Guia do Investidor
Fusões e aquisições
Notícias

Queda da Selic reaquece cenário e aumenta apetite para M&As em 2024

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Oportunidades são vistas em todos os setores e deve ter participação mais ativa de players internacionais

Ao longo do último ano, especialmente do último semestre, uma rápida busca no Google traz exemplos de fusões e aquisições realizadas no país. E essas não devem ser as únicas. Há um clima positivo em torno de M&As em 2024.

De acordo com Jairo Loureiro, Co-founder, Managing Director e Co-head de Investment Banking do banco de investimentos BR Partners, esse caminho começou a ser pavimentado em agosto, com o início da queda da Selic, quando a estrutura começou a ficar mais palatável para o empresário e para o desenvolvimento de novos negócios. Para ele, esse apetite seguirá crescendo durante o ano de 2024.

“O cenário de M&A, de movimentações entre empresas de setores distintos, está se reaquecendo. Estamos vendo isso desde agosto. Acredito que isso terá um vetor de aceleração maior em 2024, com a queda de juros, e que trará uma participação mais ativa de players internacionais, no mercado cross border, com um número de transações e de atividades mais significativas do que foi esse ano. Estamos em uma ascendente positiva para essas transações”, afirma.

O executivo lembra que no mercado de M&As a maioria dos deals acontece dentro das próprias verticais de negócios, mas há crescimento de transações entre setores distintos. Nesse sentido, ele reforça o racional que baseia tudo e que, via de regra, busca empresas com características como bom posicionamento ou liderança de mercado, fortaleza financeira, presença em mercados com horizonte de desenvolvimento e boa previsibilidade.

O banco, que tem no histórico deals icônicos como a assessoria da Vivo na compra da Oi Móvel, e da Hering no contexto da associação com o Grupo Soma, recentemente assessorou o vencedor na compra da Amil em um deal de R$ 11 bilhões, e está envolvido em várias transações em diferentes setores. Loureiro avalia que há um mar de oportunidades diversificadas e investidores olhando elementos satélites em vários segmentos, como agrobusiness, tecnologia e indústria.

“O racional é o coração de tudo. E tem muita coisa acontecendo, até como um pouco também efeito da nova geografia política do mundo. Há oportunidade para consolidação de novos contratos para exportação, expansão e fortalecimento de empresas locais”, comenta.

Apesar do reaquecimento e de muitas movimentações em curso, ele lembra que a concretização de negócios pode nem acontecer em 2024, uma vez que os processos são longos e envolvem muito conhecimento, desenvolvimento e negociações. “Um M&A é uma conversa muito bem trabalhada e estruturada com a empresa. Tem muita análise, reflexão e negociação. É uma construção diária para encontrar soluções, pode levar meses e até alguns anos. O relacionamento é consequência de tudo isso”, diz.

Leia mais  Deixou a Petrobras "no chinelo"? A 3R Petroleum (RRRP3) mais do que dobra o lucro no resultado 2T23

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

Além da esteira positiva de queda de juros, outro contexto destacado é o do avanço constante e veloz da tecnologia, que derrubou muitas barreiras de competitividade e ampliou sem medida as consequências para os negócios.

Leia mais  A Via (VIIA3) não "via" a fraude? Rombo resultará em impacto de R$ 1,19 bilhão

Esse cenário mais complexo exige fazer negócios cada vez mais fortes e completos, e isso é uma corrida que não acaba nunca. “Tem empresas que entendem que, para se manterem vivas e competitivas no nível que precisam, não conseguem do zero em tempo hábil, então optam por essas movimentações. Mas isso não significa que todas precisam de M&A. É uma ferramenta estratégica, precisa fazer sentido”, observa.

Ademais, ele lembra que a área de M&A é promotora de crescimento, pois grande parte das transações é feita com cash e isso leva à necessidade de financiar as transações, girando a atividade econômica com crédito, expansão e investimento. No entanto, ele pondera que o M&A é consequência de uma economia estável e sem tanto risco. “No mercado normalizado, ele pode ser um forte acelerador, especialmente se o capital externo quer investir no Brasil”, finaliza.


Leia mais  Incorporação a vista? Eletrobras estuda integração da Usina de Furnas
Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Número de empresas pedindo recuperação judicial é o maior em 6 anos

Márcia Alves

Moody’s revisa Rating da Jalles Machado: Destaques e Desafios

Rodrigo Mahbub Santana

Irani realiza o terceiro Programa de Recompra de Ações

Fernando Américo

China é acusada de fraudar biocombustíveis

Rodrigo Mahbub Santana

Pedidos de Recuperação Judicial disparam 94,7% em Março

Márcia Alves

Meta: números batem estimativas, mas mercado não gostou

Autor Convidado

Deixe seu comentário