líquida, o recuo nas vendas e o aumento dos custos de produção foram os principais fatores que afetaram seus resultados. A empresa continuou realizando investimentos e apresentou uma redução da dívida líquida, mas a alavancagem financeira permanece em níveis desafiadores.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Klabin divulga lista de indicações para conselho de administração

Rodrigo Mahbub Santana

Com aquisição da Klabin, Ambipar explora produção de biofertilizantes

Miguel Gonçalves

Compra de ativos vai trazer a “independência” da Klabin?

Leonardo Bruno

Klabin ou Suzano? Descubra qual deve disparar em 2024

Leonardo Bruno

Klabin prevê investimentos de R$ 4,5 Bi em 2024

Miguel Gonçalves

Ações da Klabin voltam a subir mesmo com queda de 88% no lucro

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário