Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

IRPF: se restituição não for paga, contribuinte pode ter caído na malha fina

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

A Receita Federal do Brasil paga nesta quinta-feira, 31 de agosto, o 4º lote de restituição do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) 2023. A consulta aos valores já está disponível desde o último dia 24, no site da instituição. Quem não teve os valores debitados em conta bancária deve ficar de olho e checar se é preciso retificar a declaração, ou se o contribuinte caiu na malha fina.

Segundo o professor de Contabilidade da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), Tiago Slavov, existem alguns motivos para o valor da restituição não cair na conta do contribuinte. O primeiro motivo é o preenchimento incorreto dos dados bancários na declaração do imposto.

Se o contribuinte tem “imposto a restituir” e não revisou a informação antes da entrega, deve conferir os dados (por exemplo, se informou um dígito a mais ou a menos, ou a conta de outra pessoa, como cônjuge). Se os dados estão corretos e o banco não processou o depósito, é necessário entrar em contato com a agência bancária e buscar informações sobre o motivo.

“Uma das novidades na entrega da declaração neste ano foi a utilização da Chave Pix, que além priorizar a restituição no cronograma da Receita Federal, pode evitar problemas relacionados com a digitação de dados bancários”, lembra o professor universitário.

Veja as datas de pagamento:

1º lote: 31 de maio (4.129.925 contribuintes; já pago)

2º lote: 30 de junho (5.138.476 contribuintes; já pago)

3º lote: 31 de julho (5.632.036 contribuintes; já pago)

Leia mais  Imposto de Renda 2023: esclareça as principais dúvidas sobre a declaração

4º lote: 31 de agosto

5º lote: 29 de setembro

O pagamento da restituição é realizado na conta bancária informada na Declaração de Imposto de Renda, de forma direta ou por indicação de chave PIX. Se, por algum motivo, o crédito não for realizado (por exemplo, a conta informada foi desativada), os valores ficarão disponíveis para resgate por até 1 (um) ano no Banco do Brasil, podendo o cidadão reagendar o crédito dos valores de forma simples e rápida pelo Portal BB. Caso o contribuinte não resgate o valor de sua restituição no prazo de 1 (um) ano, deverá requerê-lo pelo Portal e-CAC, disponível no site da Receita Federal, acessando o menu Declarações e Demonstrativos > Meu Imposto de Renda e clicando em “Solicitar restituição não resgatada na rede bancária”.

MALHA FINA

Slavov conta que todas as declarações enviadas para a receita federal passam diferentes etapas de auditoria fiscal. Embora conhecida popularmente como “malha fina”, são várias as “malhas” realizadas pela Receita Federal.

A malha de processamento é a primeira análise, quando ocorre a conferência automática da declaração com as informações enviadas por empresas, instituições financeiras, e planos de saúde. Geralmente, após essa etapa a restituição já é liberada. Mas em uma malha posterior, a Receita Federal pode constatar irregularidades e cobrá-las do contribuinte.

Não existe um cronograma pré-definido para as malhas. Assim, o contribuinte deve consultar o “status” da declaração para saber se a sua declaração foi processada. Para isso, acessar o E-CAC, solicitar a opção “Meu Imposto de Renda (extrato da DIRPF)” e na aba “Processamento”, escolha o item “Pendências de Malha”.

“Caso o contribuinte identifique que a declaração retida em malha fiscal tem informações incorretas ou incompletas, elas devem ser retificadas. Para retificar a declaração, o contribuinte acessará o programa do Imposto de Renda e indicar no menu a opção ‘Retificar’. O programa trará os dados da declaração original e permitirá que o contribuinte corrija os dados apresentados”, acrescenta.

A retificação da declaração após o prazo de entrega não permite a troca de tipo de declaração, seja completa ou simplificada. Se o contribuinte descobrir, depois do prazo de entrega, que entregou a declaração “simplificada”, mas era mais vantajoso (menor imposto devido) entregar a declaração “completa”, não poderá alterar essa opção. Também não é possível retificar a declaração se já foi realizada notificação fiscal (procedimento de ofício). Neste caso, deverá atender, via processo eletrônico, as exigências da fiscalização.

Leia mais  IRPF 2023: declarações pré-preenchidas saltam 214%, diz KPMG

Segundo a Receita, 2023 também bateu recorde de uso da declaração pré-preenchida, feito por 24% dos contribuintes, quase 10 milhões de brasileiros.

AINDA DÁ PARA DECLARAR!

Quem perdeu o prazo, se o contribuinte estava obrigado a apresentar a declaração, deve regularizar sua situação rapidamente: a penalidade é de 1% do valor devido do imposto de renda por mês de atraso, limitado a 20% do valor devido. O valor mínimo é de R$ 165,74. O contribuinte que não regularizar a sua situação pode ter ainda ter problemas com o CPF, que ficará com “pendencias” na Receita Federal, limitando o acesso a crédito, concursos públicos, passaporte e até impedi-lo de abrir contas bancárias.

“Por exemplo, se o contribuinte teve uma renda de R$ 100.000 em 2022 e imposto devido de R$ 15.000,00, a multa poderá chegar a R$ 3.000 se chegar a 20 meses de atraso (20 x 1%). Mas se o contribuinte teve um baixo rendimento, a multa ainda é salgada, pois vai pagar R$ 165,74. Ou seja, se teve um rendimento de R$ 50.000 e imposto devido de R$ 2.000, se entregar a declaração no mês de junho pagará uma multa de R$ 165,74. O Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF) para pagamento da multa é gerado no momento que o contribuinte entrega a declaração fora do prazo”.

Leia mais  Prazo para declarar o IR está acabando: você já declarou suas criptos?

O docente lembra que o valor devido não é o valor a pagar ou a restituir, mas o imposto calculado sobre a renda do contribuinte. Além da multa por atraso de entrega, não entregar a declaração também pode fazer o contribuinte ter que pagar multa pelo atraso no pagamento imposto, caso a declaração resulte em “imposto a pagar”. Essa multa é de 0,33% ao dia sobre o valor do imposto, até o limite de 20%, acrescido de juros de 1% mais a taxa Selic proporcional aos meses de atraso.

IRPF 2023

Segundo a Receita Federal do Brasil, 41.151.515 de brasileiros declararam o Imposto de Renda, um recorde histórico. No ano passado foram 36.403.675, o maior número até então. Do total de declarantes, 60,61% dos contribuintes têm imposto a restituir, 19,83% devem pagar tributo e 19,57% não terão valores a receber ou pagar. Segundo a Receita, 2023 também bateu recorde de uso da declaração pré-preenchida, feito por 24% dos contribuintes, quase 10 milhões de brasileiros.

O especialista: Tiago Nascimento Borges Slavov é doutor em Contabilidade pela USP e Mestre em Contabilidade pela FECAP. É professor do Programa de Mestrado em Ciências Contábeis da FECAP e coordenador do Núcleo de Apoio Fiscal e Contábil (NAF) da FECAP.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

IRPF 2024 tem novas regras para criptoativos

Fernando Américo

Recebeu mais de R$ 30.639,90 em 2023? Então leia isto

Fernando Américo

Governo propõe mudanças no IR para impulsionar investimentos na Bolsa

Rodrigo Mahbub Santana

Governo propõe reduzir IR cobrado sobre operações de day trade

Paola Rocha Schwartz

Como declarar imóveis no IRPF 2024

Fernando Américo

IR 2024: Especialista fala sobre investimentos no exterior

Fernando Américo

Deixe seu comentário