Guia do Investidor
Fonte/Reprodução
Notícias

Enauta propõe fusão com 3R

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

  • Enauta propõe fusão com a 3R, visando criar um gigante no setor petrolífero.
  • Sinergias estimadas em mais de US$ 1,5 bilhão prometem impulsionar a nova entidade.
  • Produção diária combinada projetada para superar 84 mil barris em 2024 e atingir 120 mil barris em 2025.
  • Reservas 2P ultrapassam os impressionantes 700 milhões de barris.
  • Controle financeiro cuidadoso prevê alavancagem controlada de 1,4x EBITDA.
  • Proposta de relação de troca favorece acionistas da 3R, oferecendo 53% da nova empresa.
  • Interrupção das negociações entre 3R e PetroRecôncavo destaca a confiança da Enauta em sua proposta.
  • Potencial re-rating da empresa combinada no mercado, aproximando-se dos múltiplos da Prio.
  • Visão ambiciosa promete benefícios tangíveis em produção, reservas, estabilidade financeira e valorização para os acionistas.

A Enauta enviou uma proposta para uma fusão estratégica com a 3R, delineando uma transação que, segundo fontes internas, tem o potencial de gerar mais de US$ 1,5 bilhão em sinergias, esboçando assim um cenário promissor para a criação de um gigante no setor petrolífero.

Leia mais  Enauta (ENAT3) anuncia aprovação de sistema definitivo do Campo de Atlanta

Combinadas, as duas petroleiras projetam uma produção diária expressiva, ultrapassando a marca de 84 mil barris em 2024 e apontando para 120 mil barris em 2025, beneficiando-se de campos tanto onshore quanto offshore. Além disso, as reservas 2P propostas superam a marca impressionante de 700 milhões de barris, evidenciando um potencial considerável para a nova entidade.

Um aspecto crucial dessa proposta é o controle financeiro cuidadosamente planejado, visando uma alavancagem da nova empresa mantida em um patamar controlado de 1,4x EBITDA. Tal equilíbrio é possível devido à sólida posição de caixa líquido da Enauta e à dívida líquida de aproximadamente US$ 1,4 bilhão da 3R. Esse arranjo estratégico visa a sustentar a saúde financeira da entidade combinada, garantindo estabilidade e capacidade de investimento.

No que diz respeito à estrutura de participação acionária, a Enauta propõe uma relação de troca que favorece os acionistas da 3R, oferecendo a eles 53% da nova empresa, enquanto os da Enauta ficariam com os restantes 47%. Esta proporção inclui um prêmio de 12% sobre o valor de mercado da 3R no fechamento do dia da oferta, destacando o valor que a Enauta atribui à parceria proposta.

“Vemos a proposta como positiva para a 3R principalmente porque fortalece a posição de negociar da empresa com ambos os potenciais parceiros, além de implicar um prêmio ao seu atual valor de mercado e ter o potencial de desbloquear sinergias”

Declaração de analistas do Safra em relatório a clientes

A proposta da Enauta interrompe as negociações em andamento entre a 3R e a PetroRecôncavo, que anteriormente haviam acenado com a ideia de fusão. Embora essa mudança possa representar um desafio para a 3R e suas negociações anteriores, evidencia também a convicção da Enauta na viabilidade e atratividade de sua proposta.

Além disso, a transação proposta tem o potencial de desencadear um re-rating (reclassificação no mercado de ações) significativo da empresa combinada no mercado, à medida que os investidores reconhecem os benefícios de escala e sinergias resultantes. Isso poderia levar os múltiplos de avaliação da nova entidade a se aproximarem do valor observado na Prio, uma referência no setor. Enquanto a Prio atualmente negocia a 12,4x EV/reservas 2P, a 3R negocia a 5,7x e a Enauta a 7x, sugerindo um espaço considerável para valorização.

Leia mais  PetroRecôncavo (RECV3) assina contrato com a Potigás

Vicente Falanga e Gustavo Sadka, do Bradesco BBI, disseram a reportagem do jornal Valor Econômico, argumentam que a proposta faz bastante sentido e deve fazer com que o conselho da 3R Petroleum fique balançado. Eles acreditam que há potencial de sinergias maior do que na operação da Maha Energy.

Em resumo, a proposta da Enauta para uma fusão com a 3R não só apresenta uma visão ambiciosa para o futuro do setor petrolífero, mas também promete benefícios tangíveis em termos de produção, reservas, estabilidade financeira e potencial de valorização. A execução bem-sucedida dessa transação poderia moldar o cenário competitivo do setor e gerar valor significativo para os acionistas de ambas as empresas envolvidas.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

“É hora de vender ações da Santos Brasil”, diz Bradesco

Rodrigo Mahbub Santana

3R registra produção de 50,42 mil barris de óleo no mês de Março

Márcia Alves

Enauta e 3R anunciam fusão com produção próxima à PRIO

Paola Rocha Schwartz

Ebtida da Ambev deve ter um crescimento de 19% ao ano

Márcia Alves

Ação da Vibra (VBBR3) pode subir 44%, diz UBS

Rodrigo Mahbub Santana

Enauta (ENAT3) faz proposta de fusão para a 3R Petroleum

Paola Rocha Schwartz

Deixe seu comentário