Guia do Investidor
DSC 0097 600x468 1
Preço-Alvo

ESPA3 Comprar ou Vender? Ações Espaçolaser valem a pena?

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

  • A ação da Espaçolaser (ESPA3) é compra agora?
  • A resposta é sim, segundo o BTG Pactual;
  • O Banco de investimento considera a empresa em um setor estratégico, e com ótimos indicadores operacionais.

A principal rede do segmento de depilação a laser do Brasil e do mundo, a Espaçolaser (ESPA3), vem conquistando seu espaço também no mercado de capitais. E isto, claro, não é sem fundamento, já que a companhia vem merecidamente se destacando com uma proposta atual e com grandes margens de lucro e crescimento.

Mas será que é a hora ideal para comprar ou de vender esse ativo? O BTG Pactual resolveu tirar a prova desta ação, e elaborou uma análise completa relacionada a este ativo. Assim, confira agora se é hora de comprar ou vender ESPA3!

Leia mais  IPO da All Park: vale a pena investir?

Quem é a Espaçolaser?

Primeiramente, você pode estar se perguntado, o que é essa empresa? Então vamos elaborar um breve resumo das atividades desta companhia. A Espaçolaser é uma empresa que atua no setor de estética e é especialista no segmento de depilação a laser. A companhia iniciou suas operações ainda em 2004, e já conta com mais de 650 unidades espalhadas por toda a America Latina. Assim, desde sua fundação, a empresa já atendeu mais de 3 milhões de clientes, realizando mais de 36 milhões de procedimentos.

No entanto, a força de presença de mercado, não é o único atrativo da companhia. Por isso, o BTG Pactual elaborou outros 4 motivos para você comprar esta ação, confira agora!

ESPA3: é hora de comprar ou vender? Para o BTG, comprar

O primeiro dos motivos destacados, é a liderança da empresa no segmento de serviços de depilação a laser. É claro que existe concorrência, mas a Espaçolaser deve se manter competitiva com a abertura de novas lojas.

Vemos cerca de 160 novas lojas/ano até 2025, garantindo ganhos de participação em um setor ainda fragmentado“.

BTG, em relatório.

Além disso, a corretora ainda destaca outro importante ponto em sua tese de investimento: os retornos atraentes da companhia. Afinal, segundo a análise do BTG, as lojas maduras têm em média aproximadamente 50% de margem Ebitda e cerca de 55% de ROIC (retorno sobre capital investido).

Leia mais  A novela entre Americanas e BTG está longe de acabar?

Outro ponto que faz brilhar os olhos da corretora, é o potencial de crescimento a empresa, mesmo já sendo líder de mercado. A companhia tem um modelo de crescimento flexível, assim, conta com lojas próprias e franquiadas para aumentar sua captação de lucro. Este crescimento ainda, conta com o auxílio de um mercado que ainda está amadurecendo, e que deve possuir altas taxas de crescimento nos próximos anos.

Por fim, o último ponto-chave é a retomada econômica. O “Crash do covid” afetou principalmente companhias que ofereciam serviços considerados não essenciais, e as restrições afetaram diretamente este setor de estética. Assim, segundo o BTG, a companhia já está em cima da prancha, para surfar a onda da retomada econômica.

Negociando a 25 vezes P/L (preço sobre lucro) para 2022 e 30% CAGR (taxa de crescimento anual composta) de LPA (lucro por ação) para 2021-25, a Espaçolaser é uma opção atraente para investidores que buscam exposição à recuperação no segmento de varejo do Brasil”.

BTG, em relatório.

Assim, a equipe mantém recomendação de compra e preço-alvo de R$ 23 para 2022.

Leia mais  Lucro de R$ 1,7 bilhão não impressiona no resultado 4T22 do BTG Pactual
Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Resultado 4T23: COGNA (COGN3) – vale a pena ter suas ações?

Paola Rocha Schwartz

URGENTE: CEO da Espaço Laser renuncia ao cargo

Rodrigo Mahbub Santana

BTG Pactual (BPAC11) adquire 100% de participação da Signal Capital

Guia do Investidor

Alta na ação e nos dividendos? BTG renova aposta na Petrobras

Leonardo Bruno

O pior? BTG lidera lista de reclamações do setor bancário

Leonardo Bruno

As melhores ações de Dividendos para Janeiro

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário