Guia do Investidor
Free Freepik@fabrikasimf
Criptomoedas Notícias

JPMorgan prevê Bitcoin a US$ 42 mil após halving em abril

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Analistas do JPMorgan alertam sobre possível queda do preço do BTC para US$ 42 mil devido ao próximo halving em abril.

Analistas do JPMorgan preveem que o próximo halving do Bitcoin em abril pode levar a uma queda no preço da criptomoeda, situando-se em torno de US$ 42.000. O halving reduzirá as recompensas dos mineradores, afetando sua lucratividade e aumentando o custo de produção do BTC. Isso poderia resultar em uma concentração maior na indústria de mineração, com mineradores mais eficientes sobrevivendo enquanto outros enfrentam dificuldades.

Impacto do halving do Bitcoin: JPMorgan prevê queda no preço e mudanças na indústria de mineração

Os analistas do JPMorgan lançaram um alerta sobre o futuro do Bitcoin, sugerindo que o próximo halving, programado para abril, poderia desencadear uma significativa queda no preço da criptomoeda. O halving, um evento que ocorre aproximadamente a cada quatro anos, reduzirá as recompensas dos mineradores de Bitcoin pela metade, passando dos atuais 6,25 BTC por bloco para 3,125 BTC.

Leia mais  Mercado de criptomoedas alcança 420 milhões de investidores e 10 mil empresas, aponta relatório

Essa redução nas recompensas dos mineradores afetará diretamente a lucratividade das operações de mineração, aumentando o custo de produção do Bitcoin. Analistas liderados por Nikolaos Panigirtzoglou, do JPMorgan, enfatizaram que o custo de produção da criptomoeda historicamente serviu como um limite inferior para os preços do BTC. Segundo eles, após o halving, esse custo de produção poderia atingir cerca de US$ 42.000.

Além disso, há a possibilidade de uma queda na taxa de hash da rede Bitcoin após o halving, à medida que equipamentos menos eficientes saem das operações de mineração devido à redução da lucratividade. Isso, por sua vez, reduziria o ponto central do custo de produção estimado para US$ 42.000.

Os analistas do JPMorgan sugerem que, uma vez que a euforia induzida pelo halving diminua após abril, os preços do Bitcoin tenderão a se estabilizar em torno desse nível. Atualmente, o preço do Bitcoin está sendo negociado em cerca de US$ 62.730, mas espera-se que os mineradores com custos de eletricidade mais baixos e equipamentos mais eficientes sobrevivam melhor à nova dinâmica pós-halving.

Leia mais  A tecnologia e os jogos por trás da moeda virtual

Prevê-se também que o setor de mineração de Bitcoin passe por mudanças significativas após o halving, com uma concentração maior entre os grandes mineradores. Essa concentração poderia ser impulsionada por fusões e aquisições entre empresas de mineração em diferentes regiões, buscando sinergias para reduzir custos e proteger a lucratividade em um ambiente de custos de produção mais elevados.

Maior gestora de ativos do mundo expande acesso ao mercado de criptomoedas para investidores brasileiros

A BlackRock, renomada como a maior gestora de ativos do mundo, anunciou nesta quinta-feira o lançamento do Brazilian Depositary Receipt (BDR) do ETF iShares Bitcoin Trust (IBIT39) no Brasil. Esse movimento marca uma nova etapa na evolução do mercado de criptomoedas, oferecendo acesso aos investidores brasileiros a um dos mais importantes produtos financeiros relacionados ao Bitcoin.

O ETF, que rastreia os preços à vista do Bitcoin, será negociado na B3 a partir de sexta-feira, ampliando as opções de investimento para os brasileiros interessados em criptoativos. Karina Saade, presidente da BlackRock no Brasil, enfatizou o compromisso da empresa em oferecer veículos de acesso de alta qualidade aos investidores, destacando o IBIT39 como uma evolução natural dos esforços da gestora no mercado de ativos digitais.

Leia mais  Alameda Research quase fez parceria com o Citigroup

Inicialmente disponível apenas para investidores qualificados, com patrimônio investido igual ou superior a R$ 1 milhão, o produto terá uma taxa de administração de 0,25%, com isenção por um ano. Após esse período, a taxa será reduzida para 0,12% sobre os primeiros US$ 5 bilhões em ativos sob gestão (AUM). No entanto, a gestora planeja abrir o produto para investidores do varejo em algumas semanas.

O lançamento do BDR do ETF Bitcoin no Brasil segue o sucesso dos ETFs nos Estados Unidos. Os ETFs de Bitcoin spot registraram um volume expressivo de entradas, superando recordes anteriores. A BlackRock lidera esse movimento, com seu iShares Bitcoin Trust (IBIT) registrando entradas e volumes recordes.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Bitcoin registra queda após ataques do Oriente Médio

Márcia Alves

Governo Lula quer taxar as criptomoedas: entenda

Márcia Alves

Bitcoin dispara e volta a valer US$ 70 mil

Márcia Alves

Investir em Bitcoin é seguro? Vale a pena em 2024?

Arthur Piassetta

Especialista: Alta do Bitcoin ainda não começou; previsão de US$ 300.000

Fernando Américo

Bitcoin se aproxima de novo recorde e FLOKI lidera ganhos

Fernando Américo

Deixe seu comentário