Guia do Investidor
Foto/Reprodução
Notícias

Wall Street diverge sobre lucros de 2024

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

  • Estrategistas de Wall Street estão divididos sobre as expectativas de lucros robustos das empresas americanas em 2024.
  • Michael Wilson, do Morgan Stanley, prevê melhoria no crescimento dos lucros em 2024 e 2025 com o fortalecimento da economia.
  • Mislav Matejka, do JPMorgan, vê inflação elevada, dólar forte e tensões geopolíticas como fatores que ofuscam as perspectivas.
  • O índice S&P 500 cai mais de 5% em abril, com sinais de que o Federal Reserve mantém os juros altos por mais tempo.
  • Wilson e Matejka concordam que a pressão recai sobre os lucros, e não sobre os juros, para impulsionar mais ganhos.
  • Matejka acredita que o mercado ainda mostra um nível de “complacência”, já que não está mais precificando um “risco significativo de desaceleração no próximo ano”.
  • Wilson afirma que uma aceleração na atividade das empresas, apoiada por novos pedidos, “valida a expansão contínua dos lucros”.
  • A pesquisa do blog de mercados da Bloomberg mostra que bons lucros podem tirar o S&P 500 de seu marasmo.
  • Quase dois terços dos 409 entrevistados esperam que os lucros deem um impulso ao índice de referência com a previsão da publicação dos balanços das gigantes de tecnologia esta semana.
Leia mais  Queda do dólar e aumento do estoque de crédito: confira o resumo do dia

Estrategistas de Wall Street estão em desacordo sobre a capacidade das empresas americanas de atender às expectativas de lucros robustos em 2024. Michael Wilson, do Morgan Stanley, prevê uma melhoria no crescimento dos lucros ao longo de 2024 e 2025, à medida que a economia se fortalece. Por outro lado, Mislav Matejka, do JPMorgan, vê a inflação elevada, o dólar forte e as tensões geopolíticas como fatores que ofuscam as perspectivas.

A atenção se volta para os lucros em um momento em que o avanço das ações americanas é prejudicado por um aumento nos rendimentos dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos. O índice S&P 500, após atingir recordes consecutivos no primeiro trimestre, cai mais de 5% em abril, com sinais de que o Federal Reserve mantém os juros altos por mais tempo.

Wilson e Matejka concordam que a pressão recai sobre os lucros, e não sobre os juros, para impulsionar mais ganhos. No entanto, Matejka acredita que o mercado ainda mostra um nível de “complacência”, já que não está mais precificando um “risco significativo de desaceleração no próximo ano”. Wilson adota um tom mais equilibrado, afirmando que uma aceleração na atividade das empresas, apoiada por novos pedidos, “valida a expansão contínua dos lucros”.

Leia mais  Criptos ainda são ativos inexistente para grandes investidores institucionais, diz JPMorgan

A pesquisa mais recente do blog de mercados da Bloomberg, Markets Live Pulse, mostra que os participantes esperam que bons lucros tirem o S&P 500 de seu marasmo. Com a previsão da publicação dos balanços das gigantes de tecnologia esta semana, quase dois terços dos 409 entrevistados esperam que os lucros deem um impulso ao índice de referência.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Tiktok confirma ter oferecido ao governo dos EUA o poder de desligar a plataforma

Márcia Alves

Fed e FDIC identificam falhas em planos de bancos americanos

Rodrigo Mahbub Santana

Ibovespa sobe e dólar reage às expectativas do Fed

Rodrigo Mahbub Santana

Real perde mais valor que peso argentino em 2024

Rodrigo Mahbub Santana

Ibovespa recua para mínimo anual em meio a tensões fiscais

Rodrigo Mahbub Santana

Mercado Brasileiro: Ibovespa Sobe, Dólar em Alta com Fed

Rodrigo Mahbub Santana

Deixe seu comentário