Guia do Investidor
economia 1609210409 0
Notícias

PMEs tem crescimento de 7% no faturamento em 2023

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

O Índice Omie de Desempenho Econômico das PMEs (IODE-PMEs) indica que a movimentação financeira real média das pequenas e médias empresas (PMEs) brasileiras apresentou crescimento de 7% em 2023 na comparação anual. No quarto trimestre de 2023, o índice mostrou avanço de 12,7% no setor, frente ao mesmo período do ano anterior, após +8,4% no terceiro trimestre.

O IODE-PMEs funciona como um termômetro econômico das empresas com faturamento de até R$50 milhões anuais, consistindo no monitoramento de 678 atividades econômicas que compõem quatro grandes setores: Comércio, Indústria, Infraestrutura e Serviços. Marcelo Lombardo, CEO e cofundador da Omie, ressalta sobre o monitoramento desse setor:

“Em um cenário em que as PMEs representam quase 30% do PIB nacional, segundo o Sebrae, e mais da metade do total de empregos formais, é de extrema importância acompanhar o desempenho econômico dessas empresas. O índice da Omie é importante para analisar o momento em que essas empresas estão, alinhando com as expectativas dos empresários para o futuro”.

Figura 1: IODE-PMEs

(Número índice – base: média 2021=100)

d795f91f5d13397109df953f39a726de medium

Em linhas gerais, o mercado de PMEs mostrou tendência mais clara de crescimento a partir do segundo trimestre de 2023. De acordo com Felipe Beraldi, economista e gerente de Indicadores e Estudos Econômicos da Omie, apesar da manutenção das taxas de juros em níveis historicamente elevados no decorrer do ano anterior – que desestimulam o consumo e os investimentos –, as PMEs foram positivamente impactadas pela recuperação da renda das famílias, reflexo dos efeitos mais favoráveis vindos do mercado de trabalho. A taxa de desemprego atingiu patamar inferior a 8% no decorrer do quarto trimestre de 2023, o que não ocorria desde o início de 2015. O economista avalia que a renda também foi favorecida por diversas medidas de política econômica (como a ampliação do Bolsa Família e a valorização real do salário-mínimo) e pelo maior controle inflacionário observado no país – que tem reflexos diretos sobre o poder de compra das famílias. “Além deste contexto, a normalização das cadeias globais de produção – após efeitos mais duradouros da pandemia – também favoreceu o desempenho das pequenas indústrias”, afirma.

Diante deste cenário, os dados do IODE-PMEs mostram que o setor teve performance superior ao PIB geral do país no último ano. Segundo o Boletim Focus do BCB, a mediana das perspectivas de mercado para o PIB de 2023 (cujo fechamento oficial ocorrerá em março/) se encontra no patamar de 2,9%, enquanto as PMEs encerraram o ano com expansão de 7%.

Leia mais  Governo Lula estuda mudanças no saque-aniversário no FGTS, diz secretário em debate na Câmara

Na análise por região, o IODE-PMEs mostrou que o crescimento das PMES em 2023 foi disseminado por todo o Brasil: Sudeste (+6,3% ante 2022), Sul (+5,3%), Nordeste (+7,5%), Centro-Oeste (+9,8%) e Norte (+21,3%) – este último sobre uma base de comparação significativamente fraca do ano anterior.

O desempenho do IODE-PMEs em 2023 guarda diferenças setoriais bastante significativas, com o resultado positivo tendo sido condicionado, especialmente, por atividades da Indústria e de Serviços.

Figura 2: IODE-PMEs – aberturas setoriais

(2023 x 2022 YoY %)

da5f73d3e8c2cff23c5e5bcacc6e0a37 medium

Indústria

O principal contribuinte ao crescimento no ano anterior foi o segmento industrial, em que o IODE-PMEs mostrou avanço expressivo de 17% ante 2022.

“As PMEs da Indústria engataram uma trajetória mais robusta de recuperação a partir do segundo semestre de 2023, após os anos desafiadores de 2021 e 2022, reflexo da recuperação da demanda doméstica e da normalização das cadeias globais de produção – que se refletem em expressiva queda de custos sobretudo para indústrias de menor porte. Assim, parte da recuperação do faturamento real da Indústria reflete a perda do ímpeto da inflação ao produtor (IPA-FGV), que registrou queda de 5,6% nos últimos 12 meses”, diz o economista.

No setor, as atividades que mais se destacaram em 2023 foram: ‘Fabricação de bebidas’, ‘Fabricação de autopeças e implementos rodoviários’, ‘Confecção de artigos do vestuário e acessórios’, ‘Fabricação de Máquinas e Equipamentos e ‘Fabricação de Produtos Alimentícios’. Segundo Beraldi, vale ressaltar que o crescimento visto no ramo se mostra disseminado entre as atividades, considerando que dos 23 subsetores da indústria de transformação acompanhados pelo índice, 20 mostraram crescimento em 2023.

Serviços

O IODE-PMEs indica que as PMEs de Serviços também apresentaram resultados positivos nos últimos meses (+9,8% YoY no 4T2023), tendo encerrado o ano anterior com avanço de 4,4% ante 2022. A recuperação do segmento, inclusive, contribuiu para os bons resultados vistos no mercado de trabalho, uma vez que a maior parte do crescimento do saldo de trabalhadores formais foi alocada em atividades do setor de Serviços em 2023. Do ponto de vista das atividades de maior evidência no ano anterior, destacam-se: ‘Alojamento e Alimentação’; ‘Atividades administrativas e serviços complementares’ (como agências de viagens, operadores turísticos, atividades de vigilância e serviços de escritório); e ‘Atividades financeiras’.

Comércio

O índice mostra que houve retração nos segmentos de PMEs do Comércio (-3,6% ante 2022) no ano anterior. O recuo no ano foi observado de maneira disseminada, tanto no segmento varejista (-6,2% YoY), quanto no atacado (-0,9%). No atacado, os dados mais recentes do IODE-PMEs já indicam reação, haja vista o crescimento de 3,7% verificado no quarto trimestre de 2023 em termos anuais.

Leia mais  Petrobras reduz em 11,6% preço do querosene de aviação

Já no varejo, os resultados recentes seguiram abaixo do esperado (-8,9% YoY no 4T2023), inclusive com certa decepção em torno dos efeitos das campanhas da Black Friday e do Natal. Dentre as atividades com pior performance em 2023, cabe mencionar ‘Equipamentos para escritórios’, ‘Tintas e materiais para pintura’, ‘Artigos de iluminação’ e ‘Equipamentos de telefonia e comunicação’.

“Por outro lado, a evolução positiva em segmentos altamente dependentes da evolução da renda das famílias – tais como produtos alimentícios e bebidas – restringiu uma queda mais abrupta das PMEs do comércio varejista no ano anterior”, diz o economista.

Infraestrutura

No segmento de Infraestrutura, por sua vez, o fraco resultado em 2023 (-2,0%) foi ocasionado pela retração em atividades de ‘Obras de infraestrutura’ e ‘Coleta, tratamento e disposição de resíduos’. No entanto, já se observa uma recuperação do IODE-Infraestrutura recentemente, haja vista o crescimento de 4% no quatro trimestre de 2023 frente ao mesmo período do ano anterior, reflexo da performance positiva das atividades de ‘Serviços especializados para construção’.

Projeções indicam crescimento do mercado de PMEs em 2024

Após encerrar 2023 em crescimento, as perspectivas do IODE-PMEs indicam que a alta deve se manter em 2024, com previsão de 3,1%. Ainda segundo Felipe Beraldi, permanecem no radar elementos do cenário econômico que devem viabilizar uma continuidade do avanço do mercado doméstico das pequenas e médias empresas “mesmo que as projeções indiquem certa perda de ímpeto frente ao desempenho visto nos últimos anos”. 

Apesar do pouco espaço para novas grandes contribuições vindas do mercado de trabalho (atualmente a taxa de desemprego está no patamar de 7,5%), a perspectiva de continuidade da redução das pressões inflacionárias no país tende a afetar positivamente a evolução do poder de compra das famílias brasileiras e, consequentemente, a demanda doméstica.

“Contudo, não se espera grandes estímulos do ponto de vista fiscal, diante da necessidade de ajuste das contas públicas”, diz o economista.

“Adicionalmente, o efeito da redução das taxas de juros – movimento iniciado pelo Banco Central em agosto de 2023 – deve começar a ficar mais evidente na economia real no decorrer do ano, favorecendo a elevação do consumo e dos investimentos”, completa. Em linhas gerais, o mercado espera uma continuidade do movimento de queda da Selic no curto prazo, com retorno a uma taxa de um dígito até o final de 2024. A taxa básica de juros da economia brasileira iniciou o ano no patamar de 11,75% (já 2 pontos percentuais abaixo da taxa vigente até meados de 2023), com perspectivas apontando para o nível de 9% até o encerramento do ano.

Leia mais  Novos contingenciamentos dependerão de receitas do governo, diz Tebet

Ainda que a Selic (taxa básica de juros) deva permanecer em níveis historicamente elevados (considerando, sobretudo os níveis de 4% a 5% vistos antes do choque da pandemia), os dados do final de 2023 já começam a esboçar uma reação das concessões de crédito, tanto para as pessoas físicas, quanto para as empresas. Neste sentido, nos próximos meses, a queda de juros deve ficar mais evidente na economia real.

“Assim, os condicionantes domésticos são favoráveis para as PMEs, que devem seguir mostrando crescimento acima do desempenho médio esperado para o PIB brasileiro – atualmente entre +1,5% e +2%. Esse desempenho positivo das PMEs deve ser sustentado pela continuidade do crescimento das atividades de Serviços e, em menor medida, de alguns segmentos industriais”, comenta Beraldi.

Além disso, o contexto favorável para a evolução da renda real das famílias e os efeitos da queda das taxas de juros devem abrir espaço para a retomada do crescimento do faturamento real das PMEs do Comércio, após um 2023 bastante desafiador.

O ambiente de negócios é altamente suscetível a choques e, por conta disso, é fundamental que os empreendedores estejam a par da evolução dos principais condicionantes do mercado externo e interno nos próximos meses.

“Além do monitoramento das tensões geopolíticas pelo mundo, acompanhar a evolução da inflação e da e da política monetária nos EUA (metas de taxas de juros estipuladas pelo FED) é de grande importância, diante dos reflexos significativos sobre a evolução da economia dos países em desenvolvimento, como o Brasil. Já internamente, os principais riscos no curto prazo estão relacionados com o endereçamento das questões fiscais (equilíbrio entre as receitas e os gastos do governo), que podem impactar significativamente as expectativas inflacionárias e a evolução das taxas de juros no Brasil”, completa o economista.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Justiça mantém obrigação da Enel de reduzir falta de luz em SP

Agência Brasil

Dólar atinge R$ 5,14 com tensões geopolíticas e inflação

Agência Brasil

Zenstox investimentos é confiável? É seguro? É scam?

Lara Donnola

Setor de Serviços recua 0,9% após três meses de alta

Agência Brasil

BC lança moeda comemorativa dos 200 anos da Constituição

Agência Brasil

Regulação de apostas online será concluída até julho

Agência Brasil

Deixe seu comentário