Guia do Investidor
decimo terceiro
Notícias

Veja o que fazer com o 13º e quem pode perder esse direito

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Especialistas recomendam guardar dinheiro para despesas de início de ano e checar faltas sem justificativa.

Uma das épocas mais aguardadas pelo trabalhador, o fim do ano marca o período do pagamento do décimo terceiro salário. Cerca de 87,7 milhões de brasileiros serão beneficiados com esse rendimento adicional, numa média de R$ 3.057, segundo estimativas do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). A injeção na economia brasileira até o final do ano deve ser de R$ 291 bilhões, aproximadamente 2,7% do Produto Interno Bruto do país.

Para Alessandro Azzoni, advogado e economista, especialista em Direito Ambiental, com atuação nas áreas Civil, Trabalhista e Tributária, o período tradicionalmente incentiva o consumo, o que também influencia no mercado de trabalho. “O 13º salário ativa o mercado como um todo com a Black Friday e as festas de Natal. Por este motivo que os comerciantes preparam funcionários excedentes para atender o máximo de compradores”, explica. 

A perspectiva é positiva para o comércio, podendo até ser um fim de ano histórico. A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo indica crescimento significativo de 5% nas vendas para o Natal de 2023. Seria o maior avanço para o período desde 2013. Essa renda extra, contudo, não deve ser usada somente para compras. “Todo cuidado é pouco. Lembre-se das despesas do começo do ano, como material escolar, IPTU e IPVA, além dos cartões que usaram no Natal e nas festas de fim de ano. O 13º poderia ser uma reserva de emergência”, explica Azzoni.

Alguns trabalhadores, porém, podem perder esse direito. “Pode perder o direito ou pode ter esse direito limitado o empregado que tem muitas faltas injustificadas. A lei diz que o pagamento do 13° vai corresponder a 1/12 por cada mês de serviço trabalhado. E a lei diz que considera-se mês de serviço completo aquele que trabalhou mais de 15 dias. Se ele trabalhou menos de 15 dias por causa de faltas injustificadas, a fração correspondente àquele mês é subtraída, ou seja, ele não vai receber 1/12 do mês que ele faltou mais de 15 dias injustificadamente”, argumenta Aloísio Costa Junior, sócio do Ambiel Advogados e especializado em Direito do Trabalho.

Ele também lembra daqueles trabalhadores que foram dispensados antes de completar um ano de casa. “No caso de o empregado ser dispensado ao longo do ano, enfim, antes de completar os 12 meses de serviço que dão o direito a receber o 13º, se ele for dispensado por justa causa, ele perde o direito ao 13º salário. Diferente do empregado que pede demissão ou que é dispensado sem justa causa, o qual tem direito ao 13º proporcional daquele ano”, esclarece.

O pagamento do 13º deve ser feito até o dia 20 do mês de dezembro de cada ano, sendo que metade tem que ser adiantada pelo empregador entre os meses de fevereiro e novembro de cada ano. Ou seja, metade é adiantada entre os meses de fevereiro e novembro, e a outra metade é paga até o dia 20 de dezembro. A data do pagamento da primeira parcela fica a critério do empregador, salvo se o empregado pedir para o pagamento ser feito junto do pagamento das férias daquele ano.

Fontes: Aloísio Costa Junior – sócio do Ambiel Advogados, especializado em Direito do Trabalho

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Multa a concessionário poderá ser revertida em investimento na rodovia

Agência Câmara

Crescimento do PIB do Brasil está ameaçado pelas contas públicas

Fernando Américo

Projeto cria títulos de crédito para financiar setor industrial

Agência Câmara

Preço da gasolina sobe 0,26% na segunda semana de fevereiro

Guia do Investidor

AirBnb tem aumento na demanda em toda a América Latina

Leticia Izabel

Projeto torna ato de improbidade autorizar salário acima do teto

Agência Câmara

Deixe seu comentário