Guia do Investidor
Nova York
Notícias

Bolsas de Nova York fecham em alta após relatório de empregos robusto

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

As bolsas de Nova York encerraram o dia com ganhos sólidos, demonstrando resiliência diante do surpreendente relatório de empregos de novembro, conhecido como payroll, que superou as expectativas.

O aumento na criação de empregos e a queda na taxa de desemprego nos Estados Unidos levaram os investidores a adiar suas apostas em um corte de juros pelo Federal Reserve (Fed) para maio, em vez de março.

Embora o mercado tenha reagido positivamente ao payroll, a confiança dos investidores na perspectiva de uma suave aterrissagem da economia e na manutenção das taxas de juros permaneceu inalterada. Além disso, a divulgação de dados que indicaram uma redução nas expectativas de inflação dos consumidores dos EUA, conforme medido pela Universidade Michigan, também contribuiu para sustentar o otimismo nas bolsas.

Bolsas de Nova York mantêm-se firmes após forte relatório de empregos e perspectivas otimistas

Apesar do relatório de empregos robusto em novembro e do aumento nas taxas de juros dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos, as bolsas de Nova York encerraram o pregão em alta, indicando uma notável resiliência no mercado financeiro. O payroll, que revelou números de empregos acima do esperado e uma queda na taxa de desemprego para 3,7%, surpreendeu positivamente os investidores.

Uma das principais consequências desse relatório foi o adiamento das expectativas de um corte nas taxas de juros pelo Federal Reserve (Fed) dos Estados Unidos. Antes, a expectativa era que o corte ocorresse em março, mas agora a maioria dos investidores está apostando em maio. No entanto, essa mudança não abalou a confiança dos mercados em uma aterrissagem suave da economia, e as taxas de juros permanecem relativamente estáveis.

Além disso, a divulgação de dados que mostraram uma diminuição nas expectativas de inflação dos consumidores dos EUA, conforme medido pela Universidade Michigan, contribuiu para a sustentação das bolsas. Os investidores interpretaram esses números como um sinal de que as pressões inflacionárias podem não ser tão intensas quanto se temia.

No que diz respeito ao desempenho das bolsas, o Dow Jones subiu 0,36%, alcançando 36.247,87 pontos, enquanto o S&P500 avançou 0,41%, fechando em 4.604,37 pontos. O Nasdaq registrou um ganho de 0,45%, atingindo 14.403,97 pontos. Esses índices acumularam ganhos ao longo da semana, destacando a resiliência e a estabilidade do mercado de ações, apesar das incertezas econômicas globais em constante evolução.

Dólar ganha força com relatório de empregos dos EUA

O dólar teve um dia de ganhos significativos após a divulgação do relatório de empregos dos EUA, conhecido como payroll, que surpreendeu positivamente. A moeda americana valorizou-se frente a outras moedas internacionais, refletindo o otimismo em relação à economia dos Estados Unidos.

Com a criação de vagas de trabalho acima das expectativas e uma queda na taxa de desemprego para 3,7%, os investidores agora acreditam que o Federal Reserve (Fed) adiará o início do ciclo de cortes de juros para maio, em vez de março, como previsto anteriormente.

Esses resultados fortaleceram a confiança na resiliência da economia americana e sugerem que o consumo continuará robusto nos próximos meses. O Bank of America observa que o real brasileiro ainda está “muito desvalorizado” em relação ao dólar e prevê uma apreciação gradual da moeda brasileira, com a expectativa de que o dólar alcance R$ 4,75 até o final de 2024.

No mercado, o dólar à vista fechou em alta de 0,42%, atingindo R$ 4,9295, após flutuações entre R$ 4,9364 e R$ 4,8957. No cenário internacional, o índice DXY, que mede o desempenho do dólar em relação a outras moedas, subiu 0,46%, atingindo 104,015 pontos. Enquanto isso, o euro caiu 0,34%, cotado a US$ 1,07588, e a libra esterlina perdeu 0,36%, alcançando US$ 1,2546.

No fechamento, o DI para jan/25 subiu a 10,345% (de 10,300%, ontem); o jan/26 avançou a 10,010% (9,938%); jan/27, subiu a 10,110% (10,057%); jan/29, a 10,530% (10,497%). O jan/31, a 10,790% (10,742%); e o Jan/33, a 10,900% (10,859%).

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Vale (VALE3) registra lucro de R$ 39,940 bi em 2023 e cai 53,6%

Mateus Sousa

Ibovespa cede após série de altas; EZTec lidera ranking positivo

Fernando Américo

Nubank (ROXO34) registra lucro de US$ 395,8 Milhões no 4º Trimestre

Mateus Sousa

Ações da NVIDIA: vale a pena comprar após forte alta?

Mateus Sousa

Brasil atinge superávit cambial de US$ 5,421 bilhões

Mateus Sousa

Cielo: Gestoras propõem OPA em torno de R$ 8 por Ação

Mateus Sousa

Deixe seu comentário