Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Varejo do estado de São Paulo registra alta de 1% em setembro, aponta Índice Stone Varejo

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

A 9ª edição do Índice de Atividade Econômica Stone Varejo, que analisou os dados de setembro, aponta alta de 1% do volume de vendas do estado de São Paulo, na comparação anual. O estudo, que apresenta dados mensais de movimentação varejistas, é uma iniciativa da Stone, empresa de tecnologia e serviços financeiros que é a principal parceira do empreendedor brasileiro, em parceria com o Instituto Propague.

O levantamento tem como base a metodologia proposta pelo time de Consumer Finance do Federal Reserve Board (FED), que idealizou um modelo de indicador econômico similar nos Estados Unidos. São consideradas as operações via cartões, voucher e Pix dentro do grupo StoneCo. O objetivo é mapear mensalmente os dados de pequenos, médios e grandes varejistas e divulgar um retrato do setor nacional.

“Quando observamos o indicador nacional do índice de varejo, é importante destacar, contudo, que após meses de atividade econômica inferior a 2022, o comércio varejista segue ainda pressionado e mais meses de dados são necessários para confirmar o estabelecimento de uma tendência positiva. No entanto, é inegável que esse desempenho recente melhora as nossas perspectivas para o último trimestre do ano, um período importante para o setor, com datas como a Black Friday e o Natal”, afirma o pesquisador econômico e cientista de dados da Stone, responsável pelo levantamento, Matheus Calvelli.

Essas e muitas outras informações podem ser encontradas no dashboard do Instituto Propague, que centraliza todos os dados essenciais em um único local, tornando a pesquisa e análise mais simples. Essa plataforma foi desenvolvida para atender às demandas de pesquisadores e interessados no setor, oferecendo acesso fácil a informações valiosas. Veja mais, em: Link.

Leia mais  Esqueça LREN3 e MGLU3: estas são as melhores ações de varejo para o fim dos juros alto

Destaques nacionais por segmento

Entre todos os segmentos, dois apresentaram alta, sendo um deles o de artigos farmacêuticos com crescimento anual do volume de vendas de 0,6%, com este resultado o setor se consolida como um dos segmentos mais estáveis e de melhor performance no ano. O outro que cresceu no volume de vendas foi o de móveis e eletrodomésticos (1,6%). Outros quatro não conseguiram alcançar resultados positivos, com a maior queda registrada no setor de livros, jornais, revistas e papelaria (12,7%). Material de construção (1,3%); hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,1%); e tecidos, vestuários e calçados (0,8) também tiveram quedas.

Destaques regionais

Nove estados registraram alta na comparação ano contra ano: Tocantins (9,4%), Espírito Santo (3,3%), Pará (2,6%), Santa Catarina (1,6%), Mato Grosso do Sul (1,4%), Rondônia (1,2%), São Paulo (1,0%), Paraná (0,7%) e Minas Gerais (0,4%). Com relação às quedas os destaques são: Nas regiões Norte e Nordeste: Amapá (14,5%), Amazonas (9,1%), Alagoas (8,4%) e Rio Grande do Norte (8,3%). Nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste: Rio Grande do Sul (7,3%), Distrito Federal (5,2%), Mato Grosso (4,6%) e Goiás (2,5%).

Segmentos analisados

Leia mais  Shopee abre em Guarulhos seu 2° maior centro de distribuição no país

O Índice de Atividade Econômica Stone Varejo avalia seis segmentos:

1) Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos;

2) Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo;

3) Livros, jornais, revistas e papelaria;

4) Móveis e eletrodomésticos;

5) Tecidos, vestuários e calçados;

6) Material de Construção.

Acesse a versão completa do Índice de Atividade Econômica Stone Varejoem link.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Varejo 2024: expectativa e tendências

Autor Convidado

Líder do PT pagava R$ 70 mil por semana ao PCC, diz Estadão

Guia do Investidor

Comércio paulista registra queda 35% na geração de empregos

Guia do Investidor

Varejo em crise: o que esperar em 2024

Autor Convidado

Feriado em SP: Bolsa de valores irá operar?

Lara Donnola

O retorno do varejo? Setor tem 1º pregão de recuperação de 2024

Leonardo Bruno

Deixe seu comentário