Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Recomendações

A Vivo (VIVT3) decepcionou no resultado 4T22? Descubra o que dizem os analistas

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

A Vivo (VIVT3) se juntou nos últimos dias a lista de companhias que divulgaram ao mercado seu resultado operacional referente ao quarto trimestre do ano (4T22). 

Assim, a telefônica lucrou de forma líquida R$ 1,126 bilhão no quarto trimestre. Portanto um recuo de 57,2% na comparação com igual período de 2021.

A empresa explica que a variação do lucro se deve principalmente ao “reconhecimento de crédito no 4T21 de crédito fiscal no valor de R$ 1,408 bilhão”.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) foi de R$ 5,234 bilhões, um avanço de 6,1% frente ao 4T21.

Para o Ebitda, a projeção era de R$ 5,227 bilhões, alta de 4,68% em relação ao mesmo período de 2021.

Leia mais  R$ 4 bilhões em dividendos: confira o planejamento de pagamentos da Vivo em 2023

De acordo com a Vivo, o desempenho reflete o forte crescimento das receitas totais, com uma maior participação das receita core.

O que dizem os especialistas?

Para João Daronco, analista da Suno Research, os resultados da Vivo vieram em linha com o esperado no 4T22. No ano, a companhia obteve uma receita de R$ 48 bilhões, impulsionada principalmente pelo crescimento do segmento móvel, por conta de clientes adquiridos da Oi, reajuste de preços e churn baixo. Em seguida, vem o segmento de fibra, no qual a Vivo é líder em adições líquidas no Brasil.

Apesar do crescimento das receitas, os custos mais elevados pressionaram as margens da companhia. Por conta disso, ela viu uma redução de 35% em seu lucro líquido. Vale ressaltar que a base de comparação está distorcida, uma vez que a bottom line que foi inflada em 2021 por conta de créditos fiscais.

Por conta dessa pressão de custos esperada em 2023, a Vivo optou por pedir autorização a ANATEL para uma redução de capital no valor de R$ 5 bilhões. Essa estratégia visa manter a tradição de alta remuneração aos acionistas, que permaneceu superior a 7% nos últimos anos.

Leia mais  Apesar de lucro de R$ 1,1 bilhão, queda de 57% preocupa investidores da Vivo no 4T22

Como proventos deliberados em 2023 implicam em um dividend yield de aproximadamente 5,1%, a redução de capital é um opcional interessante que poderá incrementar o indicador em até 7 p.p.

Vemos essa estratégia com bons olhos, uma vez que possibilita que a companhia tenha mais flexibilidade e mantenha um bom nível de remuneração aos acionistas, até a normalização de seus resultados que deve aparecer em 2024.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Starlink e Apple mobilizam ajuda para vítimas das enchentes no RS

Rodrigo Mahbub Santana

Vivo (VIVT3) toma da Vale (VALE3) o posto de queridinha

Márcia Alves

Vivo (VIVT3) e Auren (AURE3) apostam em energia renovável no Brasil

Miguel Gonçalves

Aquisição da Vivo na Conexa Saúde impulsiona setor digital de saúde

Miguel Gonçalves

Aprende Oi: Vivo (VIVT3) lucra R$ 1,4 bilhão no resultado 3T23

Leonardo Bruno

VIVT3 Preço-Alvo 2023: Vale a Pena Comprar as Ações da Vivo?

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário