Guia do Investidor
Lula anunciara novos diretores do Banco Central confirma Haddad 1
Notícias

Governo Lula reduz verba para bolsas, saúde e educação básica

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Em 2024, o governo Lula cortou verbas do Ministério da Saúde, bolsas universitárias e educação básica. O corte total de mais de R$ 4 bilhões também afetou programas como Criança Feliz e o financiamento de outras comunidades. Isto, em vários ministérios para ajustar o “Orçamento às novas regras” fiscais.

Além dos cortes acima, o programa Farmácia Popular também perdeu cerca de 20% dos recursos destinados à entrega de medicamentos com desconto. A redução atingiu R$ 107 milhões dos R$ 140 milhões retirados do ministério. No entanto, os R$ 4,9 bilhões reservados para a entrega gratuita de medicamentos foram mantidos, beneficiando grupos como os inscritos no Bolsa Família.

Em nota, o Ministério da Saúde destacou que durante o governo Lula, ampliou-se o orçamento geral do Farmácia Popular.

O Ministério afirmou que o corte “não afetará imediatamente o planejamento”, pois ao longo do ano, esses recursos podem ser reintegrados, permitindo a execução adequada do plano anual.

O MEC e a pasta da Ciência e Tecnologia tiveram uma redução de aproximadamente R$ 280 milhões. As ações relacionadas à pesquisa e à assistência estudantil em universidades e no ensino básico sofreram um impacto significativo.

Leia mais  Governo Lula será fiscalizado por grupo de parlamentares: entenda

Neste mesmo corte, a verba do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) sofreu uma redução de R$ 73 milhões, contudo, equivalente a cerca de 3,6% do recurso destinado ao órgão de incentivo à pesquisa.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

Apesar do percentual aparentemente baixo, as instituições de ensino, portanto, têm reiterado reclamações sobre a falta de verba. Em dezembro, a Andifes (Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior) afirmou que as universidades recebem uma verba “insuficiente”.

Leia mais  Lira dá recado a Governo: retrocessos de Lula não vão passar

O corte para as ações ligadas à educação básica ultrapassou R$ 30 milhões, sendo que aproximadamente metade desse valor estava destinada à produção e distribuição de material didático.

Gastos obrigatórios

É comum que o governo corte ações discricionárias durante o ano para reforçar “gastos obrigatórios”, como a dívida pública ou sentenças judiciais, ou para adequar o Orçamento às regras fiscais.

A recomposição desses valores, no entanto, é influenciada pelo desempenho da economia, arrecadação do governo, queda de gastos obrigatórios, entre outros fatores. Em 2023, a verba discricionária aumentou ao longo do ano, mas em 2024 houve uma redução.

No saldo dos cortes, o Ministério da Fazenda foi o mais afetado, com o maior volume de recursos discricionários perdidos. Isso inclui verba para custeio e investimento, não comprometida com obrigações como folha salarial. Esta cifra caiu 15%, com um corte de R$ 485 milhões em ações destinadas, por exemplo, à tecnologia da Secretaria Especial da Receita Federal.

O orçamento do Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome teve uma redução de R$ 225 milhões. A pasta assegura que possui recursos para manter os contratos do programa Criança Feliz até setembro. O programa, que teve uma diminuição de R$ 90 milhões, inclui visitas domiciliares a gestantes e crianças, sendo uma iniciativa do governo Michel Temer.

Leia mais  Apostando no futuro: os sites de apostas e receitas públicas

O Ministério do Planejamento explicou que o ajuste se deve à baixa inflação de 2023. Originalmente, estava programado um montante de R$ 32 bilhões em despesas condicionadas à inflação. No entanto, devido ao IPCA inferior ao previsto, apenas cerca de R$ 28 bilhões puderam ser liberados.

“Esse ajuste é o principal fator que explica a redução, em R$ 4,5 bilhões, da estimativa para a despesa discricionária em 2024, anunciada no Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas do primeiro Bimestre”, afirmou o ministério.

Apesar dos cortes em outros setores, o Ministério dos Povos Indígenas teve seu orçamento reforçado ao longo do ano, passando de R$ 850 milhões para R$ 1,3 bilhão. Isso se deveu à liberação de cerca de R$ 1 bilhão para enfrentar a crise Yanomami.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Lula pode ser punido em 2026 por irresponsabilidade fiscal

Paola Rocha Schwartz

Déficit do Governo Lula se aproxima ao nível da pandemia

Paola Rocha Schwartz

Petrobras e as perspectivas futuras sob intervenção política

Paola Rocha Schwartz

Decisão do STF beneficia indicados de Lula na Lei das Estatais

Paola Rocha Schwartz

Governo refuta alegações de recusa de ajuda do Uruguai ao RS

Paola Rocha Schwartz

Avaliação do governo Lula caiu 5 pontos de janeiro a maio

Paola Rocha Schwartz

Deixe seu comentário