Guia do Investidor
imagem padrao gdi
Notícias

Lojas Renner e Mercado Livre marginalmente afetados por novas regras tributárias para compras internacionais

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Portaria estabelece novas regras de tributação para compras internacionais, afetando levemente Lojas Renner e Mercado Livre.

Uma portaria da Receita Federal estabeleceu novas regras de tributação para compras internacionais, impactando marginalmente empresas como Lojas Renner e Mercado Livre.

De acordo com as novas regras, todas as remessas internacionais com valores inferiores a US$ 50 estarão isentas de impostos de importação, desde que as varejistas cumpram os requisitos do programa de compliance do governo, que inclui o recolhimento de ICMS estadual de 17% para importações.

O banco Itaú BBA avalia que a maior parte das compras internacionais continuará isenta de impostos de importação, mas estará sujeita à alíquota de ICMS de 17%. O impacto negativo dessa medida é considerado menor em comparação com a alternativa de cobrar impostos de importação na totalidade, o que favoreceria os players internacionais.

Portaria da Receita Federal estabelece novas regras tributárias para compras internacionais, com impacto marginal em Lojas Renner e Mercado Livre

Recentemente, uma portaria emitida pela Receita Federal definiu novas regras de tributação para compras internacionais, gerando um impacto marginal em empresas como Lojas Renner e Mercado Livre.

Leia mais  Restituição do Imposto de Renda: pagar dívidas ou investir; especialistas explicam

Conforme as novas diretrizes, todas as remessas internacionais com valores inferiores a US$ 50 estarão isentas de impostos de importação, desde que as varejistas cumpram os requisitos do programa de compliance do governo, que inclui o recolhimento de ICMS estadual de 17% para importações.

Imagine-se navegando em alto mar sem uma bússola. Cada onda representa uma decisão financeira, e sem orientação, é fácil se perder nas correntezas do mercado. É aí que entra a consultoria financeira. Como um farol na escuridão, ela oferece direção clara e segura para alcançar suas metas.

É por isso que o Guia do Investidor orgulhosamente lançou o GDI Finance, com a missão de ser o mapa para o seu sucesso financeiro, mas também para navegar junto ao seu lado. Com anos de experiência, nossos consultores são como capitães experientes, guiando-o pelas águas turbulentas da economia.

Desde a navegação para a aposentadoria tranquila até a jornada para aquisição de bens, o GDI Finance foi criado para simplificar sua trajetória. Com estratégias personalizadas e insights precisos, transformamos desafios em oportunidades e sonhos em realidade.

É hora de aprender a navegar tranquilo por águas turbulentas, alcançaremos horizontes que você nunca imaginou possíveis. Conheça a nossa consultoria financeira hoje mesmo.

O banco Itaú BBA analisou essa medida e avalia que a maior parte das compras internacionais continuará sendo isenta de impostos de importação, visto que cerca de 60% delas estão dentro do limite de US$ 50. No entanto, essas compras estarão sujeitas à alíquota de ICMS de 17%, o que representa um ônus adicional para as empresas varejistas.

Leia mais  Shopee agora é o app de e-commerce top um do Brasil ultrapassando Magalu (MGLU3) e Mercado Livre (MELI34)

Apesar disso, o impacto negativo dessa medida é considerado relativamente menor se comparado à alternativa de cobrar impostos de importação na totalidade, o que poderia favorecer os players internacionais e dificultar a competitividade das empresas nacionais.

A portaria estabelecida pela Receita Federal busca trazer maior clareza e regulamentação para as operações de comércio internacional, buscando equilibrar as condições de mercado e garantir a arrecadação de impostos devidos. No entanto, é importante destacar que essa mudança pode afetar a dinâmica das operações de empresas como Lojas Renner e Mercado Livre, que possuem um fluxo significativo de compras internacionais.

Varejistas domésticas reagem ao fim do imposto de importação para compras até US$ 50 e preparam medidas legais

O anúncio do governo sobre o fim do imposto de importação para compras de até US$ 50 em sites estrangeiros gerou um grande mal-estar entre as varejistas domésticas.

As empresas do setor consideram essa medida prejudicial aos negócios e alegam falta de isonomia tributária. Diante desse cenário, representantes do segmento terão uma reunião com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, neste sábado, com a expectativa de que o tom do encontro seja mais agressivo.

Leia mais  Venda de usados na internet poderá ser taxado

Uma fonte próxima às negociações revelou que há um sentimento de surpresa com o anúncio do governo, especialmente considerando que as varejistas vêm dialogando com as autoridades há seis meses sobre questões relacionadas ao setor. Agora, as associações empresariais devem buscar medidas legais para pressionar o governo contra a implementação dessa isenção fiscal.

Entre os principais argumentos a serem utilizados, está a falta de isonomia tributária, pois as empresas nacionais continuariam sujeitas a uma carga tributária mais pesada, enquanto as importações seriam beneficiadas pela isenção. Além disso, questiona-se o impacto da renúncia de receitas para o país em um momento em que a arrecadação se mostra essencial para a recuperação econômica.


Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Taxar compras: populismo tributário ou proteção econômica?

Fernando Américo

IRPF 2024: Pix garante prioridade no recebimento da restituição

Fernando Américo

Brasil terá maior imposto de importação do mundo, diz Aliexpress

Márcia Alves

Reforma Tributária: todas as compras Online sofrerão taxação

Rodrigo Mahbub Santana

Queda do dólar e aumento do estoque de crédito: confira o resumo do dia

Rodrigo Mahbub Santana

 Mercado Livre registra lucro líquido de US$ 344 mi no 1T24

Márcia Alves

Deixe seu comentário