Guia do Investidor
Bolsa
Notícias

NY fecha em baixa após abrir em alta em dia de agenda esvaziada

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Bolsas de Nova York abrem com leve alta, mas encerram no negativo em meio à semana com dados econômicos importantes nos EUA.

As bolsas de Nova York iniciaram o dia em leve alta, porém, perderam impulso e fecharam em terreno negativo devido à falta de notícias impactantes e à espera por dados econômicos relevantes nos EUA, como o Índice de Gastos Pessoais (PCE).

O índice Dow Jones caiu 0,16%, o S&P500 recuou 0,38% e o Nasdaq perdeu 0,13%. A Berkshire Hathaway, apesar de superar previsões de lucro no último trimestre, registrou queda de 1,94%. Os retornos dos Treasuries também avançaram, refletindo movimentos no mercado de títulos.

Bolsas de Nova York fecham em terreno negativo diante de agenda esvaziada e expectativas por dados econômicos dos EUA

As bolsas de valores de Nova York começaram o dia em alta, mas encerraram no vermelho em uma segunda-feira marcada pela falta de notícias impactantes e pela expectativa em relação aos dados econômicos cruciais que serão divulgados nos Estados Unidos ao longo da semana. O índice Dow Jones Industrial Average caiu 0,16%, fechando aos 39.069,23 pontos, enquanto o S&P500 recuou 0,38%, chegando a 5.069,53 pontos. O Nasdaq Composite também registrou queda, perdendo 0,13% e encerrando aos 15.976,25 pontos.

O dia começou com uma leve alta, mas a falta de catalisadores significativos e a cautela dos investidores resultaram em uma mudança de direção durante a sessão, levando os índices para o terreno negativo. Os investidores estão particularmente atentos aos dados econômicos que serão divulgados nos EUA ao longo da semana, com destaque para o Índice de Gastos Pessoais (PCE), considerado uma medida crucial da inflação pelo Federal Reserve.

Apesar de ter superado as previsões de lucro no quarto trimestre, as ações da Berkshire Hathaway, conglomerado liderado pelo investidor Warren Buffett, encerraram o dia com uma queda de 1,94%, refletindo a pressão de venda em meio ao ambiente de mercado incerto.

Leia mais  Com commodities de apoio, Ibovespa volta a subir nesta 3ªF

Enquanto isso, no mercado de títulos, os retornos dos Treasuries avançaram. O rendimento do T-bond de 30 anos subiu para 4,391%, em comparação com os 4,3712% registrados na sexta-feira anterior. O rendimento dos T-notes de 2, 5 e 10 anos também registrou aumentos, refletindo os movimentos dos investidores em busca de ativos considerados mais seguros em meio à volatilidade do mercado de ações.

Investidores mantêm cautela com dólar abaixo de R$ 5 enquanto aguardam dados de inflação cruciais

O dólar, permanecendo abaixo da marca de R$ 5, cedeu durante a segunda-feira (2ªF), refletindo a cautela dos investidores em meio à expectativa por dados cruciais de inflação tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil. A sessão foi marcada por uma liquidez reduzida, com os participantes do mercado adotando uma postura mais conservadora frente às incertezas.

O principal destaque nos EUA é o índice PCE de janeiro, amplamente acompanhado pelo Federal Reserve para medir a inflação. Essa atenção se intensificou devido às surpresas observadas nos últimos números do Índice de Preços ao Consumidor (CPI) e no Índice de Preços ao Produtor (PPI). Esses resultados inesperadamente altos geraram preocupações sobre pressões inflacionárias, alimentando especulações sobre os próximos passos do Fed em relação à política monetária.

Leia mais  Novo Ibovespa: B3 divulga nova prévia com entrada de Vamos (VAMO3) e Petrorecôncavo (RECV3)

Enquanto isso, no Brasil, os olhos estão voltados para a divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) de fevereiro. A inflação doméstica tem sido um tema de preocupação, e os investidores estão ansiosos para avaliar como os números se desenrolarão, influenciando potencialmente as decisões futuras do Banco Central do Brasil.

Apesar da ausência de grandes surpresas durante a sessão, um ponto digno de nota foi o resultado positivo na balança comercial semanal, com um superávit de US$ 1,484 bilhão na quarta semana de fevereiro. Esse desempenho contribuiu para elevar o saldo positivo acumulado no mês para US$ 4,571 bilhões. No entanto, esse cenário favorável na balança comercial tem sido essencial para compensar as saídas expressivas de capital estrangeiro, particularmente notáveis no mercado de ações. De acordo com dados da B3, os investidores estrangeiros retiraram cerca de R$ 10,261 bilhões da Bolsa em fevereiro, acumulando um saldo negativo de R$ 18,159 bilhões no ano.

Leia mais  Bolsa sobe impulsionada por Vale e bancos; Petrobras cai com corte no preço da gasolina

Ao final do pregão, o dólar à vista fechou em queda de 0,23%, cotado a R$ 4,9815, após oscilar entre R$ 4,9710 e R$ 4,9960. Enquanto isso, o dólar futuro para março registrava uma redução de 0,31%, cotado a R$ 4,9820. No cenário internacional, o índice DXY, que mede o valor do dólar em relação a uma cesta de moedas estrangeiras, apresentou uma queda de 0,10%, sendo negociado a 103,820 pontos. O euro e a libra, por sua vez, apresentaram variações modestas em relação ao dólar, refletindo a cautela dos investidores em um ambiente global marcado por incertezas.

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Crise na Bolsa de Valores? Um alerta para a economia brasileira

Fernando Américo

O que acontece com uma nova bolsa de valores no Brasil?

Fernando Américo

Insider? Investidor desembolsa 1,7 milhão de reais em CALL da Petrobrás

Guia do Investidor

Ministro critica “lucro exorbitante” da Petrobras e nega interferência

Rodrigo Mahbub Santana

Empresa de Trump tem prejuízo de quase US$ 60 bi em 2023

Rodrigo Mahbub Santana

BTG Pactual rebaixa recomendação da Vale em meio a tumulto

Rodrigo Mahbub Santana

Deixe seu comentário