Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Banco Central vê incerteza maior sobre meta fiscal e defende busca firme pelo objetivo

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Na recente ata do Comitê de Política Monetária (Copom), o Banco Central expressou preocupação com o aumento da incerteza em relação à capacidade do governo em atingir as metas fiscais propostas. Esta situação foi identificada como uma fonte de risco ampliada para a economia.

Riscos crescentes na execução das metas fiscais

O Copom destacou que a incerteza fiscal inicialmente estava centrada na execução das metas propostas. No entanto, o documento ressalta que, em um período recente, a incerteza se ampliou, não somente em relação à execução, mas também à própria meta estabelecida para o resultado fiscal. Isso resultou em um aumento do prêmio de risco.

O Banco Central reiterou a importância da busca firme e determinada pelos objetivos fiscais estabelecidos. Assim, a incerteza em torno da capacidade do governo em cumprir as metas traz consigo riscos adicionais para a estabilidade econômica.

Efeitos do aumento da incerteza fiscal

A incerteza em relação à meta fiscal e sua consecução afeta a confiança dos investidores, impacta as decisões de gastos do governo e pode levar a ajustes nos juros e na política monetária, afetando a economia como um todo.

Dessa forma, o aumento do prêmio de risco revela preocupações do mercado sobre a solidez e a viabilidade das políticas fiscais, refletindo tensões econômicas que podem se traduzir em instabilidade nos mercados financeiros.

Leia mais  Indicações ao BC devem ser votadas na semana de 11 a 15/12; entenda

Importância da estabilidade fiscal para o cenário econômico

A estabilidade fiscal é essencial para um ambiente econômico saudável, impactando a confiança dos investidores, as taxas de juros e a condução da política monetária. A busca incansável pelos objetivos fiscais é crucial para sustentar essa estabilidade.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

Portanto, o alerta sobre a incerteza em relação às metas fiscais serve como um chamado à ação para um comprometimento sólido na gestão fiscal. É vital que o governo adote estratégias claras e eficazes para alcançar as metas propostas, garantindo, assim, a confiança necessária para o crescimento econômico sustentável.

Rumos da Selic: avaliações do Banco Central e o risco fiscal em Foco

Nesta semana, o Comitê de Política Monetária (Copom) reunirá para determinar os próximos passos da taxa Selic. A expectativa é que o Banco Central mantenha a sequência de cortes, reduzindo a taxa básica de juros em 0,50 ponto percentual, alcançando um patamar de 12,25% ao ano.

Leia mais  Alta da taxa de juros: quais os efeitos para o mercado? Veja levantamento

O Santander ressalta a intenção inicial do Copom de manter uma consistente redução de 0,50 pontos percentuais nas próximas reuniões, seguindo um plano de flexibilização estável. Essa expectativa está em linha com o consenso dos analistas e com o que está precificado no mercado financeiro.

Contudo, economistas alertam que o Banco Central pode reconsiderar esses cortes, dependendo das perspectivas de inflação e do cenário fiscal do país.

O Relatório Focus, divulgado nesta segunda-feira (30), apontou um aumento nas projeções para as taxas de 2024 e 2025. O economista André Perfeito salienta que as expectativas de uma Selic a 9% para o próximo ano parecem muito conservadoras e sugere que a taxa de juros básica termine seu ciclo de redução em 10,75%.

Três pontos cruciais para o Banco Central avaliar antes de uma redução na Selic

Cenário internacional e seu impacto: O ambiente global se deteriorou rapidamente desde a última reunião do Banco Central. Eventos como o conflito entre Israel e Hamas aumentaram a preocupação, especialmente em relação aos preços do petróleo e suas implicações na inflação global.

Influência do Federal Reserve e dos rendimentos dos Treasuries: As ações do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, podem afetar o cenário econômico nacional. O comportamento dos investidores estrangeiros também é relevante, pois costumam voltar-se para países desenvolvidos caso estes apresentem taxas de juros mais atraentes. Além disso, alterações nos rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA têm atingido níveis recordes nos últimos anos.

Inflação e expectativas futuras: Embora a inflação atualmente esteja auxiliando na redução dos juros, as projeções futuras apresentam preocupações. A expectativa é que os preços voltem a pressionar, sinalizando um possível descumprimento das metas fiscais e uma postura menos restritiva do Copom.

Risco fiscal e suas considerações finais

A declaração do presidente Lula sobre a dificuldade em atingir a meta de zerar o déficit público em 2024 acrescenta uma camada de preocupação em relação ao cenário fiscal do país.

Leia mais  Alerta vermelho: dívida do Brasil pode chegar a 90% do PIB

Portanto, o desfecho da reunião do Copom será aguardado com atenção, considerando os desafios econômicos e fiscais tanto nacionais quanto internacionais. Afinal, as decisões tomadas terão repercussões significativas na economia do país e no comportamento dos mercados financeiros nos próximos meses.

Receita Federal identifica aumento expressivo na movimentação de stablecoins no Brasil

A Receita Federal identificou um expressivo aumento na circulação de stablecoins no país, apontando para um crescente uso desses criptoativos, que mantêm sua paridade com moedas fiduciárias, especialmente o dólar, facilitando sua adoção como meio de pagamento.

Dentre as stablecoins em destaque, o Tether (USDT) se sobressai, registrando um volume acumulado de 271 bilhões nos últimos quatro anos. Esse valor é quase o dobro do movimento contabilizado para o Bitcoin. Então, considerando apenas os dados parciais de 2023, a Receita Federal revelou que 80% da movimentação de criptomoedas está relacionada ao USDT.

A atenção da Receita Federal para esse aumento de circulação destaca a importância de monitorar o crescimento e a influência das stablecoins no cenário financeiro do Brasil. Assim, o relatório sinaliza uma tendência crescente no uso desses ativos, possivelmente motivada pela paridade com moedas fiduciárias e seu impacto direto no mercado de criptomoedas.

Busca da Receita Federal

O estudo da Receita Federal realça a necessidade de uma análise mais profunda sobre as implicações, os riscos e os impactos econômicos desse movimento. Afinal, a avaliação desses criptoativos é essencial para garantir a segurança nas operações financeiras, evitando possíveis atividades suspeitas ou ilegais.

Portanto, a vigilância das stablecoins são cruciais para identificar possíveis movimentações e promover uma regulação mais eficaz no contexto das criptomoedas no Brasil.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Mercado se preocupa com Mantega ou Mercadante no comando do BC

Márcia Alves

Ibovespa dispara com alta do setor de commodities

Rodrigo Mahbub Santana

Risco da sujeição do Presidente do BC ao presidente da República

Autor Convidado

Brasil registra mais um déficit em conta corrente

Márcia Alves

Irresponsabilidade Fiscal no Governo e mais: confira o resumo do dia

Rodrigo Mahbub Santana

Economistas estão preocupados com crescente inflação no Brasil

Paola Rocha Schwartz

Deixe seu comentário