Guia do Investidor
plano saude
Notícias

Plano de saúde precisa ser declarado no Imposto de Renda 2024

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Despesas médicas devem ser incluídas na declaração e podem ajudar a aumentar o valor da restituição; saiba como fazer.

O prazo para declarar o Imposto de Renda de 2024 começa em 15 de março (quando a Receita deve liberar o Programa Gerador de Imposto de Renda) e termina em 31 de maio.

Despesas médicas, incluindo gastos com plano de saúde, podem e devem ser declaradas no formulário do Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF), pois estão entre os principais itens que podem gerar um aumento no valor da restituição ou descontos de um eventual imposto devido. Isso porque não há limites para o valor a ser incluído nessa categoria, diferentemente de outras.

Podem ser consideradas na mesma declaração as despesas médicas não só do contribuinte, mas também de seus dependentes e de seus alimentandos (ou seja, de quem recebe pensão alimentícia por decisão judicial).

Os tipos de gastos que podem ser incluídos são de médicos de qualquer especialidade; dentistas, fisioterapeutas; psicólogos; fonoaudiólogos; terapeutas ocupacionais; gastos hospitalares, como internações, cirurgias e partos; despesas com exames laboratoriais; próteses e aparelhos ortopédicos; serviços radiológicos; próteses dentárias; e mensalidade de plano de saúde reconhecido ou de planos odontológicos.

Alguns procedimentos estéticos que forem realizados por médicos, como dermatologistas, (e não por dentistas ou esteticistas) e em ambientes médicos também podem constar da declaração.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

Não entram em despesas dedutíveis gastos com medicamentos (mesmo os de uso contínuo); vacinas; enfermeiros ou acompanhantes; óculos ou lentes de contato; cadeiras de rodas ou muletas; aparelhos de surdez; consultas com acupunturistas; exames de DNA para comprovação de paternidade; despesas de acompanhantes em acomodação em hospital; despesas com pessoas que não sejam dependentes nem alimentandos; gastos com passagem e hospedagem para tratamento médico.

Leia mais  Imposto de Renda 2024 isenção: confira a nova faixa

Algumas exceções ocorrem quando tais gastos, como medicamentos ou vacinas, integram a conta hospitalar.

As operadoras de saúde devem encaminhar aos beneficiários um documento com o demonstrativo dos pagamentos, ou seja, com o total gasto com o plano no ano anterior. O campo em que as despesas médicas são lançadas na declaração se chama “Pagamentos Efetuados” e, no caso do plano de saúde, o código é o “26 – Planos de Saúde no Brasil”.

No entanto, para que esses gastos sejam computados, a declaração deve ser feita no modelo completo, e não no simplificado. É somente na versão completa do IRPF que entram gastos com saúde, educação e dependentes, por exemplo.

Como declarar gastos de coparticipação em plano de saúde?

O declarante só pode considerar os gastos com planos de saúde no imposto de renda se esses foram pagos por ele. Caso seja um plano pago integralmente pela empresa, sem descontos em folha nem coparticipação, os gastos não podem entrar na declaração.

Leia mais  IRPF 2023: entenda o que é a restituição e como recebê-la mais rápido

Mas caso haja algum componente de coparticipação cobrado pela empresa, como na eventualidade de alguma consulta ou procedimento não coberto ou mesmo os gastos com dependentes, o valor que saiu do bolso do contribuinte pode constar como gastos de saúde na declaração do colaborador. Nesse caso, o holerite basta como comprovante.

O mesmo vale para o caso de um plano de saúde para pessoa jurídica que tenha sido pago integralmente pelo declarante, por exemplo, no caso de uma pessoa que atue como microempreendedor individual (MEI). Nessa situação, o contribuinte deve comprovar que foi ele quem arcou com a despesa e só então incluir na IRPF.

Como declaro o reembolso de consultas ou procedimentos?

Em alguns planos de saúde, sejam eles empresariais ou individuais, existe a possibilidade de o beneficiário obter o reembolso por alguma consulta com especialista ou por um procedimento não coberto pela seguradora (e esse tipo de informação é crucial na hora das cotações de planos de saúde, antes de assinar o contrato).

Na declaração do IRPF, o valor do reembolso não é passível de dedução, visto que já se considera que o valor voltou ao contribuinte. Nesse caso, o declarante deve informar o valor do reembolso no campo “Parcela não dedutível/valor reembolsado”.

Leia mais  Quando sai o 1° lote da restituição do IR? Confira;

Se a consulta custou R$ 500 e o valor reembolsado pelo plano foi de R$ 180, é preciso declarar os R$ 500 no campo “Valor pago” e os R$ 180 no campo “Parcela não dedutível/valor reembolsado”. O sistema vai calcular, portanto, que o valor a ser considerado para efeitos de restituição é de apenas R$ 320.

Cuidados na hora de preencher a declaração

Segundo especialistas tributários, os gastos médicos são os maiores motivos que fazem os contribuintes caírem na malha fina da Receita Federal.

Por isso, a documentação precisa estar em ordem. Nas notas fiscais ou nos recibos devem constar o nome do médico, ou estabelecimento com o CNPJ, ou CPF, o valor total gasto e o nome do beneficiário.

Antes de começar a fazer a declaração, é importante ter em mãos a documentação adequada e organizada, como recibos, notas fiscais e comprovantes de pagamento, essenciais para ratificar as despesas declaradas.

Erros simples no preenchimento do formulário, como inserir dados em campos incorretos ou deixar espaços em branco, também podem levar a inconsistências e até mesmo a uma malha fina.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Quando sai o 1° lote da restituição do IR? Confira;

Rodrigo Mahbub Santana

Saiba como doar parte do IR para vítimas das enchentes no RS

Rodrigo Mahbub Santana

Com medo da malha fina? Veja o que fazer

Fernando Américo

Imposto de Renda: 10 erros para cair na malha fina

Guia do Investidor

Receita abriu consulta ao lote residual de restituição do IR

Márcia Alves

Governo propõe mudanças no IR para impulsionar investimentos na Bolsa

Rodrigo Mahbub Santana

Deixe seu comentário