Guia do Investidor
magazine luiza magalu pesquisa
Resultados

Investidores ignoram prejuízo de R$ 135 milhões no 2T22 da Magazine Luiza? Ação dispara 18%

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Se a situação da Magazine Luiza no mercado de capitais já preocupava o mercado, uma nova preocupação parece ter surgido. O mercado esperava para ver o desempenho operacional da companhia, para reverter o momento negativo dos papéis. No entanto, os dados vieram aquém do esperado.

A Magazine Luiza (MGLU3) registrou um prejuízo líquido de R$ 135 milhões no segundo trimestre de 2022, revertendo o lucro de R$ 89,1 milhões do mesmo período do ano passado.

O desempenho, em parte, reflete o recuo da receita líquida da varejista, que caiu 5% na base anual, para R$ 8,5 bilhões. A receita bruta caiu na mesma porcentagem, chegando a R$ 10,3 bilhões, impactada, de acordo com a companhia, pelo menor volume de vendas nas categorias bens duráveis.

Leia mais  Novo Recorde de Receita: Confira os destaques do Mercado Livre no resultado 2T22

O lucro bruto do Magazine Luiza, no entanto, aumentou 6,3% no ano, para R$ 2,4 bilhões, explicado pelo salto de 3 pontos percentuais da margem bruta, para 28,6%, pouco acima do consenso de 28%.

“Desde o começo do ano temos comunicado ao mercado que o cenário mudou e que ajustaríamos a operação a esse momento. Repassamos inflação de custo, repassamos o aumento da taxa de juros”, explica Vanessa Papini Rossini, gerente de Relações com Investidores da varejista, sobre a alta.

Segundo a companhia, a alta, porém, se deu, principalmente, por conta de uma maior receita de serviços provinda do marketplace.

De acordo com Rossini, a companhia vem avançando em se tornar um hub de serviços para as lojas parceiras – oferecendo logística, lucrando com custo transacional e também disponibilizando o serviço de antecipação de recebíveis. Com isso, tem avançado em sua receita provinda deste braço.

“O seller está vendendo parcelado, a duas, três vezes, e a gente fornece o valor à vista para o vendedor. Isso é muito importante para essas empresas, pois é uma forma de se financiar o capital de giro das operações. E fazemos isso com um custo competitivo”, explica.

O fim da esperança? Não para o mercado

Se o prejuízo ainda traz preocupações para a Magalu, seus investidores parecem não pautar a mudança. As ações da companhia disparam nesta sexta-feira, em alta de 18,75% em máxima nesta tarde.

image 103

O mercado aproveita o desempenho operacional aliado com a deflação da economia brasileira para voltar a colocar entre seus ativos as ações de varejo no último pregão da semana.

Leia mais  Furada ou precinho? Descubra se é hora de comprar ações da Magalu após queda de 22%

Em cenário semelhante, os papéis da Via (ex-Via Varejo) dona das marcas Casas Bahia e Ponto, também opera em alta robusta nesta sexta-feira, em alta de 15%, cotada a R$ 3,21.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Ações da Petrobras despencam após demissão de Prates

Rodrigo Mahbub Santana

Ibovespa fecha com leve alta em meio a cautela do Banco Central

Rodrigo Mahbub Santana

Ibovespa cai com inflação acima do esperado

Rodrigo Mahbub Santana

Ibovespa sobe e dólar cai após sinalizações do Fed

Rodrigo Mahbub Santana

Ibovespa fecha abril em queda devido a cautela antes de decisão do Fed

Rodrigo Mahbub Santana

Mercado reage a sinais de desaceleração nos EUA

Rodrigo Mahbub Santana

Deixe seu comentário