Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Dividendos (PETR4): mudanças devem afetar a distribuição de proventos da marca

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

O mercado financeiro ficou agitado com a recente decisão do conselho de administração da Petrobras (PETR4) de aprovar mudanças em seu estatuto social. Duas questões centrais nesse debate são o pagamento de dividendos e a governança corporativa da empresa. Essas mudanças, que ainda devem ser submetidas à Assembleia Geral Extraordinária (AGE), levantam preocupações, mas será que os proventos da Petrobras estão realmente ameaçados?

As mudanças propostas

A proposta inclui a criação de uma reserva de remuneração do capital e a remoção de algumas restrições à nomeação de executivos, conforme descrito na Lei das Estatais. A criação dessa reserva de remuneração visa assegurar os pagamentos aos acionistas, incluindo dividendos, juros sobre capital próprio (JCP) e até recompra de ações. Essa medida é vista por alguns analistas como uma forma de facilitar o não pagamento de dividendos acima da política mínima de distribuição.

Até então, havia consenso no mercado em relação ao pagamento de dividendos extraordinários ao fim de 2023, o que gerava expectativas positivas entre os investidores. Contudo, com as novas informações, alguns questionam os fundamentos desse investimento e a probabilidade de não mais receberem esses dividendos extraordinários.

Cenário atual

Apesar das incertezas em torno das mudanças propostas, o cenário para a Petrobras em 2023 ainda é visto como positivo. No primeiro semestre do ano, a Petrobras foi a petroleira que mais pagou dividendos aos acionistas globalmente, somando um volume de proventos de US$ 10,9 bilhões.

No entanto, o aumento nos preços internacionais do petróleo, impulsionado por eventos geopolíticos como o conflito entre Israel e o Hamas, gera preocupações. O preço médio do barril subiu para cerca de US$ 90, e há receios de que possa atingir os US$ 100. Essas preocupações estão relacionadas a questões macroeconômicas, como inflação e taxas de juros.

Leia mais  Petrobras (PETR4) recebe indicação de Jean Paul Prates como futuro presidente

Projeções e perspectivas

Diversos analistas fazem projeções para o desempenho da Petrobras em 2023. A XP Investimentos e a Levante estimam que o lucro da Petrobras atingirá R$ 95 bilhões ao final do ano, com um dividend yield esperado de 15%. O dividend yield é um indicador que relaciona os pagamentos de dividendos em doze meses com o preço da ação.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

Analistas do Bradesco BBI, como Vicente Falanga e Gustavo Sadka, afirmam que a criação da reserva de capital era uma medida necessária para a Petrobras, visto que a legislação societária brasileira imporia a empresa a pagar cerca de 95% de seu resultado final sem essa reserva, o que seria inviável.

Eles acreditam que a Petrobras seguirá o modelo da Vale, onde a reserva de capital corresponde a até 50% do resultado final, limitado ao capital integralizado. Espera-se que mais informações sobre essas mudanças sejam divulgadas antes dos resultados do quarto trimestre de 2023, previstos para fevereiro ou março do próximo ano.

Portanto, as mudanças propostas no estatuto da Petrobras geraram preocupações no mercado, especialmente no que diz respeito aos dividendos. No entanto, o cenário para a empresa em 2023 ainda é positivo, com a expectativa de lucros consideráveis. O desafio será equilibrar as demandas dos acionistas com as exigências legais e as incertezas do mercado global de petróleo. Os investidores estão atentos a novas informações que possam esclarecer o impacto dessas mudanças nas perspectivas de dividendos da Petrobras.

Leia mais  Sexta-feira Negra: Petrobras derrete em meio a correções do mercado

Proposta de alteração no estatuto da Petrobras levanta preocupações

A proposta de alteração no estatuto social da Petrobras (PETR3, PETR4) tem gerado preocupações no mercado e entre os especialistas em finanças. Então, Charles Putz, conselheiro de administração do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças de São Paulo (Ibef-SP), ressaltou que essa mudança potencial traz consigo o risco de abuso de controle acionário e desvio de propósito.

Preocupações com a proposta

Posteriormente, a principal preocupação é que a proposta de alteração pode permitir mudanças na estrutura de controle da empresa sem a devida consideração dos acionistas minoritários. Putz adverte que quando o controlador busca fazer tais alterações sem o consentimento dos acionistas minoritários, há um risco de desvio dos propósitos da empresa.

Neste caso específico da Petrobras, as preocupações se concentram em questionar se as motivações por trás da proposta visam proteger e melhorar a empresa, ou se estão servindo a conveniências políticas momentâneas e agradando a determinados políticos.

A implementação da Lei das Estatais ocorreu após grandes escândalos de corrupção que tiveram um impacto significativo no cenário empresarial brasileiro. Um dos principais objetivos era evitar indicações incoerentes para cargos nos conselhos e diretorias, com a Petrobras sendo uma das mais afetadas por esses escândalos.

Propósito da mudança no estatuto

Putz também destaca que há falta de clareza sobre o propósito da mudança no estatuto da Petrobras e como utilizará a reserva de capital proposta. Ele levanta dúvidas sobre a necessidade dessa reserva e expressa receios de que ela possa ser usada de maneira contrária ao interesse público.

Afinal, a principal preocupação, é que as alterações não atendam aos interesses dos acionistas, mas sim para fins políticos e conveniências momentâneas.

A proposta de alteração no estatuto da Petrobras levanta preocupações sobre a possível erosão da governança corporativa e a interferência política nas operações da empresa. Enquanto as discussões continuam, é fundamental garantir que as ações estejam alinhadas com os interesses da Petrobras. Assim, a clareza, transparência e consideração dos acionistas minoritários são essenciais para preservar a integridade da governança corporativa.

Leia mais  STF prorroga prazo para Petrobras (PETR4) prestar informações sobre preço dos combustíveis

O retorno da Petrobras ao mercado de fertilizantes

Petrobras (PETR4) está considerando um retorno estratégico ao mercado de fertilizantes. No entanto, esse movimento não depende apenas de decisões empresariais, mas sim de uma sólida política de Estado. Então, exploraremos o significado desse retorno e o papel fundamental que a política governamental desempenha nesse contexto.

A produção de fertilizantes é de importância crítica para a agricultura, um pilar da economia brasileira. A princípio, os fertilizantes são essenciais para melhorar a produtividade agrícola e garantir a segurança alimentar. Portanto, a entrada da Petrobras nesse mercado é uma medida estratégica com implicações profundas para o Brasil.

Vantagens para a economia e agricultura

Em suma, o retorno da Petrobras aos fertilizantes não apenas fortalecerá a segurança alimentar do país, mas também tem o potencial de impulsionar a economia. Assim, envolve a geração de empregos, aumento das exportações e a redução da dependência de importações de fertilizantes.

Antes de mais nada, é importante que o Brasil mantenha um compromisso com a sustentabilidade. Em conclusão, isso engloba na promoção de práticas agrícolas sustentáveis e a minimização dos impactos ambientais da produção de fertilizantes.

Dessa forma, é uma oportunidade estratégica para o Brasil. No entanto, para que isso seja bem-sucedido e benéfico para a economia e a agricultura do país, é essencial uma política de Estado sólida que apoie e oriente essa iniciativa. Logo o governo desempenha um papel fundamental ao criar um ambiente favorável para o setor de fertilizantes, garantindo que esse retorno seja um sucesso sustentável.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Ibovespa sobe e dólar reage às expectativas do Fed

Rodrigo Mahbub Santana

Governo deve receber “ajuda” de R$ 20 bilhões da Petrobras

Márcia Alves

Petrobras anuncia indicações para novos diretores

Rodrigo Mahbub Santana

Ibovespa fecha em queda de 0,31% após dia de volatilidade

Rodrigo Mahbub Santana

Produtora de filiado ao PT captou R$ 3 milhões da Petrobras

Paola Rocha Schwartz

Ibovespa abre em queda impulsionado por Eletrobras e frigoríficos

Paola Rocha Schwartz

Deixe seu comentário