Guia do Investidor
Foto/Reprodução
Notícias

Fechamento do Câmbio: Dólar fecha em leve alta

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

  • Dólar à Vista: Fechou o pregão cotado a R$ 5,0741, uma alta de 0,08%, após a moeda recuar 2,36% nos dois pregões anteriores devido à expectativa de corte nos juros nos EUA.
  • Oscilações: A cotação oscilou entre R$ 5,0918 e R$ 5,0608, refletindo ajustes moderados no mercado.
  • Incertezas Domésticas: As enchentes no Rio Grande do Sul e a aguardada decisão do Copom aumentam a cautela, com investidores preocupados com possíveis gastos públicos e pressões inflacionárias.
  • Medidas de Apoio: Rodrigo Pacheco sugere uma PEC para liberar recursos ao Rio Grande do Sul, enquanto Lula anuncia um PDL para permitir a liberação de créditos extraordinários fora da meta de resultado primário.
  • Cenário Internacional: O índice DXY, que mede o desempenho do dólar frente a seis moedas, subiu ligeiramente devido às perdas do iene. O aumento nos preços das commodities e a queda nas taxas das Treasuries impulsionaram as moedas emergentes, mas os ganhos foram reduzidos ao final do dia.
Leia mais  Crise no Rio Grande do Sul pode impactar mercado de Fundos

O dólar à vista fechou o pregão cotado a R$ 5,0741, avançando 0,08% em meio a um cenário de instabilidade e trocas de sinais. Operadores relataram que os investidores realizaram ajustes moderados após a moeda americana recuar 2,36% nos dois pregões anteriores, influenciada pela perspectiva de cortes nos juros nos Estados Unidos ainda este ano. Apesar da queda do dólar em relação a moedas comparáveis ao real, especialmente na América Latina, as incertezas no cenário doméstico limitaram o avanço da moeda brasileira.

Destaques do Mercado:

  • Incertezas no Cenário Doméstico: Investidores avaliaram os possíveis impactos econômicos das enchentes no Rio Grande do Sul, que devem elevar os gastos públicos e pressionar a inflação no curto prazo. A decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, marcada para esta quarta-feira, 8, trouxe mais cautela ao mercado, resultando em variações modestas no câmbio. A cotação do dólar oscilou entre uma máxima de R$ 5,0918 e uma mínima de R$ 5,0608. Os contratos futuros para junho registraram um volume inferior a US$ 10 bilhões, atípico para uma segunda-feira.
  • Medidas de Apoio: O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, sugeriu a aprovação de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), inspirada nas medidas adotadas durante a pandemia, para liberar recursos ao Rio Grande do Sul. O presidente Lula anunciou um Projeto de Decreto Legislativo (PDL) que prevê recursos para apoiar a recuperação do estado, permitindo a liberação de créditos extraordinários fora da meta de resultado primário.
  • Cenário Internacional: O índice DXY, que mede a força do dólar em relação a seis moedas, apresentou uma leve alta devido às perdas do iene. O euro e a libra tiveram ganhos modestos em relação ao dólar. O aumento dos preços das commodities, como minério de ferro, e a queda nas taxas das Treasuries impulsionaram a maioria das moedas emergentes, embora os ganhos tenham sido reduzidos ao final do dia.
Leia mais  Juros futuros caem com baixa nos Treasuries e dólar mais fraco

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Dólar dispara e atinge os R$ 5,56 com preocupações fiscais

Paola Rocha Schwartz

Dólar sobe após falas de Lula: “Povo pobre não compra dólar”

Paola Rocha Schwartz

Ibovespa abre novamente com alta e ativos continuam subindo

Paola Rocha Schwartz

Dólar opera em queda nesta sexta, devido à inflação nos EUA

Paola Rocha Schwartz

Dólar recupera e supera R$ 5,50 após breve alívio de dois dias

Paola Rocha Schwartz

Campos Neto, alvo de Lula, sai de férias

Márcia Alves

Deixe seu comentário