Guia do Investidor
emprestimo pessoal
Notícias

Quase 25% dos microempreendedores priorizam mais o valor do que juros

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Comportamento adotado na obtenção de empréstimos ignora melhores práticas de gestão financeira e deixa de reduzir em até 58% o endividamento das empresas.

Apesar dos constantes apelos para a realização de avaliações criteriosas sobre as vantagens e desvantagens presentes nas taxas de juros das linhas de crédito oferecidas pelo mercado, uma parcela significativa dos pequenos empreendedores brasileiros continua tendo como principal critério para assumir um financiamento a velha observação sobre o fato de a prestação caber ou não no bolso na hora de assinar o contrato. É o que demonstra um levantamento realizado pelo Centro de Apoio aos Pequenos Empreendimentos (CEAPE Brasil). De acordo com a pesquisa, realizada com 242 microeempreendedores, 23,1% dos entrevistados, ao realizar um empréstimo, afirmaram que o valor da prestação é o que mais pesa em sua decisão.

“Apesar de ser um problema sério, não nos surpreende que quase um quarto dos empreendedores priorize a prestação. Deixar de ver fatores como juros e prazo de financiamento é ainda uma questão cultural. O brasileiro se acostumou a pagar muitos juros e parece até não se importar com o valor final”, afirma Cláudia Cisneiros, diretora executiva do CEAPE.

Além da questão cultural, ela cita como outros fatores que levam a este comportamento a falta de educação financeira, a dificuldade de o empreendedor obter empréstimo, que leva a que ele se submeta a juros mais elevados e ausência de planejamento financeiro. “Quando o empreendedor vai a uma instituição financeira, seja fintech ou bancos tradicionais se depara com muitos entraves para obter o empréstimo, pois, muitas vezes, ele não tem histórico de adimplência suficiente, comprovante de renda ou garantias suficientes que demonstrem ser capaz de cumprir com suas obrigações”, observa.

Leia mais  Joel Greenblatt: quem é, como e onde investe?

A proposta das fintechs de ampliar a oferta de crédito a aqueles que estão fora do mercado tradicional também se mostra insuficiente e arriscada. “Como instituição que busca fornecer microcrédito produtivo orientado, vemos que, muitas vezes, o empreendedor pega o valor com o intuito de quitar a dívida, mas não faz um planejamento adequado do uso dos recursos e, por este motivo, acaba se tornando inadimplente. O valor concedido precisa ser acompanhado de uma orientação que levará a pessoa a obter um retorno financeiro maior que os juros cobrados”, explica.

Uma experiência recente realizada pela Serasa Experian em parceria com o Sebrae, intitulada Projeto Impulsiona, mostrou que as pequenas empresas que implementam processos relacionados à gestão financeira em seu dia a dia, conseguem reduzir em até 58% seu nível de endividamento. 

De acordo com a Serasa, nos últimos 24 meses, 53% das PMEs utilizaram alguma forma de crédito, sendo as opções mais populares o empréstimo e a antecipação de recebíveis do cartão de crédito. A empresa informa que 35% dos empreendedores que participaram da pesquisa disseram que recorrem ao empréstimo uma vez ao ano. Já a antecipação de recebíveis do cartão de crédito apresenta, em geral, uma recorrência mensal (58%). Enquanto isso, segundo a organização, 47% das PMEs não utilizaram nenhuma modalidade de crédito disponível no mercado. No entanto, dessas 47%, quase metade delas, tem a intenção de solicitar.

Leia mais  Bradesco afunda com prejuízo gigante no primeiro trimestre

Riscos de ignorar a taxa de juros

Ao deixar de verificar quanto de juros vai pagar pelo empréstimo, o empreendedor pode, ao invés de sanar o problema da falta de caixa, aprofundá-lo. “No desespero, muitos pegam empréstimos a custos elevados buscando sanar um problema momentâneo, porém esquecem que a prestação vai comprometer parte da receita futura por um bom tempo, o que pode gerar um efeito bola de neve, caso não consiga honrar com todos os compromissos nos meses seguintes”, alerta Cláudia.

Ela lembra que é justamente a ausência de visão de longo prazo que leva à inadimplência futura e à quebra de um negócio. “A constrição do caixa e a falta de fôlego para pagar as contas são os principais pontos que fazem com que a pessoa deixe o sonho de empreender para buscar emprego. Antes de pegar um valor que vá reduzir a renda líquida futura, é preciso analisar quais fatores levaram à necessidade de buscar o valor. Além disso, o empreendedor deve ter em mente o custo do dinheiro que ele buscou. Vale à pena?”, aconselha.

Leia mais  Vem mais mudanças? Cielo anuncia renuncia em seu conselho de administração
Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Faturamento das PMEs brasileiras tem alta de 17% em fevereiro

Fernando Américo

Diferença de juros entre Brasil e EUA é a menor desde 2020

Márcia Alves

Qual a melhor casa de análise? Ranking Melhores Casas de Análise 2024

Victor Rodrigues

Copom faz redução de 0,50 pp na taxa Selic

Márcia Alves

Juros dos EUA foram mantidos na faixa de 5,25% a 5,50%

Márcia Alves

Após um corte inesperado, títulos argentinos subiram quase 3%

Márcia Alves

Deixe seu comentário