Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

São Paulo: inadimplência permanece alta no Estado, representando 24,6%

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

O Brasil atualmente ocupa a 9º posição entre as melhores economias mundiais, mas segue com um número alto de inadimplentes. De acordo com a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor, a PEIC, apesar do programa de negociação de dívidas, Desenrola Brasil, a inadimplência permanece intacta em São Paulo, totalizando 24,6% em setembro. 

O endividamento permanece elevado no estado com 2.778.755 famílias endividadas, representando 68,7% em setembro, pequena diferença em relação aos 68,9% de agosto. Destes,  440.964 não têm condições financeiras de quitar as dívidas, sendo 10,9% do total. Para o especialista Fernando Lamounier, educador financeiro e diretor da Multimarcas Consórcios: “A instabilidade econômica do país é o agente dificultador de um padrão de vida financeira saudável para o cidadão comum. A alta inadimplência deve-se à situação dos salários baixos e desemprego elevado”.

O cartão de crédito é a modalidade que as famílias mais se endividam, representando 81,6%, seguido dos carnês (14,4%), crédito pessoal (12,5%), financiamento de casa (11,8%), financiamento de carro (9,9%), crédito consignado (6,8%), cheque especial (5,3%), outras dívidas (4%) e cheque pré-datado (1%). 

Leia mais  Balança comercial de abril tem superávit de US$ 8,225 bilhões

Lamounier aponta que o cartão de crédito é visto como um valor adicional ao orçamento mensal e os altos juros pioram o cenário. 

“Os brasileiros vêm utilizando a modalidade para compras do dia a dia e a capacidade de parcelamento levou-as a acreditar que ao dividir uma compra a dívida fica menor, quando na realidade, as pessoas estão apenas antecipando as dívidas do próximo mês”, aponta.

Apesar da inadimplência, os paulistanos estão aumentando seu consumo. Em setembro, o Índice de Confiança do Consumidor apontou uma alta de 7,1%, chegando aos 85,2 pontos, maior patamar desde fevereiro de 2015. Com isso, o especialista listou quatro dicas para se organizar financeiramente e não entrar no vermelho: 

  1. Mapear renda total, isto é, salário e rendas extras.
  2. Separar as despesas fixas no seu orçamento, como aluguel, condomínio, internet e contas de serviços públicos (água, luz, gás).
  3. Esquematizar as despesas variáveis como alimentação, transporte e gastos com saúde.
  4. Organizar dívidas e pagamentos, como parcelas de empréstimos e cartão de crédito.

“É necessário que a educação financeira seja cada vez mais incentivada na nossa sociedade. A consciência de gastos e o planejamento para realização de grandes projetos beneficia não apenas o detentor do dinheiro, mas todos ao seu redor”, conclui Lamounier.

Leia mais  Líder do PT pagava R$ 70 mil por semana ao PCC, diz Estadão

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Raízen divulga prévia operacional do 1T24: confira o resumo do dia

Márcia Alves

China lidera vendas de carros no Brasil

Márcia Alves

Sabesp privatizada deve se tornar “grande plataforma de saneamento” do Brasil

Márcia Alves

Mercado voluntário de carbono no Brasil recua em 2023; falta confiança

Agência Brasil

Banco Central faz ajustes para aperfeiçoar segurança do Pix

Agência Brasil

BNDES conclui financiamento para exportação de 32 jatos da Embraer

Agência Brasil

Deixe seu comentário