Guia do Investidor
Freepik
Dicas Notícias

Depois da queda do Ibovespa em 2021, quais cuidados ter na hora de comprar ações?

O fechou o ano de 2021 com queda de quase 12%, o pior desempenho desde a retração de 13,31%, em 2015. Uma série de fatores contribuíram para que a brasileira atingisse a pior performance do mundo em 2021, com reflexos negativos neste início de ano.

Com a inflação ficando acima do teto da meta do governo e a forte elevação da taxa Selic, os estão sendo desestimulados a comprar . Isso enfraquece a e fortalece a . Além disso, há uma forte preocupação com a situação das contas públicas, principalmente com o estouro do teto de gastos através da PEC dos Precatórios, e o consequente risco fiscal. O cenário incerto devido à pandemia também influencia diretamente no desempenho do Ibovespa. E, por fim, 2022 é um ano eleitoral, o que certamente trará mais volatilidade para o dependendo das propostas dos candidatos.

Mas, afinal, a queda no valor das ações da Bolsa pode ser uma oportunidade para quem deseja investir?

Para Beto Assad, analista de ações e consultor financeiro do Kinvo, aplicativo que consolida de bancos e corretoras em um só lugar, os investidores mais experientes podem se beneficiar com a queda das ações, mas é preciso determinar uma estratégia e ter cautela. Por isso, o especialista traz cinco para quem deseja comprar ações em momentos de baixa. Confira:

1. Tenha paciência e cautela

Esse é um momento muito conturbado para quem deseja comprar ações. É preciso escolher bem as empresas nas quais você pretende investir. Além disso, é preciso “ter estômago” para aguentar a volatilidade e a queda. Por isso, ter paciência e cautela são fundamentais neste momento.

2. Tenha uma estratégia de investimento

Fuja da tentação de comprar ações em queda sem levar em conta a sua estratégia e os fundamentos do papel. Não compre ações só porque caíram demais. Se a empresa está numa situação desfavorável, acredite, uma queda forte pode ser apenas o início de quedas ainda mais intensas.

3. Entenda o seu perfil de risco

Seja sincero com seu apetite de risco. Lembre-se que estamos em ano de eleição e a volatilidade costuma ser alta. Não é todo investidor, principalmente o iniciante, que consegue aguentar muito o sobe e desce das ações.

Leia mais  5 dicas para abrir seu negócio físico

4. Caso já tenha ações, avalie o momento para vender

Comprar e segurar é diferente de comprar e esquecer. Fuja da desculpa de que suas ações são para longo prazo, principalmente se foram compradas num momento ruim. Reflita se você teria segurado suas ações se elas estivessem dando lucro. Não adianta ser um “buy and holder” apenas quando suas ações estão caindo. E que fique claro: se as razões pela qual você comprou a empresa não existem mais e ela deixou de ser atrativa, avalie realmente se é viável continuar sendo acionista da empresa.

5. Invista em empresas exportadoras e em bancos

Empresas exportadoras com receitas atreladas ao dólar podem ser interessantes como o setor de mineração, frigoríficos e papel & celulose, assim como o setor que mais se favorece com a alta da taxa de juros, que são os bancos.

Nossas redes:

Leia mais

“Não vai dar liga”? Itaú BBA acredita que a bolsa não vai passar dos 110 mil pontos em 2022

Leonardo Bruno

De volta aos 100 mil pontos: Bolsa engata alta apoiada em diminuição das restrições na China

Leonardo Bruno

Bear Market: confira os tipos de quedas do mercado

Leonardo Bruno

Bolsa opera em campo positivo apoiada em mercados internacionais

Leonardo Bruno

Empresas não querem mais entrar na bolsa? Entenda o motivo da queda dos recentes IPOs

Leonardo Bruno

Ibovespa segue entre quedas e ganhos nesta quinta: confira destaques

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário