Guia do Investidor
casas bahia GDI
Notícias

Casas Bahia registra prejuízo de R$ 261 milhões no 1T24

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

A receita líquida ainda mostrou declínio, de 13,7% ano a ano, para R$ 6,3 bilhões de reais.

Na quarta-feira (08), a Casas Bahia reportou um prejuízo de R$ 261 milhões no 1T24. Mesmo o número sendo negativo, a cifra representa uma melhora de 12,2% frente às perdas de R$ 297 milhões nos três primeiros meses de 2023.

A receita líquida da companhia, mostrou declínio de 13,7% ano a ano, indo para R$ 6,3 bilhões, também foi registrado uma redução de 7,5% nas despesas com vendas, gerais e administrativas, as despesas com pessoal caíram 14,6% em relação ao mesmo período de 2023.

O prejuízo líquido atingiu R$ 261 milhões, melhor que o nosso em ganhos de créditos tributários, mas ainda pressionado por pesadas despesas financeiras, enquanto o fluxo de caixa ficou negativo em R$ 167 milhões devido à sazonalidade do negócio.

De acordo com informações, o resultado operacional medido pelo Ebitda recuou 42,6% ano a ano, para R$ 387 milhões — também uma melhora frente ao resultado do quarto trimestre (R$ 163 milhões). Já a margem Ebitda ajustada chegou a 6,1%, de 9,2% um ano antes, mas de 2,2% nos últimos três meses de 2023.

Leia mais  China lança primeira vacina inalada pela boca contra Covid-19

Para Renato Franklin, presidente-executivo da Casas Bahia, a queda na receita reflete a estratégia da companhia de sair de categorias de produtos não rentáveis, focando em itens como eletrodomésticos, celular, televisão, imóveis…

“O primeiro trimestre está vindo melhor do que o esperado, mas a nossa expectativa não é um salto de um trimestre para o outro. É uma melhoria gradual! Nós prometemos que vamos terminar o ano como empresa sustentável e rentável, mas não se vira um transatlântico em um trimestre,” disse o CEO.

Casas Bahia entrou com pedido de recuperação extrajudicial

O Grupo Casas Bahia está se preparando para anunciar oficialmente sua entrada com um pedido de recuperação extrajudicial, conforme fontes informaram ao Brazil Journal. Esta medida, menos complexa que a recuperação judicial tradicional, visa possibilitar à varejista estender suas dívidas e diminuir seus encargos financeiros.

As fontes afirmam que a aprovação do pedido ocorreu de antemão, o que praticamente elimina todos os riscos associados a esse tipo de procedimento. Na tarde de ontem (28), a Casas Bahia concluiu a assinatura de um contrato com seus dois principais credores, o Bradesco e o Banco do Brasil. Juntos, eles detêm 66% das dívidas a serem incluídas na recuperação extrajudicial, assim, estabelecendo todos os termos da transação.

Leia mais  Painel permitirá acompanhar gastos de recuperação do RS

Para a aprovação, seria necessário alcançar um quórum mínimo de 50% mais 1. A recuperação extrajudicial da Casas Bahia abrangerá suas quatro debêntures em circulação e as CCBs com o Bradesco e Banco do Brasil.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Sabesp privatizada deve se tornar “grande plataforma de saneamento” do Brasil

Márcia Alves

Mercado voluntário de carbono no Brasil recua em 2023; falta confiança

Agência Brasil

Banco Central faz ajustes para aperfeiçoar segurança do Pix

Agência Brasil

BNDES conclui financiamento para exportação de 32 jatos da Embraer

Agência Brasil

Geração de energia no Brasil tem expansão recorde de 18,7%

Agência Brasil

Intenção de consumo das famílias cai 0,2% em julho

Agência Brasil

Deixe seu comentário