Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Recomendações

Varejo vai decolar ou não sairá do “voo de galinha” em 2023?

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

O setor varejista brasileiro deve apresentar uma recuperação em forma de “voo de galinha” neste ano, segundo especialistas ouvidos pelo jornal Valor Econômico. Após um período difícil durante a pandemia, as vendas no varejo voltaram a crescer no segundo semestre de 2021, mas ainda há incertezas sobre a sustentabilidade desse movimento.

De acordo com dados da Confederação Nacional do Comércio (CNC), o volume de vendas do varejo ampliado cresceu 5,5% em janeiro em relação ao mesmo período de 2022. O resultado é considerado positivo, mas não indica uma recuperação plena do setor. Além disso, o mês de janeiro costuma apresentar uma alta nas vendas devido às compras de material escolar e outros itens para o início do ano letivo.

Leia mais  Vendas no varejo decepcionam em dezembro - Terra Investimentos

Os especialistas apontam que ainda há desafios a serem enfrentados pelo setor, como a alta da inflação e os aumentos sucessivos da taxa de juros pelo Banco Central. Esses fatores podem afetar o poder de compra dos consumidores e desestimular o consumo.

Outro ponto destacado é a instabilidade política no país, que pode gerar incertezas nos investidores e afetar a economia de forma geral. Além disso, a crise hídrica e energética pode afetar a produção e distribuição de mercadorias, afetando a oferta de produtos no mercado.

Apesar dos desafios, os especialistas também veem oportunidades para o setor varejista neste ano. Com a retomada gradual da economia, é possível que haja um aumento na demanda por produtos e serviços. Além disso, a adaptação ao comércio eletrônico durante a pandemia pode gerar novas oportunidades de venda online.

O setor também pode se beneficiar do pacote de infraestrutura aprovado nos Estados Unidos, que pode gerar uma demanda adicional de até cinco milhões de toneladas de aço no país a partir do segundo semestre de 2023, segundo o Itaú BBA. Isso pode gerar um impacto positivo em setores que utilizam o aço em sua produção, como a construção civil e o setor automotivo.

Leia mais  Varejo mira em sustentabilidade e inovação em 2023, diz KPMG

Apesar das incertezas e dos desafios a serem enfrentados, a expectativa é que o setor varejista brasileiro continue apresentando uma recuperação gradual em 2023. O “voo de galinha” pode ser um sinal positivo de que o setor está se recuperando, mas ainda há um longo caminho a percorrer para alcançar uma recuperação plena.

As ações do setor acumulam forte perda no último ano:

EmpresaPreço Atual (R$)Variação (R$)Variação (%)
B2W Digital0,99-29,2696,73%
Magazine Luiza3,33-3,2949,70%
Via1,86-1,9951,69%
Lojas Marisa0,63-2,4379,41%


Nos siga no Google News
Leia mais  Dividendos: Arezzo (ARRZ3) pagará R$ 69 milhões em JCP aos acionistas

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Vendas no Varejo caíram 1,1% em março, indica o ICVA

Paola Rocha Schwartz

Varejo 2024: expectativa e tendências

Autor Convidado

Varejo em crise: o que esperar em 2024

Autor Convidado

O retorno do varejo? Setor tem 1º pregão de recuperação de 2024

Leonardo Bruno

Economia fraca: varejo tem retração de 18% em novembro

Guia do Investidor

Varejo do estado de São Paulo registra alta de 1% em setembro, aponta Índice Stone Varejo

Guia do Investidor

Deixe seu comentário