Guia do Investidor
Imagem/Reprodução
Notícias

Petrobras inova: robôs substituem mergulhadores em operações submarinas

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

  • Petrobras é a primeira grande petroleira global a abolir o uso de mergulhadores em operações subaquáticas além de 50 metros.
  • Adoção de robôs submarinos visa aumentar a segurança dos trabalhadores e otimizar operações em alto mar.
  • Mudança impulsionada por preocupações com a segurança e eficiência operacional.
  • Estima-se uma economia de até US$ 400 milhões nos próximos quatro anos devido à transição.

A Petrobras se destaca como a primeira grande petroleira do mundo a abandonar completamente o uso de mergulhadores profissionais em operações submarinas com profundidades superiores a 50 metros. Essa transição, impulsionada pelo uso de robôs submarinos de última geração, visa garantir um ambiente de trabalho mais seguro para os funcionários envolvidos na produção de petróleo e gás em alto mar.

Leia mais  Silveira não se opõe à permanência de Prates na Petrobras

Além dos benefícios em termos de segurança, a Petrobras estima uma economia substancial de até US$ 400 milhões nos próximos quatro anos, graças à adoção dessa tecnologia inovadora. Essa economia representa cerca de R$ 2 bilhões, considerando a taxa de câmbio atual.

Suen Marcet, gerente-executivo de sistemas submarinos da Petrobras, destaca que a função dos mergulhadores em plataformas marítimas é classificada pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) como a segunda atividade profissional mais estressante e arriscada, ficando atrás apenas dos astronautas.

Os procedimentos de mergulho saturado, que incluem a respiração de uma mistura gasosa e a exposição a condições extremas de pressão, estão sendo substituídos pelo uso de robôs. Essa mudança elimina os desconfortos associados aos mergulhos, como a alteração da voz, do paladar e das sensações térmicas dos mergulhadores.

O primeiro projeto totalmente “diverless” da Petrobras foi realizado em 2023 durante as adequações nos circuitos de válvulas de segurança da plataforma Mexilhão, localizada na Bacia de Santos. Essa plataforma é responsável pelo escoamento de aproximadamente um quinto do gás produzido no Brasil. A troca de peças foi conduzida exclusivamente por robôs submarinos.

Leia mais  Petrobras e Novonor protocolam follow-on da Braskem (BRKM5)

Embora a Petrobras ainda conte com mergulhadores para atividades em profundidades até 50 metros, parte desses profissionais está sendo direcionada para operações “diverless” e recebendo treinamento para operar os robôs submarinos. Essa transição marca um avanço significativo na indústria offshore, combinando inovação tecnológica com preocupações com a segurança e eficiência operacional.

A companhia continuará contando com mergulhadores para as atividades até 50 metros de profundidade e parte dos profissionais também está sendo migrado para atuação em frentes diverless e treinados para operação de robôs submarinos (isto vem ocorrendo, porém o mercado vem realizando este movimento a partir de interações com a Petrobras).

A Petrobras tem em seu Plano Estratégico o respeito à vida, às pessoas e ao meio ambiente como um dos seus valores. Por isso atua de forma constante para permanecer entre as principais referências de segurança do setor no mundo, perseguindo um índice de zero fatalidades nas suas operações, reforçando o seu compromisso com a vida de todas e todos os trabalhadores.

Leia mais  Demissão de Prates vai além da queda das ações da Petrobras

Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Irresponsabilidade Fiscal no Governo e mais: confira o resumo do dia

Rodrigo Mahbub Santana

Petrobras anuncia cumprimento do plano de negócios

Márcia Alves

Déficit do Governo Lula e mais: confira o resumo do dia

Rodrigo Mahbub Santana

Ibovespa abre com baixas, seguindo quedas de ELET3 e aéreas

Paola Rocha Schwartz

Intervencionismo na Petrobras reduzir valor de mercado da estatal

Fernando Américo

A instabilidade na Petrobras e a intervenção governamental

Fernando Américo

Deixe seu comentário