Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Agência Brasil Notícias

Uma a cada quatro famílias têm dívidas em atraso na capital paulista

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

A inadimplência atingiu uma a cada quatro famílias da capital paulista em setembro, mostra a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). Com quase 1 milhão de lares com contas em atraso, o que representa 24,8% das residências, o resultado é um recorde para a série histórica do levantamento, iniciado em agosto de 2010.

O endividamento também registra alta, atingindo 76,9% dos lares paulistanos, o que equivale a 3,09 milhões de famílias com dívidas. Em um ano, houve um crescimento de 331 mil famílias nessa condição. Os principais tipos de dívidas são: cartões de crédito (85,8%) e carnês (15,8%). Em seguida, estão as modalidades de crédito: pessoal (11,9%), financiamento de carro (11,7%) e financiamento de casa (11,1%).

Leia mais  Relator quer votar reforma tributária na Câmara no início de julho

Na análise por faixa de renda, as famílias que somam um rendimento mensal de até dez salários mínimos sofrem mais impacto. A taxa de endividamento chega a 79,7% e a inadimplência atinge 30,1% desse segmento. Esses percentuais também são históricos para esse grupo. Para quem tem rendimentos superiores, 68,7% têm dívidas e 11,2% estão inadimplentes.

A maior parte das dívidas (46,8%) tem acima de 90 dias de atraso. Em seguida, somando 30,7%, estão os atrasos de 30 a 90 dias. Os casos de inadimplência com atraso de até 30 dias são 21,6%. A pesquisa aponta ainda que o pagamento de juros tem sido maior. Ou seja, um consumidor com débito de 30 dias está pagando mais juros do que há um ano, com o mesmo prazo de atraso. “Isso retira recursos das famílias e diminui o potencial de consumo no comércio e nos serviços”, destaca a FecomercioSP.

Intenção de consumo

O índice que calcula a intenção de consumo das famílias (ICF), também da FecomercioSP, registrou alta mensal de 3,9% em setembro, passando de 81,9 pontos em agosto para 85,1. Este é o maior nível do indicador desde abril de 2020. Todos os sete itens avaliados subiram de patamar, com destaque para a satisfação com a renda atual, que atingiu 102,5 pontos, uma alta de 5,5% na comparação com o mês anterior. O índice vai de zero a 200 pontos, no qual abaixo de cem pontos é considerado insatisfatório, e acima de cem pontos, satisfatório.

Leia mais  Confaz divulga nova tabela de preços médios de combustíveis

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) seguiu em alta, com variação de 4,4% em setembro, tendo registrado 111,5 pontos, que é o maior nível do ano. Segundo a federação, o resultado foi puxado pela melhora no Índice de Expectativa do Consumidor (IEC), que subiu 4,7% e registrou 137,3 pontos.

O Índice das Condições Econômicas Atuais (ICAE), por outro lado, embora tenha tido variação positiva de 3,5%, o patamar de 72,7 pontos ainda representa pessimismo. O ICC varia de zero (pessimismo total) a 200 (otimismo total).

Fonte: Agência Brasil


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais  Ofertas no mercado de capitais somam R$ 15 bilhões em abril

Leia mais

Indústrias gaúchas têm queda de 26,2% em maio, revela IBGE

Agência Brasil

Setor de Serviços fica estável em maio, diz IBGE

Agência Brasil

FMI eleva para 2,5% projeção de médio prazo para o PIB

Agência Brasil

Entenda o golpe do Pix errado e saiba como não ser enganado

Agência Brasil

Aprovações na linha de exportação do BNDES sobem 135% n

Agência Brasil

Financiamentos de veículos têm melhor marca desde 2011

Agência Brasil

Deixe seu comentário