Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Itaúsa homologa aumento de capital social e bonificação de ações

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

O cenário corporativo da Itaúsa (ITSA4) passa por uma transformação significativa, com o Conselho de Administração homologando recentemente decisões estratégicas que impactarão diretamente a estrutura de capital da empresa.

Em um movimento alinhado com a visão de expansão e fortalecimento, o Conselho de Administração da Itaúsa concluiu o processo de subscrição particular de 134.923.077 ações escriturais. Dentre essas, 46.366.756 são ordinárias (ON) e 88.556.321 preferenciais (PN), cada uma ao preço de R$ 6,50 por ação. Portanto, as ações subscritas serão prontamente creditadas nas contas dos acionistas até o final da sexta-feira (24).

Elevação do capital social: um passo firme em direção ao crescimento

Além do aumento de capital, a Itaúsa também aprovou a elevação do seu capital social em expressivos R$ 8,812 bilhões. Esse montante será alcançado por meio da capitalização de reservas de lucros e contemplará uma bonificação de 5% em ações. Isso significa que, para cada 100 ações da mesma espécie dos acionistas na posição final do dia 27 de novembro, terão autorização para cinco ações novas.

Leia mais  Itaú (ITUB4) bate recorde e fecha primeiro semestre com crescimento de 64% no segmento de consórcios

A agilidade é uma prioridade nesse processo. As ações subscritas estarão disponíveis nas contas dos acionistas até o final da sexta-feira (24), proporcionando uma transição suave e eficiente. Já as ações bonificadas, resultado da capitalização de reservas, seguirão o mesmo caminho, sendo creditadas no final do dia 29.

Impactos financeiros: novo cenário com capital social de R$ 73,189 bilhões

Com essas decisões, o capital social da Itaúsa experimentará uma notável ampliação, atingindo a marca de R$ 73,189 bilhões. Esse montante expressivo terá uma representação de 3.549.302.243 de ações ordinárias (ON) e 6.778.847.188 de ações preferenciais (PN). Então, essa reconfiguração da estrutura de capital visa fornecer à empresa uma base sólida para enfrentar desafios e oportunidades futuras.

Estratégia para o futuro: resiliência e crescimento sustentável

Dessa forma, o movimento da Itaúsa não apenas visa fortalecer sua posição financeira imediata, mas também evidencia uma estratégia sólida para o futuro. Assim, a bonificação de ações, em conjunto com o aumento de capital, demonstra a resiliência da empresa e sua busca por um crescimento sustentável em um ambiente de negócios em constante evolução.

Portanto, ao homologar o aumento de capital e a bonificação de ações, a Itaúsa posiciona-se como uma protagonista na gestão financeira estratégica. Essas decisões não só refletem a confiança na solidez da empresa, mas também sinalizam um compromisso com a criação de valor para os acionistas e a construção de um futuro financeiro robusto. Afinal, com uma estrutura de capital revitalizada, a Itaúsa está preparada para enfrentar os desafios do mercado e prosperar em um ambiente empresarial dinâmico.

Leia mais  Moody's eleva rating de crédito da Itaúsa e de suas emissões de debêntures

Enel investirá 36 bi de euros até 2026 e será mais seletiva com energias renováveis

A gigante italiana de energia, Enel, revelou seus ambiciosos planos de investir 35,8 bilhões de euros nos próximos três anos, marcando uma abordagem mais cautelosa e estratégica em seus aportes, de acordo com declarações do novo CEO da empresa.

Um dos destaques do novo plano estratégico da Enel é o investimento significativo de aproximadamente 19 bilhões de euros em redes de energia. Essa alocação estratégica reflete o compromisso da empresa em fortalecer e expandir suas infraestruturas, proporcionando uma base sólida para operações futuras.

Energias renováveis sob avaliação: seletividade nos investimentos

Em um movimento que reflete uma abordagem mais seletiva em relação às energias renováveis, a Enel indicou que os investimentos nesse setor serão cuidadosamente ponderados. O plano estratégico reserva 12,1 bilhões de euros para energia eólica em terra, solar e armazenamento de bateria. Essa seletividade demonstra um esforço para otimizar o retorno sobre investimento em projetos de energias limpas.

Leia mais  Itaúsa apresenta resultado do 1T23 e aprova pagamento de JCP

A Enel estabeleceu uma meta ambiciosa de adicionar cerca de 13 gigawatts (GW) de nova capacidade de energia verde em escala global. Essa expansão será realizada não apenas por meio de investimentos diretos, mas também por meio de parcerias estratégicas com outros grupos, fortalecendo a presença da Enel no mercado internacional de energias renováveis.

Foco na Itália: maior aporte no mercado doméstico

O plano estratégico revela um foco significativo no mercado italiano, com 49% do Capex bruto destinado a investimentos no país. Este aumento, comparado aos 48% do plano anterior, destaca a importância estratégica da Itália nos planos de crescimento da Enel.

Comparando com o plano anterior que previa investimentos de 37 bilhões de euros, incluindo 17 bilhões para energias renováveis, a Enel ajustou sua estratégia para alcançar uma alocação mais eficiente dos recursos. A empresa busca otimizar os investimentos para impulsionar o crescimento sustentável e maximizar o valor para os acionistas.

Parcerias estratégicas: colaboração para o crescimento verde

Dessa forma, a Enel reconhece o valor das parcerias estratégicas no cenário atual. A empresa não apenas fortalece sua posição no mercado, mas também promove uma abordagem mais sinérgica para o desenvolvimento de projetos de energias renováveis.

Portanto, o plano da Enel reflete uma abordagem eficiente em relação aos investimentos, seletividade em energias renováveis e um compromisso renovado com o mercado doméstico italiano. Afinal, a Enel posiciona-se como uma força motriz na transição para um futuro mais sustentável e energeticamente eficiente.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Itaúsa tem lucro líquido de R$ 3,46 bilhões no 4T23

Márcia Alves

Itaúsa (ITSA4) pagará R$ 5,6 bilhões de dividendos e JCP

Mateus Sousa

Pouco ou dá para encher o bolso? Itaúsa (ITSA4) anuncia distribuição de 2 centavos por ação

Leonardo Bruno

Itaúsa volta para lista de boas pagadoras de dividendos com anuncio de distribuição

Leonardo Bruno

Itaúsa anuncia amortização antecipada de debêntures, reforçando estratégia de desalavancagem

Leonardo Bruno

Itaúsa (ITSA4) anuncia distribuição de Juros sobre o Capital Próprio de R$ 0,1165 por ação

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário