Guia do Investidor
Foto/Reprodução
Notícias

Petrobras considera comprar fatia da Braskem

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

  • Contexto da Venda:
    • A Adnoc, de Abu Dhabi, retirou sua oferta pela Braskem, sendo a terceira empresa a desistir das negociações com a Novonor.
  • Posição da Petrobras:
    • Jean Paul Prates, presidente da Petrobras, afirmou que a estatal estava disposta a comprar a participação da Novonor na Braskem caso outros compradores não aparecessem.
    • Acreditava que novas propostas poderiam surgir, mas a Petrobras estava pronta para agir conforme necessário.
  • Estratégia da Petrobras:
    • Caso adquirisse a fatia da Novonor, a Petrobras buscaria um parceiro para dividir o controle da petroquímica.
    • Descartou vender sua própria participação pelo mesmo preço ofertado, pois o plano do governo Lula era fortalecer os setores petroquímico e de fertilizantes, com apoio da Petrobras.
  • Direito de Preferência:
    • A Petrobras, sócia da Novonor na Braskem, tem direito de preferência na aquisição das ações.
  • Avaliação Concluída:
    • A Petrobras concluiu sua análise dos ativos da Braskem e estava acompanhando as negociações, pronta para agir conforme necessário.
Leia mais  Petrobras obtém autorização da ANP para retomar produção em 6 instalações no Polo Bahia Terra

De acordo com a reportagem da Folha de SP, a Petrobras considera a possibilidade de comprar a participação da Novonor na Braskem após a retirada da proposta da Adnoc, de Abu Dhabi. A Adnoc foi a terceira empresa a desistir das negociações com a Novonor, tornando incerto o futuro da venda da petroquímica.

Jean Paul Prates, presidente da Petrobras, afirmou que a estatal estava disposta a adquirir a participação da Novonor caso outros compradores não se manifestassem, mas ainda acreditava que surgiriam novas ofertas. Se fosse necessário realizar a compra, a Petrobras buscaria um parceiro para dividir o controle da Braskem.

A venda enfrentou obstáculos devido à saída de potenciais compradores, complicando o processo. A Petrobras, que é sócia da Novonor na Braskem e possui ativos no Brasil, México, Estados Unidos e Alemanha, tinha preferência na aquisição das ações. A estatal também poderia vender sua participação pelo mesmo valor oferecido à Novonor, mas essa possibilidade foi praticamente descartada, pois o governo Lula tinha como plano fortalecer os setores petroquímico e de fertilizantes, contando com o apoio da Petrobras.

Leia mais  A instabilidade na Petrobras e a intervenção governamental

Jean Paul Prates declarou que a Petrobras havia finalizado sua avaliação dos ativos da Braskem e estava acompanhando atentamente o desenrolar das negociações, pronta para agir conforme as circunstâncias exigissem.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Petrobras obtém aprovação de empresas parceiras em consórcios de E&P

Márcia Alves

Desistência de Biden agita mercado e aumenta a incerteza

Paola Rocha Schwartz

Ex-diretor da Petrobras nomeado por Lula é condenado a 98 anos de prisão

Márcia Alves

Petrobras anuncia “desprivatização” da Refinaria de Mataripe

Paola Rocha Schwartz

Ações da empresa de Trump disparam nos EUA após incidente

Paola Rocha Schwartz

Linha do Tempo: Tentativas de assassinatos presidenciais nos EUA

Paola Rocha Schwartz

Deixe seu comentário