Guia do Investidor
taxa selic 1200x720 1
Notícias

Selic a 12,75% ao ano: entenda o que é a taxa básica de juros e como ela afeta sua vida

Nos siga no Google News

Continua após o anúncio

Como explica o financista e coordenador do Instituto de Finanças da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), Ahmed Sameer El Khatib, a Taxa Selic é utilizada pelo Banco Central para controlar a inflação, e influencia todas as outras taxas de juros do país, como as cobradas em empréstimos. Ela é a principal e mais rápida forma do governo impactar a economia, uma vez que ela impacta diretamente os mais diversos setores da economia.

“A taxa Selic é utilizada pelo Banco Central do Brasil como uma ferramenta para atingir seus objetivos macroeconômicos, como, principalmente, o controle da inflação. Ela influencia todas as outras taxas de juros do país, como as cobradas em empréstimos, financiamentos e até de retorno em aplicações financeiras. Qualquer mudança que o Banco Central do Brasil fizer na taxa resultará em uma alta ou queda da inflação. Além disso, a taxa Selic é um importante instrumento para controle da inflação, já que tem impacto direto sobre o consumo das famílias e, principalmente, a oferta de crédito na economia”, explica o docente.

O QUE INFLUENCIA A SELIC?

A taxa Selic é influenciada por diversos fatores, sendo o principal deles a inflação. Quando a inflação está alta, o Banco Central pode aumentar a taxa Selic para desacelerar a economia e controlar a inflação. Além disso, a taxa Selic também pode ser influenciada pelo perfil dos títulos públicos federais negociados e pelo nível de emprego e renda da população. Outro fator que pode influenciar a taxa Selic é o câmbio, já que uma taxa Selic mais alta pode atrair mais recursos estrangeiros para o país.

Leia mais  Como a taxa de juros Selic influencia a vida do cidadão e das empresas?

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil avalia diversos fatores para definir a meta da taxa Selic. Além disso, a ata do Copom traz informações sobre as projeções econômicas em relação à economia e às perspectivas futuras, o que pode ser útil para entender as tendências do mercado financeiro, sendo uma fonte importante de informações para investidores, analistas e demais interessados em acompanhar a política monetária do Brasil.

SELIC E OS INVESTIMENTOS

Segundo o professor universitário, quando a taxa Selic está alta, os investimentos em renda fixa, como títulos públicos e CDBs, tendem a ser mais rentáveis, já que os juros pagos pelos empréstimos e financiamentos também são mais altos.

Por outro lado, em um cenário de Selic baixa, os investidores tendem a buscar opções mais arriscadas, como ações, para obter maiores retornos. Além disso, a taxa Selic também pode influenciar indiretamente a valorização ou não das ações de empresas negociadas nas bolsas de valores.

“Quando a taxa Selic aumenta, o acesso ao dinheiro pela população, tanto por linhas de crédito, empréstimos e financiamentos, fica reduzido, o que pode afetar o consumo e, consequentemente, a economia. Em resumo, a taxa Selic é um importante indicador para investidores, que devem estar atentos às suas variações para tomar decisões de investimento mais informadas”.

A taxa Selic interfere também nas aplicações de renda fixa, renda variável e previdência privada, como os planos fechados de empresas. Na renda fixa, a taxa Selic é um importante indicador para investidores, já que os juros pagos pelos empréstimos e financiamentos também são mais altos quando a taxa Selic está alta, tornando os investimentos em renda fixa mais rentáveis. Na renda variável, a taxa Selic pode afetar indiretamente a valorização ou não das ações de empresas negociadas nas bolsas de valores.

Leia mais  Abit: Juro elevado em meio a incertezas não é o melhor remédio contra inflação de oferta

Em relação à previdência privada, a taxa Selic pode afetar tanto os planos de renda fixa quanto os de renda variável. Quando a taxa Selic está alta, os planos de renda fixa tendem a ser mais rentáveis, enquanto os planos de renda variável podem ser mais arriscados.

ONDE E COMO INVESTIR

Com a Selic alta, investir em renda fixa pode ser uma boa opção, já que os juros pagos pelos empréstimos e financiamentos também são mais altos, tornando os investimentos em renda fixa mais rentáveis. Além disso, investir em títulos públicos e CDBs pode ser uma opção interessante, já que esses investimentos costumam ser indexados à taxa Selic.

Já com a Selic baixa, os investidores tendem a buscar opções mais arriscadas, como ações, para obter maiores retornos. Além disso, investir em fundos imobiliários e em títulos privados pode ser uma opção interessante, já que esses investimentos costumam ter rentabilidades maiores em cenários de Selic baixa.

“Com a Selic alta, investir em renda fixa pode ser uma boa opção, enquanto com a Selic baixa, os investidores tendem a buscar opções mais arriscadas e com maior potencial de retorno. É importante lembrar que cada investimento tem suas particularidades e riscos, e que é importante avaliar cada opção com cuidado antes de investir”, acrescenta.

FUTURO DO JUROS NO BRASIL

“Com tantos fatores no horizonte, as perspectivas para o futuro da Selic variam muito. Tudo depende de como será feita a lição de casa econômica, política e, principalmente, fiscal. Por exemplo, se essa tarefa não for feita e não tivermos interferência do governo na política de juros, nada impede de fecharmos o ano com 14% de Selic”, finaliza.

Leia mais  Selic a 13,75% - Troque a poupança por um investimento mais rentável e tão seguro quanto
Nos siga no Google News

DICA: Siga o nosso canal do Telegram para receber rapidamente notícias que impactam o mercado.

Leia mais

Itaú alerta que ciclo de queda pode terminar antes do previsto

Paola Rocha Schwartz

Santander eleva recomendação da B3

Rodrigo Mahbub Santana

Copom faz redução de 0,50 pp na taxa Selic

Márcia Alves

Taxa Selic deve atingir ao menor nível em dois anos

Márcia Alves

B3: produtos ligados a juros batem recorde em 2023

Guia do Investidor

Bancos não repassam cortes da Selic e juros seguem estáveis

Guia do Investidor

Deixe seu comentário