Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Projeção com déficit maior em 2023 confirma ponto de partida difícil para 2024

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

A projeção de um déficit primário maior para o governo central em 2023, elevando-se de R$ 141,4 bilhões para R$ 177,4 bilhões, não é surpresa para os observadores das contas públicas. Esse aumento revela um cenário de desafios, marcado por níveis elevados de despesas e receitas que não acompanharam as estimativas governamentais. O economista Carlos Kawall, sócio-fundador da Oriz Partners e ex-secretário do Tesouro Nacional, destaca que esse quadro aponta para um ponto de partida difícil rumo a 2024, levantando questionamentos sobre as medidas fiscais que o governo adotará no próximo ano.

Déficit ampliado: reflexo de despesas e receitas desalinhadas

A ampliação do déficit primário não surge como uma revelação inesperada, mas sim como a materialização de um cenário fiscal desafiador. Despesas elevadas e receitas aquém das projeções compõem um quadro que, ao longo do ano, não evoluiu conforme as expectativas do governo. O desempenho das receitas não acompanhou o ritmo do Produto Interno Bruto (PIB), gerando um desequilíbrio que se reflete na projeção revisada.

Leia mais  Agronegócio brasileiro já vale "uma Argentina": safra recorde é esperada para 2023

A situação desenhada pelo déficit ampliado em 2023 lança luz sobre um início potencialmente complicado para 2024. Carlos Kawall ressalta que as análises já alertavam para a possibilidade de um déficit maior quando o governo divulgou seu arcabouço fiscal. A deterioração na margem do desempenho das receitas, mesmo com um PIB superior ao esperado, reforça a complexidade do cenário.

Composição do PIB: desafios na arrecadação em 2023

Ao contrário dos anos anteriores, a composição do crescimento do PIB em 2023 não favorece tanto a arrecadação. O economista explica que a arrecadação tem sido impactada negativamente por um aumento gradual nos gastos obrigatórios, aliado a um empoçamento estimado em cerca de R$ 30 bilhões. Isso evidencia que algumas medidas adotadas pelo governo, como aquelas relacionadas aos litígios do Carf, não geraram os resultados esperados.

A análise de Kawall destaca um padrão preocupante: o aumento constante nos gastos obrigatórios, que tem contribuído para a piora na margem da arrecadação. Então essa dinâmica, somada a uma série de fatores imprevistos, contribui para a complexidade do ambiente fiscal.

Resultado aquém do esperado: avaliação das medidas governamentais

Dessa forma, o economista aponta que, ao contrário do que ocorreu em 2021 e 2022, as medidas governamentais, incluindo aquelas relacionadas aos litígios do Carf, não atingiram os resultados esperados. Assim, o empoçamento de recursos e a persistente piora na margem da arrecadação evidenciam a necessidade de uma revisão cuidadosa das estratégias adotadas.

Portanto, diante desse cenário desafiador, a projeção de um déficit maior em 2023 destaca a importância de ajustes e um planejamento cauteloso para o futuro. O governo enfrenta a tarefa complexa de equilibrar despesas e receitas, buscando alternativas eficazes diante das incertezas econômicas. Afinal, o ano de 2024 se apresenta como um teste crucial para a resiliência e a capacidade de adaptação das políticas fiscais governamentais.

Leia mais  PIB do Reino Unido registra queda de 0,2% no trimestre até Novembro

Japão piora visão sobre economia pela 1ª vez em 10 meses

No dia de hoje, o governo japonês surpreendeu ao rebaixar sua perspectiva econômica, marcando a primeira vez em 10 meses que a avaliação sofreu uma queda. Esse ajuste reflete os desafios enfrentados pela economia do país, com a demanda fraca exercendo pressão significativa sobre os gastos de capital e as despesas do consumidor.

O governo japonês tomou a decisão de revisar para baixo sua visão sobre a economia em novembro, um movimento que não ocorria desde janeiro. A principal razão por trás dessa mudança reside na desaceleração do crescimento econômico, evidenciada pelos dados da semana passada que revelaram uma contração no terceiro trimestre deste ano. Este é o primeiro declínio trimestral em três trimestres, sinalizando uma reversão na tendência positiva que vinha sendo observada.

Redução nas despesas de capital e consumo

Um ponto crítico levantado pelo governo foi a redução nas despesas de capital. Pela primeira vez desde dezembro de 2021, as autoridades destacaram que o ritmo de recuperação neste setor específico estava “pausando”. Isso indica uma preocupação com a estagnação dos investimentos, um componente essencial para o crescimento econômico sustentável.

Além disso, as despesas do consumidor também foram afetadas negativamente. A demanda mais fraca, que se traduz diretamente em menor gasto por parte dos consumidores, contribuiu para a revisão para baixo da visão geral da economia. Assim, esse cenário cria um desafio adicional para a retomada do crescimento, uma vez que as despesas do consumidor representam uma parte substancial do Produto Interno Bruto (PIB).

Leia mais  Fitch Ratings faz alerta sobre Brasil e perspectiva é negativa

Análise do gabinete: economia em moderação com pausas notáveis

O relatório publicado pelo gabinete do governo nesta quarta-feira afirmou que, apesar de a economia estar se recuperando moderadamente, algumas áreas estão enfrentando um impasse recente. Essa avaliação mais cautelosa destaca a complexidade da situação econômica atual do Japão. A moderação na recuperação, aliada a impasses identificados, sugere que o país está longe de alcançar uma estabilidade econômica consistente.

A contração econômica no terceiro trimestre deste ano levanta questões sobre os desafios imediatos que o Japão enfrenta. Assim, a demanda em declínio é um sinal de alerta, pois impacta tanto os setores de investimento quanto os hábitos de consumo. O governo, ao rebaixar sua visão, reconhece a necessidade de enfrentar esses desafios com políticas econômicas eficazes.

Dessa forma, o caminho para a recuperação pode exigir medidas estratégicas para impulsionar a confiança dos consumidores e incentivar os investimentos. Além disso, uma análise aprofundada das áreas específicas que enfrentam impasses pode orientar políticas direcionadas para estimular o crescimento em setores-chave.

Um alerta para ações imediatas

Portanto, a revisão para baixo da perspectiva econômica do Japão, após 10 meses de estabilidade, é um alerta importante. Enfrentando uma desaceleração evidente, o país precisa de ações imediatas para reverter essa tendência preocupante. A implementação de políticas que incentivem o investimento, impulsionem o consumo e abordem os impasses identificados é crucial para restaurar a vitalidade econômica do Japão. Afinal, a situação atual exige não apenas vigilância, mas ação decisiva para enfrentar os desafios econômicos e pavimentar o caminho para uma recuperação sólida e sustentável.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Incerteza nos EUA e tensões no Oriente Médio impactam o mercado

Rodrigo Mahbub Santana

Haddad muda meta fiscal para 2025 e Mercado reage

Rodrigo Mahbub Santana

Banco do Brasil eleva expectativas para o PIB

Márcia Alves

PIB do México supera o do Brasil em dólares

Márcia Alves

Mercado eleva projeção do PIB para 1,89% em 2024

Agência Brasil

Governo Lula afasta bilhões em capital estrangeiro da bolsa

Paola Rocha Schwartz

Deixe seu comentário