Guia do Investidor
posto de combustivel mcajr abr 1609210451
Notícias

Combustíveis, FED e Copom: Confira o que afeta seus investimentos na semana

Chegamos ao início de mais uma semana no mercado de capitais, e como , precisamos estar atentos a novas atualizações do mercado. Em especial, a nova semana requer cuidados. Afinal, a última semana foi marcada por uma forte aversão ao risco, que levou o ibovespa abaixo do piso dos 100 mil pontos, é hora de protegermos nossos .

O que devemos ficar de olho?

O primeiro ponto a se observar na semana é o anúncio da ata da última reunião do   – que elevou a Selic em 0,5 ponto, para 13,25% ao ano. No comunicado que acompanhou o anúncio da decisão, o Banco Central projetou novo ajuste na taxa básica de de igual ou menor magnitude. A ata será publicada na terça-feira (21), podendo trazer novas informações sobre suas próximas decisões e o ponto terminal da Selic.

O mercado também segue de olho nas mudanças dos , após o novo reajuste anunciado pelo nesta semana e as movimentações do senado com a proposta de limitação do ICMS.

Leia mais  Fiesp: juros altos e guerra na Ucrânia retardam recuperação da indústria

Já o IPCA-15, considerado uma prévia da oficial, para junho será divulgado na sexta-feira (24). O antecipa um aumento mensal de 0,74%, levando a taxa anual a 12,10% (de 12,20% em maio). O Bradesco espera uma alta mensal de 0,73%, com núcleos ainda pressionados.

Sobre a , o Itaú destaca que a semana será relativamente vazia, com apenas a pesquisa de
confiança dos consumidores da FGV referente a junho, a ser divulgada na sexta.

No exterior, atenção para discursos de membros do Federal Reserve e primeiras sondagens de junho. Jerome Powell, presidente do Fed, fala no Senado americano na quarta (22) e na Câmara na quinta (23), enquanto diversos presidentes regionais discursam ao longo da semana.

Cabe destacar que, na última quarta feira (15), o Fed elevou a taxa de juros em 0,75 ponto percentual, confirmando as expectativas que tinham se alterado no início da semana. As projeções oficiais para a inflação e para a evolução da taxa de juros foram revisadas significativamente para cima, indicando que a política monetária deverá permanecer em terreno restritivo até 2024.

“Para a próxima reunião, antevemos novo ajuste de mesma magnitude, encerrando o ciclo ao redor de 4% no ano que vem”, aponta o Bradesco.

Um dia após a decisão, na quinta passada, houve um movimento de aversão ao risco no mercado em meio aos temores de que a rápida elevação dos juros possam levar a americana a uma recessão.

Leia mais  Poupança não é investimento!

NÃO DURMA NO PONTO!
Receba as notícias mais quentes do mercado em primeira mão no seu Telegram:
ATIVAR AGORA!

Nossas redes:

Leia mais

Escalada de juros americana pode ser boa oportunidade para investimentos em crédito com garantias imobiliárias nos EUA

Guia do Investidor

Ciclo de juros altos deu certo? Analistas indicam que o “pior da inflação” já passou

Leonardo Bruno

hEDGEpoint prevê demanda mais fraca em função da alta de juros; confira análise

Guia do Investidor

Vibra (VBBR3) disponibiliza Diesel Inverno na região Sul

Guia do Investidor

Com nova alta da Selic, renda fixa passa a gerar ganhos de 1% ao mês

Guia do Investidor

Presidente da Abit defende fim do ciclo de aumento dos juros

Guia do Investidor

Deixe seu comentário