Guia do Investidor
Exchange Traded Fund ETF
Notícias

LFTS11: conheça o primeiro ETF de títulos do Tesouro Selic

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

O novo ETF de renda fixa da bolsa é o primeiro de títulos atrelados à Selic. Saiba mais sobre as vantagens e desvantagens deste produto.

Conheça o LFTS11

O LFTS11 é o primeiro ETF de LFTs do mercado brasileiro e acompanha o índice Teva Tesouro Selic, desenvolvido pela Teva Indices. O índice seleciona títulos públicos pós-fixados com vencimentos acima de dois anos e tem um desempenho altamente aderente ao DI.

Por ser um ETF de renda fixa, o LFTS11 é isento de IOF, não possui cobrança de come-cotas e taxa sobre performance. Além disso, por conta do prazo da carteira, o fundo possui tributação diferenciada.

O ETF foi lançado em novembro de 2022, conta com a gestão da Investo e está disponível para negociação na B3 sob o ticker LFTS11.

Vantagens do LFTS11

O LFTS11 é isento de IOF, o que torna o retorno atrativo quando comparado com outros investimentos, como CDBs, fundos ativos de renda fixa e compromissadas, por exemplo. Segundo dados divulgados pela Teva Indices a isenção de IOF resulta em um retorno médio 4,2 vezes maior nos 30 primeiros dias de investimento do que um CDB com remuneração de 100% do DI.

Leia mais  Considerando os choques inesperados, a inflação pode ser controlada pela Selic elevada? Professor explica

No longo prazo, a não incidência de come-cotas, taxas sobre performance e a tributação diferenciada também são vantajosas. O ETF apresenta um desempenho superior à um CDB com remuneração de 100% do DI em qualquer prazo até 720 dias, com a taxa equivalente saindo de 112,2% em investimentos de até 30 dias até 102,3% para prazos de 720 dias.

Além disso, o LFTS11 é uma maneira prática de investir em títulos públicos, pois é um fundo negociado em bolsa, com liquidez de D+1 e com rolagem automática dos títulos, o que facilita a gestão de carteiras de investimento.

Desvantagens

Para investimentos com prazo superior a 720 dias, o efeito positivo da tributação diferenciada do LFTS11 perde efeito. Isso acontece porque os demais produtos de renda fixa, que possuem tributação regressiva, apresentarão a mesma alíquota de Imposto de Renda.

Outro ponto importante é a liquidez do ativo, que apesar de ser em D+1, pode não atender investidores que buscam investimentos com liquidez em D0.

LFTS11 ou Tesouro direto?

Para investimentos superiores a R$ 10.000,00 no Tesouro Direto, há cobrança da taxa de custódia de 0,20% ao ano por parte do Tesouro. Isso significa que é mais caro para o investidor manter o dinheiro investido diretamente em LFTs do que investir no LFTS11, que possui taxa de administração de 0,19% ao ano.

Leia mais  ETFs Americanos: melhores e baratos para investir em 2024

Além disso, o investidor que opta pelo Tesouro Direto precisa se atentar aos vencimentos dos títulos e à diversificação de sua carteira. Para quem não quer se preocupar com isso, o LFTS11 é uma opção interessante, pois além da facilidade de negociar suas cotas na bolsa com liquidez de D+1, o fundo é diversificado em diversos títulos (8 atualmente) e rebalanceado automaticamente, ou seja, a rolagem de ativos próximos ao vencimento é feita sem a necessidade de atuação do investidor.

Desempenho do Índice Teva Tesouro Selic

Como o LFTS11 foi lançado recentemente, uma maneira de avaliar sua performance é através do seu índice de referência, o Teva Tesouro Selic. No acumulado de 2022 (até o dia 07/11/2022), o índice valorizou 10,8%, contra um aumento de 10,2% do DI. Em janelas de tempo mais longas o índice continua bastante aderente ao DI, com uma valorização de 12,2% e 16,6% nos últimos 12 e 24 meses, respectivamente, enquanto o índice DI valorizou 11,6% e 15,4% nos mesmos períodos.

Conheça o índice Teva Tesouro Selic

De acordo com a metodologia da Teva, são elegíveis ao índice LFTs com no mínimo 730 dias corridos até a data de vencimento e com volume mensal de negociação no mercado secundário igual ou superior a R$ 500mm no mês anterior ao rebalanceamento.

Leia mais  Alta da Selic: quais investimentos ficam mais atrativos?

Para cada LFT elegível é atribuído um peso proporcional ao seu valor de mercado. Os rebalanceamentos do índice ocorrem mensalmente e a precificação dos títulos é realizada de acordo com os preços definitivos do mercado secundário.

Vale a pena investir no LFTS11?

Para quem busca retornos aderentes ao DI ou um fundo para gestão de caixa e liquidez, o LFT11 pode ser uma alternativa eficiente e prática, pois além do custo mais baixo, o fundo é negociado em bolsa, com liquidez de D+1 e tem risco reduzido, uma vez que sua carteira é formada inteiramente por títulos públicos pós-fixados.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Santander eleva recomendação da B3

Rodrigo Mahbub Santana

Os melhores ETFs de Cannabis para 2024

Arthur Piassetta

Taxa Selic deve atingir ao menor nível em dois anos

Márcia Alves

ETFs Americanos: melhores e baratos para investir em 2024

Lara Donnola

BlackRock lança BDR do ETF Bitcoin na B3

Fernando Américo

EUA lideram com 83% do mercado de ETFs de Bitcoin à vista

Fernando Américo

Deixe seu comentário