Guia do Investidor
índice construção 2022
construção civil Notícias

4 desafios da indústria da construção a serem superados em 2022

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Não há dúvidas de que nos últimos dois anos a pandemia foi um risco global desconhecido que nenhum setor poderia ter antecipado. Mas, em 2022, novos desafios precisam ser superados para não impedir a construção civil de avançar. Segundo Bruno Fabbriani, CEO da Incorporadora BFabbriani, apesar do segmento se mostrar aquecido, juros altos, ano eleitoral, guerra e falta de insumo são algumas das principais preocupações dos empresários atualmente.

De acordo com Fabbriani, os quatro principais desafios para o mercado da construção a serem superados em 2022 são:

  1. O custo crescente de matérias-primas e equipamentos
    O rápido aumento dos preços dos produtos de petróleo e gás provocado pelo ataque russo à Ucrânia continua ameaçando a recuperação global, afetando também os custos para a construção. Isso porque a demanda por materiais e suprimentos segue aquecida, mas a distribuição foi afetada, fator que impacta diretamente a disponibilidade e o preço das matérias-primas e dos equipamentos.
  2. Juros altos e ano eleitoral
    Alta dos juros que, em março, atingiu 11,75% ao ano e já aponta para 12,75%, segundo indicações do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, desestimulam os negócios. Além disso, investidores tendem a agir com mais cautela em ano eleitoral, reduzindo o ritmo das atividades econômicas de forma geral.
  3. Contratar e reter pessoal qualificado
    A indústria da construção civil no Brasil criou aproximadamente 76 mil novos postos de trabalho somente no primeiro bimestre do ano. Embora as oportunidades de emprego no segmento estejam em ascensão, a baixa oferta de mão de obra pode estagnar o setor. A rotatividade de pessoal e a falta de qualificação continua sendo um dos desafios mais significativos para as construtoras.
  4. Manter-se atualizado com as novas tecnologias
    O aproveitamento de novas tecnologias permite que as incorporadoras melhorem os processos operacionais otimizando tempo e recursos, resultando em maior desempenho do projeto de construção com visibilidade quase em tempo real do andamento. Mas isso envolve custos que nem todas conseguem arcar.

Para o CEO da Incorporadora BFabbriani, todos os anos há uma série de desafios para diferentes indústrias ao redor do mundo. A da construção não é exceção. Mas, apesar das dificuldades, há também muitas oportunidades.

“Sabemos que ainda há questões que, por muitas vezes, impactam fortemente o segmento. Mas vemos também um movimento crescente de otimismo entre os empresários, que estão revisando seus negócios e implementando novas estratégias com objetivo de beneficiar a todos os envolvidos e manter o setor aquecido mesmo diante das dificuldades”

explica.
Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Confiança da Construção recua -0,2 ponto em janeiro

Guia do Investidor

VGV do setor da Construção cresce 5,47% no 3º trimestre de 2023

Guia do Investidor

Altas e baixas: Construtoras se destacam na bolsa após temporada de resultados

Leonardo Bruno

Inicio do pesadelo? Ações de construtoras desambam após prévia do 3T23

Leonardo Bruno

Vendas de cimento têm queda acumulada no ano

Guia do Investidor

INCC-M varia 0,24% em agosto, aponta FGV IBRE

Guia do Investidor

Deixe seu comentário