Guia do Investidor
Apos Lula descartar deficit zero de Haddad Tebet fala de Orcamento em reuniao
Notícias

Governo Lula causa segundo pior déficit da história do Brasil

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Governo Lula fecha 2023 com déficit de R$ 230,5 bilhões, o segundo maior da história, devido a precatórios e perdas no ICMS.

No primeiro ano da gestão Lula, o governo brasileiro encerrou 2023 com um déficit primário de R$ 230,5 bilhões, equivalente a 2,1% do PIB, marcando o segundo maior rombo nas contas públicas desde 1997. O resultado adverso foi atribuído à antecipação do pagamento de precatórios no valor de R$ 92,3 bilhões e às compensações concedidas a Estados e municípios devido às perdas na arrecadação com ICMS.

A meta fiscal ajustada para 2023 permitia um déficit de até R$ 213,6 bilhões, mas o pagamento dos precatórios impossibilitou o cumprimento dessa meta. O cenário fiscal permanece desafiador, exigindo ações governamentais para reverter a situação.

Déficit recorde em 2023: Antecipação de precatórios e perdas no ICMS impactam negativamente as contas públicas.

O governo brasileiro encerrou o ano de 2023 com um déficit primário de R$ 230,5 bilhões, representando 2,1% do Produto Interno Bruto (PIB). Este resultado é o segundo maior déficit nas contas públicas desde o início da série histórica em 1997, marcando um contraste significativo com o ano anterior, que registrou um superávit de R$ 54,1 bilhões.

A principal explicação para esse rombo nas contas públicas em 2023 é a antecipação do pagamento de precatórios no valor de R$ 92,3 bilhões. Precatórios são dívidas judiciais do governo nas quais não cabem mais recursos. Além disso, o governo teve que compensar Estados e municípios devido às perdas na arrecadação com o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). O secretário do Tesouro, Rogério Ceron, afirmou que, sem esses fatores extraordinários, o déficit teria sido de R$ 138,1 bilhões, correspondendo a 1,27% do PIB.

A meta fiscal ajustada para 2023 admitia um déficit de até R$ 213,6 bilhões nas contas do Governo Central, que inclui Tesouro, Previdência Social e Banco Central. Entretanto, no último Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas, o Ministério do Planejamento e Orçamento estimou um resultado deficitário de R$ 177,4 bilhões, equivalente a 1,9% do PIB.

Leia mais  Trajetório da dívida pública do Brasil é preocupante, afirma FMI

O governo havia prometido um déficit de 1% do PIB em 2023, mas já se admitia que poderia ficar em torno de 1,3%. No entanto, devido ao pagamento dos precatórios, esse objetivo não foi alcançado. É importante destacar que o pagamento das dívidas judiciais da União foi feito por meio da abertura de crédito extraordinário com autorização do Supremo Tribunal Federal (STF), o que não configura descumprimento da meta fiscal.

Os precatórios estavam represados devido à “PEC do Calote,” que adiou o pagamento desses débitos da União até 2026. No entanto, em dezembro do ano passado, o governo Lula editou uma Medida Provisória que liberou um crédito extraordinário de R$ 93,1 bilhões para quitar esse estoque de precatórios represados. O cenário fiscal do país continua desafiador, e medidas adicionais podem ser necessárias para reverter essa situação.

Desafio Fiscal em 2024: Meta de Difícil Alcance

Independentemente da questão dos precatórios, os números evidenciam o grande desafio que o governo enfrentará este ano ao tentar zerar o déficit. No cenário financeiro, praticamente todos concordam que o governo terá dificuldades em alcançar esse objetivo, e é provável que a meta precise ser revista em algum momento para acomodar um déficit que muitos consideram inevitável.

Leia mais  Volta do imposto sindical: Governo negocia financiamento de sindicatos

O equilíbrio das contas públicas desempenha um papel crucial na redução da dívida pública, impactando diretamente a inflação, as taxas de juros e o interesse de investidores. No entanto, com exceção do superávit extraordinário registrado em 2022, o Brasil tem convivido com déficits fiscais desde 2013.

A XP Investimentos, por exemplo, continua prevendo um novo déficit em 2024, estimando que será de 0,6% do PIB. De acordo com o economista da corretora, Tiago Sbardelotto, as medidas recentemente aprovadas pelo governo para aumentar a receita devem ter efeitos positivos na arrecadação, mas ainda não serão suficientes para atingir a meta de déficit zero neste ano.

Sbardelotto observa que algumas receitas incluídas no orçamento permanecem altamente incertas, como os R$ 34,5 bilhões provenientes das concessões ferroviárias e os R$ 35 bilhões relacionados à mudança nos subsídios do ICMS. Ele também ressalta que a possível prorrogação do programa de desoneração da folha de pagamento pode afetar negativamente as receitas previdenciárias esperadas pelo governo. Além disso, há pressão decorrente dos gastos com previdência e assistência social, o que poderia exigir restrições nas despesas discricionárias (embora não se espere um aumento nos gastos totais).

Leia mais  Redução do teto do consignado "na canetada" prejudicou aposentados, diz Febraban e ABBC

Flavio Serrano, economista-chefe do Banco BMG, também prevê um novo déficit primário para o Governo Central em 2024, estimando que será um pouco menos de 1% do PIB. Ele afirma que, em um cenário otimista, com o efeito do aumento das receitas planejado pelo governo, o déficit diminuiria para cerca de 0,6% do PIB, mas ainda permaneceria acima da margem de tolerância prevista no arcabouço fiscal, que estabelece um déficit de 0,25% para uma meta de equilíbrio.

Em uma entrevista recente ao Estadão, Mário Mesquita, economista-chefe do Itaú Unibanco, destacou que em março o governo enfrentará a decisão de “alterar a meta (de resultado primário), fazer contingenciamento (do orçamento) ou uma combinação dos dois.” Para ele, um déficit de até 1% neste ano seria aceitável, representando uma queda significativa em relação ao ano anterior e indicando um esforço na questão fiscal. No entanto, qualquer valor acima disso geraria preocupação, com 1,5% sendo ainda mais preocupante e 2% sendo um cenário altamente desfavorável, especialmente considerando que o ano anterior já registrou déficits superiores a esse limite.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Novas metas fiscais podem ser descumpridas

Rodrigo Mahbub Santana

Haddad muda meta fiscal para 2025 e Mercado reage

Rodrigo Mahbub Santana

BB e Petrobras: Estatais lucram 24% menos no Governo Lula

Paola Rocha Schwartz

A volta dos Batista: Lula visita fábrica da JBS

Rodrigo Mahbub Santana

Popularidade de Lula apresenta queda em quatro estados

Paola Rocha Schwartz

Superávit fiscal enfrenta desafios

Rodrigo Mahbub Santana

Deixe seu comentário