Guia do Investidor
ipos GDI
Notícias

MRV que se cuide? IPO da incorporadora Pacaembu vem ai

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

A Pacaembu, uma incorporadora conhecida por seus bairros planejados voltados para a baixa renda, está se preparando para lançar seu IPO, após ter adiado seus planos em 2020 devido ao fechamento da janela de mercado. Agora, a empresa familiar busca novamente ingressar na Bolsa, visando uma avaliação entre R$ 1 bilhão e R$ 1,5 bilhão.

O chairman da empresa, Victor Almeida, filho de um dos fundadores da Pacaembu, juntamente com seu irmão Fernando Almeida, CEO da empresa, compartilhou os planos em uma entrevista ao Brazil Journal. A intenção da família é realizar o IPO assim que uma nova janela de mercado se abrir.

A avaliação da empresa considera um múltiplo P/L de 10x, que é a média histórica das incorporadoras de baixa renda listadas na Bolsa, como MRV, Tenda, Plano & Plano, Direcional e Cury. A parcela a ser vendida ainda não foi definida, mas será de pelo menos 25% para atender às regras do Novo Mercado e no máximo de 45%. Victor Almeida destacou a importância da família continuar controlando o negócio e possuir uma fatia significativa do capital para alinhar a estratégia de longo prazo da empresa.

Leia mais  Ações da SmartFit (SMFT3) disparam 26% em estreia na B3

A Pacaembu ainda está em processo de formação do sindicato de bancos que coordenará a oferta, mas já está trabalhando com o Itaú BBA, BTG, XP e Caixa, com quem mantém um relacionamento próximo desde 2020. Nos últimos anos, a empresa realizou diversos non-deal roadshows com o buyside para preparar o terreno para o IPO.

Este novo movimento vem em um momento de melhora operacional para a Pacaembu. Após enfrentar desafios relacionados à inflação de insumos durante a pandemia, a empresa conseguiu retornar à rentabilidade em 2023, gerando cerca de R$ 100 milhões em caixa. Além disso, registrou os melhores resultados de sua história, com R$ 1,6 bilhão em lançamentos e R$ 1,4 bilhão em valor geral de vendas (VGV).

Diferenciando-se das incorporadoras tradicionais, a Pacaembu foca em construir bairros planejados com cerca de 400 unidades em cidades do interior, oferecendo casas acessíveis com infraestrutura completa. Com mais de 80 mil unidades vendidas desde sua fundação, a empresa concentra suas vendas na Faixa 1 do Minha Casa Minha Vida, com 70% das vendas, e tem como principal mercado o estado de São Paulo.

Leia mais  Ações da Pague Menos (PGMN3) estreiam hoje na bolsa

Os recursos provenientes do IPO serão direcionados para acelerar a estratégia de expansão da empresa, que tem apresentado resultados positivos. A oferta também incluirá uma parcela secundária, permitindo que a família obtenha parte dos recursos. Victor Almeida destacou que as recentes mudanças no Minha Casa Minha Vida devem beneficiar os resultados da Pacaembu, ampliando seu mercado endereçável e impulsionando seu crescimento futuro.

Confira a nova ferramenta de cotação do Guia do Investidor

Quer estar sempre atualizado em tempo real com a cotação de seus ativos favoritos listados na bolsa? O Guia do Investidor agora oferece a oportunidade de você se manter informado sobre os preços e movimentações das principais ações da bolsa de valores brasileira com apenas um clique.

Lá, você pode acompanhar métricas diárias e semanais personalizadas, além de conferir um gráfico exclusivo de tendência de alta para seguir as expectativas dos analistas e ficar por dentro das melhores ações antes mesmo de elas decolarem!

Imagine ter acesso fácil e rápido às informações cruciais para suas decisões de investimento. Com o Guia do Investidor, isso se torna realidade. Não perca mais tempo e esteja sempre um passo à frente no mercado financeiro. Não deixe de clicar aqui para conferir!

Leia mais  MRV (MRVE3) despenca quase 11% após divulgação de prévia operacional
Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Ação da Magalu (MGLU3) fecha em alta de 4,73%

Rodrigo Mahbub Santana

Telegram quer IPO e valuation de US$ 30 bilhões

Márcia Alves

Ações da MRV desabam 10%: o que aconteceu?

Leonardo Bruno

Oportunidade ou Furada? Queda de 80% desde IPO marca ações da Petz

Leonardo Bruno

MRV enfrenta quedas e mais em 2024: o que aconteceu?

Leonardo Bruno

MRV fecha em queda 11% e afirma não saber o motivo

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário