Guia do Investidor
saraiva 1
Notícias

Para voltar pro jogo? Saraiva divulga novo planejamento após fim de Recuperação Judicial

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Saraiva (SLED3), que está em Recuperação Judicial, possuía, até maio, um saldo negativo de R$ 520,9 milhões, em seu patrimônio líquido. Conforme dados demonstrados no relatório.

Sobretudo, vale informar que o Plano de Recuperação Judicial da Companhia foi homologado pelo judiciário em abril de 2022.

Conforme termos da inicial do plano, distribuída em novembro de 2018, o valor total da dívida, à época, era em torno de R$ 700 milhões.

No entanto, a rede de livrarias parece ter finalmente superado este ponto e está almejando novos ares.

Afinal, a Saraiva conseguiu fechar um acordo com seus credores e agora quer voltar às origens. Nada mais de megastores: o foco da empresa voltará a ser em lojas de tamanho médio que vão vender apenas livros e artigos de papelaria, o CEO Marcos Guedes disse em entrevista.

“Esse é um mercado que diminuiu de tamanho nos últimos anos por conta das vendas online, mas que ainda é rentável,” disse Marcos. “Basta ver a quantidade de livrarias inauguradas nos últimos anos.”

O plano para voltar a crescer

O plano da Saraiva passa por uma reestruturação. A rede chegou a ter 114 lojas por todo o País. Quando entrou em RJ, em 2018, tinha 80. Hoje são 32 livrarias em 16 estados.

Marcos estima que as maiores livrarias – Travessa, Leitura, Curitiba e Livraria da Vila, que estão em expansão, além da própria Saraiva e da Cultura – somem hoje por volta de ‘200 e poucas lojas’. “Mas todas estão ainda muito concentradas nos grandes centros, o nosso plano é crescer mais em cidades menores, regionalmente,” disse Marcos.

Desse modo, no novo projeto, a Saraiva pretende abrir de 3 a 5 lojas por ano – e com um impulso extra de uma estreia também no formato de franquias.

A RJ da Saraiva

No plano de recuperação judicial aprovado no início de agosto, credores donos de R$ 170 milhões em créditos (30% da dívida) optaram por um haircut de 80% com a conversão dos 20% restantes em ações preferenciais da empresa. Os acionistas devem aprovar a emissão de novas ações preferenciais no valor de até R$ 61 milhões numa assembleia marcada para 28 de setembro.

Metade desse total será entregue aos credores dentro da RJ, e a outra metade para credores de dívidas contraídas depois que a Saraiva entrou nesse processo, as chamadas dívidas ‘pós concursais’.

Além disso, a emissão das novas ações vai mais que dobrar a quantidade de PNs no capital da Saraiva. Para resolver o desenquadramento da proporção de um terço de ONs com dois terços de PNs, a empresa pretende converter todas as suas ações em ordinárias assim que mudar seu estatuto. Quando isso acontecer, a participação da família Saraiva, que tem hoje 52% das ONs e 20% do capital total, será diluída, e a rede de livrarias vai se tornar uma corporation.

A Saraiva retomou sua agenda de eventos e atividades culturais nas lojas para formar novos leitores, e disse que o resultado já está aparecendo: a receita em julho subiu 36% em relação ao mês anterior. A empresa também está reformulando seu ecommerce para servir de apoio às lojas físicas.

image 51

Nos últimos 5 anos, a companhia perdeu praticamente a totalidade de seu market value, com uma queda acumulada de 96,98%.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Fim da linha: Saraiva declara Autofalência

Leonardo Bruno

O fim da Saraiva: Até o “Seu Saraiva” pulou fora

Leonardo Bruno

Alta de 214% no mês: Saraiva (SLED4) encerra 13 lojas e traz otimismo para as ações com reestruturação

Leonardo Bruno

A favorita dos Day Traders? Ações da Saraiva disparam 165% na semana

Leonardo Bruno

Saraiva (SLED4) não consegue sair “do fundo do poço” e prejuízo piora 35% no resultado 4T22

Leonardo Bruno

Já não existe esperança? Em RJ, Saraiva (SLED3) tem prejuízo de R$ 9,2 milhões no 3T22

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário