Guia do Investidor
Fonte/Reprodução
Notícias

Vale negocia proposta de indenização para desastre de Mariana

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

A Vale confirmou negociação de proposta de indenização, juntamente com Samarco e BHP, ao Tribunal Regional Federal da 6ª Região.

Na segunda-feira (29), a Vale informou que, juntamente com Samarco e BHP, a companhia negocia uma proposta de indenização ao Tribunal Regional Federal da 6ª Região, para encerrar os litígios envolvendo o rompimento da barragem de Mariana (MG).

De acordo com comunicado, a oferta surgiu em um momento que a mineradora busca a liquidação definitiva das obrigações previstas no termo de transação, na demanda judicial do Ministério Público Federal e em outras ações judiciais de entidades governamentais relacionadas ao rompimento da barragem da Samarco.

A proposta será dividida em 3 parcelas e consiste em um documento que define as obrigações de pagamento da Samarco, incluindo R$ 37 bilhões já investidos em remediação e compensação, deixando a proposta no valor total de R$ 127 bilhões. O montante de R$ 72 bilhões seria pagável ao longo de determinado período ao Governo Federal, aos Estados de Minas Gerais e Espírito Santo e aos municípios. A proposta também conta com R$ 18 bilhões em obrigações de fazer.

“Os valores da proposta são de 100%, o que inclui uma contribuição de 50% da BHP Brasil e da Vale como devedores secundários, caso a Samarco não possa financiar como devedor primário”, acrescentou a mineradora.

Rompimento da Barragem de Mariana

A barragem de rejeitos de mineração denominada “Fundão”, controlada pela Samarco Mineração, um empreendimento conjunto das maiores empresas de mineração do mundo, a brasileira Vale e a anglo-australiana BHP Billiton, se rompeu causando mortes e destruição ambiental em uma larga escala.

Leia mais  Transações via DOC terminam na próxima segunda-feira

O rompimento da barragem ocorreu na tarde de 5 de Novembro de 2015 no subdistrito de Bento Rodrigues, a 35 km do centro de Mariana, Minas Gerais. 

Vale (VALE3) comprou participação na Aliança Energia

Vale (VALE3) comunicou que fechou um acordo bilionário para obter participação de 45% da Cemig GT, empresa que é controlada pela Cemig, na Aliança Energia. O valor da aquisição é em torno de R$ 2,7 bilhões.

A transação está sujeita à aprovação pela Assembleia Geral de Acionistas da Cemig GT e de acordo com informações repassadas, a transação deve superar as condições precedentes usuais, incluindo a anuência de órgãos competentes.

Em nota, a mineradora diz que, em condição de sócia no empreendimento e considerando que a Vale (VALE3) utilize, a maior parte da energia gerada pela Aliança Energia, a companhia optou por exercer seu direito preferencial de aquisição e reforça que o volume de geração da Aliança Energia é estratégico na manutenção da matriz energética baseada em fontes renováveis da Vale (VALE3) no Brasil.

Leia mais  Índice de variação de aluguéis cai 0,02% em setembro, diz FGV

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Sabesp privatizada deve se tornar “grande plataforma de saneamento” do Brasil

Márcia Alves

Vale nomeia Shaun Usmar como presidente da Vale Base Metals

Paola Rocha Schwartz

Mercado voluntário de carbono no Brasil recua em 2023; falta confiança

Agência Brasil

Banco Central faz ajustes para aperfeiçoar segurança do Pix

Agência Brasil

Ibovespa abre em alta com diversos ativos apresentando ganhos

Paola Rocha Schwartz

BNDES conclui financiamento para exportação de 32 jatos da Embraer

Agência Brasil

Deixe seu comentário