Guia do Investidor
IRB 1
Notícias

IRB(Re) registra lucro líquido de R$ 79,1 mi no 1T24

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

 O valor apurado nos três primeiros meses do ano é maior que o reportado um ano antes, R$ 8,6 milhões.

Na segunda-feira (13), o IRB(Re), empresa privada de capital aberto, registrou um lucro líquido de R$ 79,1 milhões no 1T deste ano, obtendo um crescimento de quase 10 vezes em relação ao resultado líquido do mesmo período do ano passado.

A empresa reportou um resultado de underwriting positivo em R$ 122,4 milhões, ante resultado positivo de R$ 3,7 milhões no 1T23, que foi decorrente de melhora em praticamente todos os segmentos. Já o resultado de subscrição do IRB(Re) também avançou e fechou o 1T24 positivo em R$ 122,4 milhões, ante R$ 3,7 milhões no 1T23.

A linha rural registrou o maior resultado nominal, com R$ 74,1 milhões no 1T24. Percentualmente, o maior crescimento foi verificado na linha patrimonial: 209,9%, de R$ 16 milhões no 1T23 para R$ 50,1 milhões no 1T24. Vale destacar que o resultado de subscrição no Brasil passou de R$ 15,8 milhões, no 1T23, para R$ 169,4 milhões positivos, no 1T24. Já no exterior, no 1T24, o resultado de subscrição foi negativo em R$ 47 milhões, ante R$ 12,1 milhões negativos no 1T23.

O prêmio emitido total do IRB caiu 19,1% na base anual, para R$ 1,440 bilhão no primeiro trimestre. O prêmio emitido no Brasil somou cerca de R$ 1,060 bilhão no período, aumento de 5,3% na comparação com o mesmo período de 2023, em linha com a estratégia de foco no mercado local. Os segmentos Patrimonial e Rural impactaram o volume de prêmios emitidos. Já o prêmio emitido no exterior foi de R$ 379,9 milhões no 1T24, com baixa de 34,2% na comparação com o 1T23.

“Sobre o 1T24, reforço que trabalhamos para produzir resultados sustentáveis, no longo prazo, e, mais uma vez, nossos números mostram que estamos evoluindo. Neste início de ano, destaco ainda o pagamento antecipado de R$ 90 milhões, referentes à terceira emissão de debêntures, e o recebimento de precatórios no valor de R$ 277 milhões. Além disso, encerramos o trimestre com 169% de solvência. Vamos seguir controlando os itens que estão sob nossa gestão: preço, despesas e custos”, comenta Falcão, CEO IRB.

Vedação de negociações: IRB(Re) informou Período de Silêncio

IRB Brasil (IRBR3) agendou a divulgação dos resultados financeiros do primeiro trimestre de 2024 para o dia 13 de maio. Após o fechamento dos mercados, seguida de uma teleconferência no dia seguinte, 14 de maio, às 11h. A transmissão, em português, contará com tradução simultânea para o inglês, e os investidores poderão participar da reunião virtual.

Leia mais  Gestores estão decepcionados com Brasil

Por conta disso, a resseguradora entrará em período de silêncio e de vedação à negociação de ações a partir da próxima segunda-feira (29), até o dia 13 de maio. Durante esse intervalo, a empresa estará impedida de comentar informações relacionadas aos resultados do 1T24. Visando garantir a equidade na divulgação de informações, e suas pessoas vinculadas estarão proibidas de negociar valores mobiliários.

“O IRB(Re) estará em Período de Silêncio e de Vedação à Negociação de Ações a partir do dia 29 de abril de 2024 até o dia 13 de maio de 2024, inclusive. Durante este período, a Companhia estará impedida de comentar
informações referentes aos resultados do primeiro trimestre de 2024, buscando a equidade na divulgação de informações, e suas pessoas vinculadas proibidas de negociar valores mobiliários da Companhia.” Indicou o Comunicado Oficial da Companhia.


Leia mais  Israel diz estar aberto a pausas para ajuda e saída de reféns de Gaza
Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Começa consulta a segundo lote de restituição do IR 2024

Agência Brasil

Intenção de consumo das famílias cresce pelo terceiro mês

Agência Brasil

Caixa paga Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 5

Agência Brasil

Segunda emissão de títulos verdes rende US$ 2 bi

Agência Brasil

País tinha 9,4 milhões de empresas em 2022

Agência Brasil

Gestores estão decepcionados com Brasil

Márcia Alves

Deixe seu comentário