Guia do Investidor
novo logo casas bahia
Notícias

Casas Bahia pode perder R$ 9 bilhões em processos na justiça

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

A varejista brasileira Casas Bahia (BHIA3), com dívida bruta de quase R$ 4 bilhões e caixa de R$ 3,6 bilhões. Especulações de fechamento de 70 lojas para reduzir custos, após um prejuízo líquido de R$ 2,6 bilhões em 2023.

Resultando em uma diminuição de 6,5% no número total de lojas. O Ebtida ajustado, somou R$ 1,240 bilhão em 2023, abaixo dos R$ 2,382 bilhões de 2022.

Auditores identificaram que demandas judiciais no valor de R$ 9 bilhões não estão provisionadas no balanço, devido à avaliação da diretoria, respaldada por assessores jurídicos internos e externos. Eles destacaram um prognóstico de perda possível, indicando a necessidade de complementar a provisão. A Casas Bahia classifica os processos conforme o risco de perda, considerando evidências, hierarquia das leis, jurisprudência e decisões recentes nos tribunais.

Leia mais  Ações da Casas Bahia e impactos Desoneração da Folha: Confira o resumo do dia

Dívidas Casas Bahia

No quarto trimestre, a varejista encerrou com endividamento bruto de R$ 3,982 bilhões e posição de caixa, cartões de crédito e outros de R$ 3,580 bilhões.

O caixa líquido ficou negativo em R$ 403 milhões, em comparação com um saldo positivo de R$ 2,016 bilhões no mesmo período do ano anterior. O endividamento total no curto prazo atingiu 59%, comparado a 42% no ano anterior, enquanto o endividamento total de longo prazo foi de 41%, contra 58% no quarto trimestre do ano anterior.

No primeiro trimestre de 2024, a empresa realizou um alongamento do perfil da dívida no valor de R$ 1,5 bilhão, com prazo de 3 anos e custo de CDI + 4% a.a., além de uma carência de 18 meses.

A EY considerou “aceitáveis” os critérios e premissas adotados pela diretoria para estimativas das provisões para demandas judiciais trabalhistas, cíveis e tributárias. No final de 2023, o grupo provisionou R$ 2,4 bilhões para processos judiciais.

Em dezembro, o grupo manteve uma provisão de R$ 1,8 bilhão para processos trabalhistas, contudo, atribuída à rotatividade normal de negócios e ações reestruturantes recentes. Portanto, o índice de rotatividade de pessoal em 2023 atingiu 30,3%, superior aos 25,8% de 2022. Grandes instituições financeiras monitoram de perto o risco de crédito da Casas Bahia, devido à securitização das receitas futuras das vendas por cartão de crédito.

Leia mais  BHIA3 e MGLU3: As piores ações da Bolsa?

Diversas instituições financeiras, como Bradesco, Safra, Banco do Brasil, Daycoval e BTG Pactual, apoiam as vendas financiadas da varejista por meio de operações de repasse.

O grupo, portanto, mantém uma parceria com o Bradesco para oferecer cartões de crédito e produtos financeiros em suas lojas e sites, com contrato válido até novembro de 2032. Em 2023, as Casas Bahia reduziram em 30% os gastos com marketing e em 42% os cargos de alta liderança.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais  Dólar dispara com aversão ao risco

Leia mais

Dólar dispara com aversão ao risco

Márcia Alves

Casas Bahia registra prejuízo de R$ 261 milhões no 1T24

Márcia Alves

Justiça suspende anulação do projeto de privatização da Sabesp

Rodrigo Mahbub Santana

Ibovespa sobe e dólar cai após sinalizações do Fed

Rodrigo Mahbub Santana

Ações da Casas Bahia e impactos Desoneração da Folha: Confira o resumo do dia

Rodrigo Mahbub Santana

Ibovespa sobe com Vale e Casas Bahia; Mercado de olho no Fed

Rodrigo Mahbub Santana

Deixe seu comentário