Guia do Investidor
Energia solar residencial soma R 56 bilhoes em investimentos no Brasil
Notícias

“Estamos jogando fora boa parte da produção de energia”, diz especialista

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Sócio Fundador do Grupo Engehall acredita que o Brasil precisa aumentar linhas de distribuição e investir mais em energia solar.

Com os reservatórios brasileiros em condições normais, o Brasil não está enfrentando problemas de produção de energia neste final de ano, porém, necessita de atenção com relação ao armazenamento e distribuição.

Segundo Luis Navarro, sócio fundador do Grupo Engehall e especialista na criação de treinamentos para a área elétrica, é preciso considerar que os cenários mudam o tempo todo, por isso a análise serve para o momento atual.

“Hoje, a maior dificuldade do Brasil não está na produção de energia, mas na distribuição. O País até consegue produzir energia suficiente para atender sua demanda interna, mas existe um problema; atualmente, é complicado enviar energia de uma região em que há sobra para uma região onde há falta. Isso significa que estamos jogando fora grande parte da produção de energia”, explica.

De acordo com o especialista, esse problema pode ser amenizado com o aumento das linhas de transmissão.

“É necessário aumentar as linhas de transmissão, que hoje são arcaicas e precisam ser renovadas. Assim conseguiríamos escoar a energia de uma região para outra mais facilmente”, afirma.

Ele exemplifica a situação através de um paralelo com a indústria automobilística. “Imagine se tivéssemos muitos carros, mas só uma avenida para todos eles. O trânsito seria um caos, certo? Para resolver isso na energia, precisamos de mais ‘avenidas’, ou seja, de mais linhas de transmissão para levar a energia onde é mais necessário”, acredita.

Uma segunda iniciativa sugerida por Navarro seria o País investir em energia solar. “Outra ideia é apostar mais na energia solar. Isso significa construir usinas solares em regiões onde a energia é escassa. Isso ajudaria a distribuir melhor a energia”, diz.

O sócio fundador da Engehall explica que a opção dos governos brasileiros costuma ser o investimento em termelétricas.

“Atualmente, o governo prefere usar termelétricas, que são mais rápidas de implementar e produzem energia de forma imediata. Porém, elas tornam a energia mais cara e poluem o ambiente. Usinas solares, por outro lado, exigem mais investimento inicial, mas seriam uma solução mais eficiente e limpa a longo prazo”, finaliza.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Energia solar fica 31% mais barata com queda de preços de equipamentos

Guia do Investidor

Descubra a melhor ação do setor de Energia para 2024

Leonardo Bruno

SNELL11: FII de Energia Solar estreará na B3 nesta quinta

Guia do Investidor

Investimento em energia solar residencial movimenta R$ 60 bilhões no Brasil

Miguel Gonçalves

Preço médio da energia solar cai 11% para residências no 3º trimestre do ano, aponta estudo da Solfácil

Guia do Investidor

Calor eleva consumo de energia elétrica no começo de outubro, destaca CCEE

Guia do Investidor

Deixe seu comentário