Guia do Investidor
Acoes da Braskem ainda vale a pena investir
Notícias

TCU deve suspender venda da Braskem devido à crise ambiental

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

TCU pode suspender temporariamente a venda da Braskem devido à crise ambiental em Alagoas; Petrobras é afetada como acionista.

O Tribunal de Contas da União (TCU) está planejando suspender temporariamente a venda da Braskem, uma petroquímica brasileira, devido à crise ambiental que envolve a empresa no estado de Alagoas. A decisão do TCU vem como resultado do colapso do solo ocorrido em 2018, causando danos significativos e forçando a evacuação de cerca de 50 mil pessoas na capital Maceió. Antes que a venda da Braskem possa prosseguir, a empresa precisa apurar os custos dos danos e apresentar um plano para resolvê-los. A Petrobras, como a segunda maior acionista da Braskem, também é afetada por essa suspensão, pois tem o direito de preferência na compra da participação que a Novonor, o principal acionista da Braskem, deseja vender.

TCU planeja suspender temporariamente a venda da Braskem devido à crise ambiental em Alagoas, afetando a Petrobras como acionista

O Tribunal de Contas da União (TCU) está prestes a tomar uma decisão que pode impactar a venda da Braskem, uma das maiores petroquímicas brasileiras. Segundo informações da Bloomberg, o TCU planeja suspender temporariamente a venda da empresa devido à crise ambiental relacionada ao colapso do solo ocorrido em 2018, na capital Maceió, estado de Alagoas. Esse colapso resultou em sérios danos e obrigou aproximadamente 50 mil pessoas a deixarem suas casas.

Antes de permitir que a venda da Braskem prossiga, o TCU exige que a empresa apure os custos dos danos causados e apresente um plano detalhado sobre como resolver o problema. A preocupação é que a Petrobras, que é o segundo maior acionista da Braskem, possa ser afetada financeiramente caso os custos não sejam adequadamente estimados. A Petrobras possui o direito de preferência na compra da participação que a Novonor, principal acionista da Braskem, pretende vender.

A suspensão temporária da venda da Braskem pelo TCU é uma medida cautelar para garantir que todos os aspectos ambientais e financeiros sejam devidamente avaliados antes que a transação seja concluída. Essa decisão afeta tanto a Braskem quanto a Petrobras, pois ambas as empresas têm interesses significativos nessa transação.

A expectativa é que o TCU emita sua decisão nas próximas semanas. Tanto a Braskem quanto o TCU preferiram não comentar sobre o assunto até o momento. O desdobramento dessa questão será acompanhado de perto pelo mercado, pois pode ter implicações tanto para a venda da Braskem quanto para a Petrobras, uma das principais empresas estatais do Brasil.

Braskem negocia pagamento de mais R$ 1,7 bilhões por afundamento de solo em Alagoas

A Braskem (BRKM5) e a prefeitura de Maceió (AL) estão em negociação para mais um acordo relacionado ao afundamento do solo em bairros da capital alagoana. De acordo com fontes consultadas pelo Valor, o acordo envolverá um pagamento adicional de R$ 1,7 bilhões por parte da petroquímica. Esse valor se refere a perdas, incluindo as perdas de arrecadação, que o município sofreu em decorrência desse problema geológico. As negociações vêm ocorrendo há muitos meses.

O afundamento do solo em Maceió foi causado pela extração de sal-gema realizada pela Braskem na região. Esse fenômeno causou danos significativos em diversos bairros da cidade, afetando a infraestrutura urbana e as residências dos moradores.

Desde então, a Braskem vem buscando acordos com as autoridades locais e moradores afetados para compensar os danos causados. Esses acordos têm como objetivo reparar os prejuízos e promover a recuperação das áreas atingidas.

O novo acordo em negociação, que envolverá o pagamento adicional de R$ 1,7 bilhões, tem como finalidade compensar as perdas sofridas pela prefeitura de Maceió, incluindo as perdas financeiras e de arrecadação decorrentes do afundamento do solo.

Essa negociação demonstra o compromisso da Braskem em assumir sua responsabilidade pelos danos causados e buscar soluções para mitigar os impactos na comunidade afetada. A empresa reconhece a importância de reparar os danos causados e contribuir para a recuperação da região.

Espera-se que, com o acordo finalizado, a Braskem possa avançar na reparação dos danos e na busca por medidas de prevenção e segurança para evitar problemas semelhantes no futuro. A resolução desse caso é fundamental para a empresa, a prefeitura de Maceió e todos os envolvidos, visando à reconstrução e ao desenvolvimento sustentável da região afetada.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Ibovespa sobe com destaque para Vale e Petrobras; Braskem sobe forte

Guia do Investidor

TCU aponta irregularidades em contrato da Petrobras com Unigel

Lara Donnola

TCU: rombo nas contas será de R$ 55 bi em 2024

Guia do Investidor

Lula tenta esconder presentes recebidos em 2023: entenda

Guia do Investidor

Ibovespa bate recorde com upgrade da S&P; Braskem lidera valorização

Guia do Investidor

MPF pede bloqueio de R$ 1 bilhão da Braskem

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário