Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Cielo lidera em alta; Magazine Luiza tem queda

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Ações da Cielo sobem 6,53%, enquanto Magazine Luiza recua 6,94% no Ibovespa.

O mercado financeiro teve um dia de movimentação destacada no Ibovespa, com a Cielo liderando em alta, registrando um ganho de 6,53% e sendo negociada a R$ 3,75. Analistas atribuem essa valorização a uma pressão compradora significativa por parte do Santander, destacando também que esse movimento ocorre em meio às discussões sobre uma proposta do Banco Central relacionada às tarifas pagas por empresas de maquininhas de cartão de crédito.

Em segundo lugar nas maiores valorizações, a ENGI11 avançou 3,27%, alcançando R$ 45,12, enquanto a CPLE6 subiu 2,97% e fechou a R$ 8,33. O desempenho positivo da CPLE6 foi impulsionado pelo anúncio de que o programa de demissão voluntária da empresa teve 1.437 adesões efetivadas, o que deve resultar em uma economia anual de R$ 428 milhões.

No entanto, o destaque negativo do dia foi o Magazine Luiza (MGLU3), que após liderar os maiores ganhos no dia anterior, encabeçou a lista de maiores perdas, com uma queda de 6,94% e sendo cotado a R$ 1,61. Além disso, CVCB3 registrou uma queda de 5,54%, a R$ 2,56, e GOLL4 caiu 4,97%, ficando em R$ 6,88.

Mesmo com o aumento nos preços das commodities, as ações das blue chips recuaram. VALE3 cedeu 1,44%, atingindo R$ 64,42, na mínima do dia, enquanto PETR3 teve uma queda de 0,72%, a R$ 41,26, e PETR4 registrou uma diminuição de 0,47%, cotado a R$ 38,34. Por outro lado, os principais bancos avançaram, com ITUB4 subindo 1,16%, SANB11 com um aumento de 1,13%, BBAS3 com alta de 0,77%, BBDC3 subindo 0,64% e BBDC4 com um acréscimo de 0,49%.

Leia mais  Bolsas de NY caem com fala de Powell

Powell sugere pausa nas altas de juros, e dólar mantém estabilidade

Após uma sessão de negociações volátil, o dólar norte-americano encerrou o dia próximo à estabilidade, com os investidores atentos às declarações do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell. Powell adotou uma abordagem equilibrada, observando que os juros poderiam continuar a subir caso houvesse evidências de que a economia dos Estados Unidos, apesar de sua força atual, estivesse colocando em risco o processo de desinflação.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

“Estamos monitorando de perto os dados que indicam a força da economia e do mercado de trabalho”, afirmou Powell. Ele também reiterou a determinação do Fed em manter os juros em níveis restritivos até que a inflação se estabilize em sua meta de 2%.

Leia mais  Buy and Hold: o que significa?

No entanto, o presidente do banco central americano também deixou claro que o Fed agirá com prudência. Essa declaração foi interpretada pelo mercado como uma indicação de que poderia haver uma pausa nas futuras altas das taxas de juros, possivelmente já em novembro. Powell destacou que a recente elevação das taxas de juros dos títulos do Tesouro dos EUA contribuiu para uma menor necessidade de aperto na política monetária.

No cenário doméstico, o dólar à vista refletiu a tendência global e fechou o dia com uma leve baixa de 0,03%, sendo cotado a R$ 5,0528, após oscilar entre R$ 5,0198 e R$ 5,0838. Enquanto isso, o dólar futuro para novembro mostrou uma queda de 0,10%, atingindo R$ 5,0650.

No mercado internacional, o índice DXY, que mede o desempenho do dólar em relação a outras moedas, perdeu 0,34%, atingindo 106,201 pontos. O euro, por sua vez, teve um ganho de 0,45%, chegando a US$ 1,0584, enquanto a libra permaneceu praticamente estável, com um aumento mínimo de 0,01%, alcançando US$ 1,2143.

Leia mais  Ações da Petz recuam pelo 3º dia; Via lidera ganhos no Ibovespa

No fechamento, o contrato DI para jan/24 ficou de lado a 12,160% (de 12,159%, ontem); o jan/25 subiu a 11,245% (de 11,073%); o jan/26, a 11,270% (de 10,961%). O jan/27, a 11,450% (de 11,123%); jan/29, a 11,790% (de 11,510%). O jan/31 subiu a 11,980% (de 11,723%)


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Big Techs impulsionam bolsa e inflação dos EUA: confira o resumo de hoje

Rodrigo Mahbub Santana

Cielo registra lucro líquido de R$ 503,1 milhões no 1T24

Márcia Alves

Gringos sacam R$ 4,63 bi na bolsa de valores brasileira

Márcia Alves

Stone expande para PMEs e visa crescimento acelerado

Rodrigo Mahbub Santana

Crise na Bolsa de Valores? Um alerta para a economia brasileira

Autor Convidado

Vendas no Varejo caíram 1,1% em março, indica o ICVA

Paola Rocha Schwartz

Deixe seu comentário