Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Dólar sobe após relatório fiscal e preocupações com a economia chinesa

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

O dólar sobe após relatório do arcabouço fiscal e sinais de desaceleração na economia chinesa.

O dólar à vista registrou alta nesta terça-feira, corrigindo uma tendência de baixa após cinco sessões. A moeda foi pressionada pelo relatório do arcabouço fiscal e por dados econômicos fracos da China.

O relatório de Cláudio Cajado sobre o novo arcabouço fiscal aumentou a percepção de risco fiscal, enquanto a desaceleração da atividade industrial e varejista na China intensificou as preocupações sobre a economia global.

Esses fatores, juntamente com o debate sobre o teto da dívida dos EUA, levaram a uma valorização do dólar contra as moedas dos países produtores de commodities.

Dólar registra alta em meio a tensões fiscais internas e sinais de desaceleração da economia chinesa

O dólar à vista encerrou em alta nesta terça-feira, interrompendo uma sequência de cinco sessões em baixa. O movimento de correção foi influenciado pela alta da moeda no exterior e pela piora na percepção de risco fiscal após a divulgação do relatório de Cláudio Cajado sobre o novo arcabouço fiscal.

Leia mais  Rodovias licitadas em SP receberão investimentos de R$ 4,3 bilhões

Dados fracos de atividade industrial e do varejo na China reforçaram as preocupações de desaceleração da segunda maior economia do mundo.

Isso contribuiu para a perda de valor das moedas dos países produtores de commodities frente ao dólar. A consultoria Capital Economics previu que a recuperação pós-pandemia da China vai se esgotar no segundo semestre.

No cenário doméstico, investidores expressaram frustração com o relatório final do arcabouço fiscal, que não trouxe a possibilidade de corte proporcional à frustração de receita nem crime de responsabilidade.

A avaliação é de que o relatório veio melhor que o texto original da Fazenda, mas, comparado à Lei de Responsabilidade Fiscal, ainda é mais flexível.

O dólar à vista fechou em alta de 1,12%, a R$ 4,9428, após oscilar entre R$ 4,8871 e R$ 4,9542. Às 17h, o dólar futuro para junho subia 0,94%, a R$ 4,9565.

No mercado internacional, o índice DXY tinha alta de 0,20%, aos 102,6 pontos. O euro caía 0,11%, a US$ 1,0863. E a libra perdia 0,37%, a US$ 1,2482. As moedas internacionais também sentiram o impacto da incerteza em torno das discussões sobre o teto da dívida americana.

Leia mais  Aluguéis residenciais ficam 1,76% mais caros em agosto, aponta FGV

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Contas externas têm saldo negativo de US$ 2,52 bilhões em abril

Agência Brasil

Pessoas físicas doam R$ 35 mi do IR para fundos do RS

Agência Brasil

Deterioração da economia deve parar queda da Selic

Márcia Alves

Governo sobretaxa misturas no aço usadas para burlar punições

Agência Brasil

ByeBye Privatização: Petrobras cancela privatização 5 refinarias

Agência Brasil

Mais de 30 mi de contribuintes já entregaram declaração do IR

Agência Brasil

Deixe seu comentário